Por que pouco se fala sobre a infertilidade masculina


 
 

Por que temos tanto medo de falar sobre a infertilidade masculina?


É algo que meu marido, Brian Mazza, e eu tivemos que enfrentar enquanto tentávamos começar nossa família. Depois de seis meses tentando engravidar, meu marido descobriu que tinha problemas com seu esperma que exigiriam que passássemos por fertilização in vitro (FIV) para ter filhos.


Durante nossa jornada de fertilidade de quase dois anos, encontrei muitos recursos e locais voltados para as mulheres para obter apoio e respostas. Brian não sentiu o mesmo, e


"Fiquei envergonhado. Fiquei desapontado comigo mesmo", disse meu marido durante uma discussão. "Fiquei chocado que algo que queríamos fazer, não podíamos fazer. Normalmente, por meio de nosso próprio trabalho árduo, coragem e determinação, alcançamos nossos objetivos. E isso é algo pelo qual me senti impotente. Estava fora do meu controle realmente."


Os especialistas dizem que esses sentimentos são comuns - assim como o estigma em torno de discuti-los.


"A infertilidade atinge profundamente a alma de um homem e é algo que eles nunca pensaram a respeito ou encararam que seria um problema", disse o Dr. Paul Turek, urologista reprodutivo e um dos maiores especialistas americanos em infertilidade masculina.


"O exemplo mais profundo é o de um homem estéril sem espermatozoides no sêmen", disse Turek. “Fiz um blog sobre este (tópico) e perguntei aos meus pacientes: 'Qual foi a primeira coisa que passou pela sua cabeça quando soube que era estéril?' E minha resposta favorita foi, 'Eu tive uma crise de identidade biológica.' Isso os atinge como nada mais poderia atingir".


Até um terço dos problemas de infertilidade dos futuros pais atingirão os homens. Outro terço é devido à infertilidade feminina e o terço restante não tem explicação, de acordo com a Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva.


Embora homens e mulheres carreguem um fardo igual, o foco ainda é muito mais nas mulheres quando se trata de tratamentos de fertilidade.


“As pessoas sempre se esquecem do ingrediente masculino quando você está tentando a gravidez”, disse o Dr. Brian Levine, sócio fundador e diretor da clínica de fertilidade CCRM New York, à CNN.


"É lamentável porque acho que os homens têm vergonha ou desconforto em falar sobre seu desempenho sexual ou sexualidade em geral, embora tenhamos aspectos comerciais hipersexualizados neste país onde, entre aspas, o sexo vende", disse Levine.


"As mulheres sentem que há mais recursos disponíveis para elas aprenderem sobre os tratamentos e o caminho para a parentalidade", disse ele. "E porque atribuímos esse machismo ou pressão social à paternidade e à educação de uma criança, é realmente difícil para um homem lidar com o diagnóstico de infertilidade."


O que é infertilidade de fator masculino?


A definição de infertilidade do fator masculino é "a incapacidade de conceber um filho após 1 ano de relação sexual normal e desprotegida", de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos.


A Mayo Clinic afirma que a faixa normal de espermatozoides é entre 15 milhões a mais de 200 milhões de espermatozoides por mililitro de sêmen. Um homem terá uma baixa contagem de espermatozóides se tiver menos de 15 milhões de espermatozoides por mililitro.


Problemas de esperma, diz o CDC, podem ser causados ??pela idade, se o homem tiver mais de 40 anos, excesso de peso, uso excessivo de álcool, exposição à radiação, certos medicamentos, toxinas ambientais e exposição frequente a altas temperaturas.


A causa também pode ser uma varicocele, um aumento das veias dentro do escroto, que às vezes pode ser corrigido com uma cirurgia relativamente simples chamada varicocelectomia.


Mas esta lista não é exaustiva. É algo que meu marido e eu lutamos para entender porque Brian, um atleta de longa data que foi capa da Men's Health Magazine duas vezes, se considerava o epítome da saúde. Ele não bebe álcool, não usa drogas ou tem exposição conhecida a qualquer um dos fatores de risco indicados pelo CDC para baixa contagem de espermatozoides.


Nosso próprio médico em fertilidade, Dr. David Reichman, professor associado de medicina reprodutiva do Centro de Medicina Reprodutiva Ronald O. Perelman e Claudia Cohen do Weill Cornell Medical College, disse que às vezes a infertilidade masculina não tem uma explicação clara.


"É frustrante porque você quer sentir que tem algum controle sobre isso, fatores modificáveis", disse o Dr. Reichman à CNN. "Que se eu apenas fizer um trabalho melhor, as coisas vão melhorar, mas infelizmente há muitos casos em que não é tão cortante e seco. "


Então você é infértil, e agora?


