top of page

Viagra aumenta o desejo sexual feminino? Conheça o perfil de mulheres que começa a receber a medicação off-label para libido



O medicamento usado para tratar a disfunção erétil poderia ajudar as mulheres que têm dificuldade em se excitar? É uma questão que têm intrigado os pesquisadores da medicina sexual desde pelo menos o final da década de 1990, quando a Food and Drug Administration (FDA) aprovou o sildenafil, conhecido como Viagra, para homens.


Os médicos prescrevem sildenafil off-label para algumas pacientes do sexo feminino, seja na forma de pílulas em baixas doses ou como creme tópico feito em farmácias de manipulação. A Daré, uma farmacêutica, está em busca da aprovação pelo FDA de seu creme tópico de sildenafil, que planeja comercializar especificamente para mulheres.


No entanto, a investigação, incluindo um estudo de Daré publicado hoje, sugere que se o medicamento for eficaz no aumento da excitação nas mulheres, é provável que o faça apenas num pequeno subconjunto.


Então, as mulheres com dificuldades sexuais deveriam considerar tentar o sildenafil? Aqui está o que os especialistas aconselham.


Transtorno de excitação sexual feminina e a promessa do Viagra


Pesquisas ao longo dos anos, incluindo o novo estudo financiado pela Daré, sugeriram que o sildenafil pode ajudar mulheres com distúrbio de excitação sexual feminina, popularmente conhecido como frigidez. Esta é a incapacidade de atingir ou manter a excitação sexual, muitas vezes incluindo falta de lubrificação ou inchaço genital, a ponto de a pessoa sentir sofrimento como resultado.


A condição é tecnicamente distinta de ter baixo desejo sexual, embora em muitos casos os dois se sobreponham. Às vezes, é um efeito colateral dos antidepressivos inibidores seletivos da recaptação da serotonina e também pode ocorrer juntamente a condições que perturbam o fluxo sanguíneo ou a função nervosa, incluindo diabetes e lesões na medula espinhal.


A dificuldade com a excitação física nas mulheres é semelhante à disfunção erétil, pois pode se resumir ao fluxo sanguíneo, segundo Lauren Streicher, professora clínica de obstetrícia e ginecologia na Northwestern University, nos Estados Unidos, que prescreve sildenafil para suas pacientes do sexo feminino há quase uma década.


O aumento do fluxo sanguíneo, principalmente para o clitóris, aumenta a sensibilidade nervosa e desencadeia a lubrificação. O sildenafil dilata os vasos sanguíneos, o que facilita o fluxo do sangue através deles.


No estudo da Daré, 174 mulheres na pré-menopausa receberam uma versão em creme de sildenafil ou um placebo que foi aplicado diretamente no clitóris e na área circundante. Então, foi pedido que relatassem a sua excitação, níveis de desejo, número de encontros sexuais recentes e se se sentiam angustiadas com a sua vida sexual.


Os investigadores descobriram que as mulheres que foram diagnosticadas com distúrbio de excitação sexual feminina – um total de 65 mulheres, metade das quais receberam o creme – relataram um aumento na excitação com o creme de sildenafil.


Mas o creme não alterou significativamente a excitação ou a angústia resultante entre as mulheres que tinham a condição juntamente com a outros problemas de saúde, como dor genital ou incapacidade de orgasmo. A melhoria no grupo com o distúrbio não foi significativa porque o número de participantes foi muito pequeno, escreveram os autores do estudo.


As descobertas ecoam as conclusões de outros estudos menores, nos quais as pílulas de sildenafil melhoraram a função sexual em mulheres com apenas distúrbio de excitação e em mulheres que experimentaram a condição como efeito colateral de antidepressivos ou diabetes.


Não é uma solução para todos


Os resultados mistos do estudo sublinham que, para muitas mulheres que lutam contra a excitação e o desejo, o fluxo sanguíneo pode ser apenas parte da equação, ou não ser a origem do problema, de acordo com Justin Garcia, diretor executivo do Instituto Kinsey da Universidade de Indiana, nos EUA, que se concentra na pesquisa sobre sexualidade.


— A excitação nas mulheres costuma ser uma “resposta biopsicossocial”. Psicologicamente, o seu senso de imagem corporal, o seu senso de estresse, quanto sono você dormiu afetam a função sexual, assim como outros fatores, como a secura vaginal da menopausa ou a rigidez do assoalho pélvico — afirma o pesquisador.


Jewel Kling, presidente do departamento de saúde da mulher. divisão de medicina interna da Clínica Mayo, aponta que psicologicamente, o senso de imagem corporal, o senso de estresse e a qualidade do sono afetam a função sexual, assim como outros fatores, como a secura vaginal da menopausa ou a rigidez do assoalho pélvico.


— Dado isso, eu uso sildenafil quando as mulheres tentaram outras terapias e não obtiveram sucesso, ou quando o sofrimento associado a essa disfunção é tão significativo que queremos tentar outra coisa — explica.


Nos últimos três meses, ela prescreveu doses baixas de sildenafil oral para apenas três de seus pacientes; mas não prescreveu o creme manipulado.


Streicher descobriu que o sildenafil também pode ser útil para mulheres na menopausa, especialmente aquelas que tomam antidepressivos para distúrbios de humor ou têm diabetes.

As mulheres com dificuldades sexuais têm poucas ferramentas farmacêuticas, aponta Garcia, e querem mais opções.


— Mas a questão sobre o creme de sildenafil, é quão significativo é o benefício que as pessoas obterão com isto? — questiona o especialista em sexualidade.


Muitas vezes existe um efeito placebo quando se trata de produtos farmacêuticos para a saúde sexual. Em estudos sobre o Viagra, mesmo os homens que tomavam pílulas placebo encontraram uma melhora na função erétil.


— O mesmo poderia acontecer com um creme de sildenafil aplicado no clitóris. Eu sempre digo que se você esfregar por tempo suficiente, qualquer coisa vai ajudar — contrapõe.


Fonte: O Globo

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page