top of page

Ser mais legal é mais atraente do que ser bonito?



Considerando a atenção que damos à aparência e a rapidez com que formamos — e mantemos — uma primeira impressão sobre os outros, seria natural presumir que a atração física é uma condição indispensável para um relacionamento dar certo.


Mas, embora ela seja desejada, não é, segundo a Ciência, o fator mais importante para quem busca sua cara-metade.


Aparência e sensualidade ocupam posições intermediárias nas sondagens sobre as características preferidas de pessoas que estão à procura de relacionamentos.


Menos significativos ainda são fatores como sucesso material ou segurança financeira.


Em vez disso, qualidades como agradabilidade, extroversão e inteligência são consideradas mais importantes do que a atração física para homens e mulheres, independentemente da orientação sexual.


Vale lembrar, contudo, que nesse tipo de levantamento, o viés da desejabilidade social — ou a nossa tendência em dar respostas "para parecer bem aos olhos dos outros" — pode distorcer os resultados, ressalva Greg Webster, professor de Psicologia na Universidade da Flórida, nos Estados Unidos.


Mas de fato priorizamos personalidade à aparência?


Segundo Jess Alderson, cofundadora do aplicativo de namoro So Syncd, que obriga aos usuários realizarem um teste psicométrico para determinar traços de sua personalidade, a resposta é sim.


De uma amostra de mais de mil usuários compartilhada com a BBC, quase 90% disseram preferir personalidade à aparência na busca de um relacionamento.


Aqui, vale outra observação: classificar a personalidade de alguém pode ser complicado.


Os testes psicométricos, que geralmente assumem a forma de questionário, têm sido utilizados há décadas na psiquiatria para descobrir o tipo de personalidade.


Esses testes tendem a medir o quanto as pessoas concordam com afirmações como "eu sou a vida e a alma da festa", por exemplo.


Os psicólogos costumam usar o teste conhecido como "Big Five" (ou, em português, Cinco Grandes), que classifica as pessoas em cinco características — abertura para experiência, conscienciosidade, extroversão, agradabilidade e neuroticismo (instabilidade emocional).


Essas cinco qualidades são consideradas bastante comuns, mas esse teste não está imune a críticas.


Olhar apenas para cinco características é muito limitador, diz Webster.


Apesar disso, os testes psicométricos podem mostrar semelhanças e diferenças entre as pessoas, além de retratar quadros amplos de personalidades.


E algumas de nossas características parecem indicar se somos mais ou menos propensos a relacionamentos sérios.


Dos Cinco Grandes, a agradabilidade, que é um indicador das habilidades interpessoais de alguém (ou quão carinhosa e benevolente a pessoa é), desempenha um papel importante para ambos os sexos na avaliação inicial da desejabilidade de um encontro.


A agradabilidade é o elemento mais forte para a satisfação de um relacionamento atual e futuro, e único preditor significativo de dissolução de relacionamento.


Tanto para homens como para mulheres, a atração física deve estar associada à agradabilidade para antecipar o desejo de um relacionamento sério.


Ser uma pessoa legal, portanto, é "indispensável para relacionamentos harmoniosos de longo prazo", diz Webster.


"A agradabilidade é uma espécie de necessidade", acrescenta o especialista.


Segundo Webster, a percepção de nossa própria personalidade e da de outras pessoas é moldada por nossos próprios valores.


Pessoas mais simpáticas, por exemplo, tendem a ver as outras como gentis e amigáveis, e vice-versa.


Neste sentido, nos sentimos atraídos por pessoas que compartilham valores semelhantes aos nossos.


Em resumo: a chance de dar o "match" perfeito é maior com pessoas que têm traços de personalidade semelhantes aos nossos.


Parceiros românticos que dizem ser "parecidos" nos cinco grandes traços de personalidade apresentam uma vantagem sobre outros casais na capacidade de resolver problemas e gerir tarefas diárias, acrescentam as sociólogas Terri Orbuch, da Universidade de Michigan, e Susan Sprecher, da Universidade Estadual de Illinois, ambas nos EUA.


Mas isso não quer dizer que seu relacionamento só será bem-sucedido com alguém que seja parecido com você.


Algumas diferenças de personalidade também podem ser atraentes.


Estudos mostram, por exemplo, que preferimos estar em relacionamentos com pessoas que têm um nível de extroversão oposto aos nossos.


"Faz sentido que tenhamos evoluído para sentir atração por pessoas que são diferentes de nós", diz Alderson, cujo aplicativo de namoro online tem maior probabilidade de combinar perfis de pessoas com características complementares.


"Formamos um time mais forte e teremos mais chances de sobreviver. Mas, ainda assim, você e seu parceiro ainda precisam de um denominador comum."


O teste psicométrico usado no aplicativo de namoro So Syncd não é o mesmo do Big Five (Cinco Grandes), mas faz perguntas baseadas em temas semelhantes — como o quão extrovertidos os usuários são ou se eles constroem conexões emocionais com facilidade.


"Juntamos casais que têm semelhanças suficientes para formar uma conexão forte e diferenças suficientes para acender aquela faísca no relacionamento", diz Alderson.


"Nada é definitivo. Se você e seu parceiro são muito parecidos, pode ser um pouco chato. Mas se vocês são muito diferentes, o dia a dia pode ser bem difícil", acrescenta.


Nos relacionamentos, a agradabilidade aliada a outras características atraentes pode extrair o melhor das pessoas, diz Webster.


Em um estudo do qual participou, Webster analisou pessoas socialmente, fisicamente e financeiramente dominadoras, bem como o efeito que a agradabilidade teve na forma como eram vistas por parceiros em potencial.


Esses três tipos de dominância são atraentes, dizem os pesquisadores, pois cada um oferece algum nível de proteção ou acesso a necessidades básicas, como alimentação e abrigo, até as mais desejáveis, como estilos de vida luxuosos.


Mas essa dominância pode causar problemas.


"Os estudos mostram que as pessoas querem parceiros socialmente, fisicamente e financeiramente dominadores, mas querem se sentir dominadas por eles dentro de um relacionamento."


Segundo ele, portanto, a dominância e agradabilidade têm que caminhar lado a lado, acrescenta.


"Você pode ser uma pessoa com instinto dominador, mas estaria disposto a ser dominado por seu parceiro?", questiona o especialista.


Quando se trata de encontrar a combinação certa, diz Webster, a agradabilidade acentua as vantagens de outros traços da nossa personalidade.


Ou seja, em vez de focar na beleza física, talvez valha a pena ser apenas legal.


Fonte: G1

2 visualizações0 comentário

Commentaires


bottom of page