Quando se trata de infertilidade, pode-se pensar no custo associado aos tratamentos.

"Resolver o problema masculino é sempre mais econômico do que ir para a Tecnologia de Reprodução Assistida [ART, na sigla em inglês]", disse Turek.


Ele tem razão. Uma rodada de fertilização in vitro nos Estados Unidos pode custar mais de US $ 12.000 - sem incluir a medicação, de acordo com o Hospital Infantil da Família Stead da Universidade de Iowa.


"O primeiro passo em minha prática é a mudança de estilo de vida. Às vezes, se você está trabalhando demais, esse pode ser o problema. Sono, descanso, redução do estresse, talvez mais exercícios, acupuntura e ioga - isso tem mais impacto do que você pensa, "Dr. Turek disse.

"Então você vai para a terapia médica, que geralmente é baseada em hormônios. Clomid é uma daquelas ... outra terapia médica pode ser um suplemento pré-natal para homens. Se a terapia médica falhar, então você vai para a cirurgia. Se nada mais está disponível, eu digo vá para ART."


Mais mulheres estão se manifestando quando se trata de infertilidade, e graças a pessoas como a ex-primeira-dama Michelle Obama, Chrissy Teigen e Khloé Kardashian, a conversa está se normalizando. Estamos encontrando nossa tribo e nos abraçando uns aos outros por meio de vários grupos de mídia social, podcasts e até mesmo eventos.


Mas eu não consigo pensar em um cara conhecido neste momento que apareceu e falou sobre seus problemas de esperma.


"Por muito tempo, tem sido mais raro ver um homens expressando suas dores, e é mais cultural e socialmente aceitável ter mulheres expressando seus sentimentos", disse Reichman. “Dez anos atrás, não acho que as mulheres falavam sobre sua fertilidade como estão falando agora. Acho que é mais um obstáculo para os homens porque vai contra o estereótipo da percepção machista dos homens que precisamos desfazer.


“Precisamos de indivíduos proeminentes para normalizar a experiência dos homens”, acrescentou. "A fertilidade sempre foi historicamente um assunto tabu, e acho que para os homens a capacidade de reprodução está tão ligada à sua masculinidade entre aspas e, portanto, é uma ameaça real ao ego masculino e não deveria ser."


Meu marido resolveu falar


Barbara Collura, presidente e CEO da RESOLVE: The National Infertility Association, disse que a infertilidade ainda é vista por muitos como uma "condição feminina".


“Ainda temos um longo caminho a percorrer, tanto em termos de homens que se sentem abertos e aceitos para compartilhar essas informações, homens que procuram serviços de apoio emocional e da sociedade em geral que reconhece que a infertilidade afeta os homens”, disse ela.


"A maioria das pessoas fica surpresa ao ouvir a prevalência de infertilidade por fator masculino."

Uma empresa chamada Legacy está tentando mudar isso fazendo parceria com celebridades conhecidas para falar sobre a importância do teste e congelamento de esperma.


Fundada por Khaled Kteily, a Legacy vende o primeiro kit caseiro de análise de sêmen que permite aos homens aprender sobre seus espermatozoides jogando-o no correio e até mesmo congelando-o para o futuro sem ter que entrar em uma clínica. Celebridades como Justin Bieber, DJ Khaled, The Weeknd e Orlando Bloom são todos investidores da empresa.


"Você precisa voltar à ciência, porque homens e mulheres vão ouvir a ciência. Sabemos que a contagem de espermatozoides caiu de 50 a 60% nos últimos 40 anos e que há uma crise quando se trata da infertilidade do fator masculino”, disse Kteily à CNN. “E também precisamos conscientizar os homens para falar sobre os desafios que enfrentam com a fertilidade”.


Meu marido também está usando sua plataforma para mostrar aos homens que não estão sozinhos. É por isso que ele começou uma campanha de arrecadação de fundos chamada Run For a Chance, onde correu 80 quilômetros pelo condado de Westchester, em Nova York, para chamar a atenção para a infertilidade por fator masculino em dezembro.


Ele arrecadou mais de US$ 80.000 para cobrir o tratamento de três pessoas no Centro de Medicina Reprodutiva Ronald O. Perelman e Claudia Cohen de Weill Cornell Medicine, onde passamos por fertilização in vitro para ter nossos dois filhos.


"Acho que a vulnerabilidade mostra um certo nível de masculinidade e acho que mais de nós precisamos explorar isso", disse ele. "Todos nós passamos por coisas em nossas vidas, mas a infertilidade masculina não o torna menos homem."


Fonte: CNN

12 visualizações0 comentário