top of page

Por que os derrames são mais comuns e graves em mulheres?



Todos os anos, mais de 6,6 milhões de pessoas em todo o mundo morrem de AVC, e os investigadores alertam que a incidência está a aumentar, especialmente em pessoas jovens e de meia-idade e em países de baixo e médio rendimento. Num relatório publicado na semana passada, os investigadores previram que as mortes por AVC aumentariam cerca de 50%, atingindo 9,7 milhões de mortes anualmente em 2050.

Os acidentes vasculares cerebrais ocorrem quando o fluxo de oxigênio e nutrientes para o cérebro é interrompido. Isso pode acontecer quando os vasos sanguíneos ficam fracos e eventualmente rompem sob pressão, conhecido como acidente vascular cerebral hemorrágico. Mais comumente, coágulos ou placas podem bloquear os vasos sanguíneos do cérebro; isso é conhecido como acidente vascular cerebral isquêmico. Ambos os tipos de acidente vascular cerebral podem causar danos permanentes ou morte.

Quando as pessoas sobrevivem a um acidente vascular cerebral, muitas vezes enfrentam incapacidades de longo prazo, um risco aumentado de depressão, problemas de memória e muito mais. Mas o fardo da doença pode ser evitado e as disparidades globais reduzidas, afirmam os autores do relatório.

Muitos dos fatores de risco de AVC que estão a se tornar mais comuns em todo o mundo – pressão arterial elevada, colesterol elevado e tabagismo – também são facilmente tratáveis. Ainda assim, o risco de AVC pode variar de acordo com a população, e as mulheres, em particular, têm alguns fatores de risco adicionais que podem necessitar de monitorização.

Nos Estados Unidos, 795 mil pessoas sofrem um acidente vascular cerebral todos os anos, e cerca de 55 mil mulheres a mais do que homens sofrerão um acidente vascular cerebral. As mulheres também têm maior probabilidade de morrer de derrames em comparação aos homens.

Parte deste risco mais elevado pode ser atribuído à maior esperança de vida das mulheres, explica Daniel Hermann, cardiologista intervencionista do Memorial Hermann Health System, em Houston.

— A idade é um enorme fator de risco para acidente vascular cerebral. À medida que as pessoas envelhecem, é mais provável que tenham pressão alta, colesterol alto, acúmulo de placas, desgaste das artérias e pior controle do açúcar no sangue, fatores que contribuem para derrames — pontua o cardiologista Hermann.

Para as mulheres, o período de mudança biológica que ocorre durante a perimenopausa (sem duração e tempo definidos) e a menopausa também é crítico. Muitas mulheres começam a desenvolver problemas de pressão arterial durante esta transição. Os especialistas acreditam que isso ocorre porque o hormônio estrogênio pode ajudar a manter os vasos sanguíneos relaxados e equilibrar os níveis de colesterol. Quando o corpo para de produzir estrogênio, a incidência de derrames e outras doenças cardíacas aumenta.

Estudos confirmam esta ligação em mulheres que experimentam a menopausa mais cedo do que o habitual. Em comparação com as mulheres que passam pela menopausa entre as idades de 50 e 51 anos, aquelas que sofrem de menopausa prematura antes de completar 40 anos, ou menopausa precoce entre as idades de 40 e 44 anos, têm um risco 98% e 49% maior de acidente vascular cerebral, respectivamente.

Mas o excesso de estrogênio, na forma de terapia hormonal, pode ter o efeito oposto: — Há dados de que a reposição de estrogênio na perimenopausa e na menopausa pode aumentar o risco de acidente vascular cerebral, assim como a progesterona — afirma Marion Buckwalter, professora de neurologia e neurocirurgia do Centro Médico da Universidade de Stanford.

A pesquisa sugere que os benefícios da terapia hormonal da menopausa só superam os riscos se for tomada em uma idade mais jovem ou perto da menopausa, quando os níveis hormonais estariam mais alinhados com o que seu corpo costumava produzir.

Algumas evidências sugerem que as mulheres que usam certos tipos de contraceptivos hormonais também têm maior probabilidade de sofrer um acidente vascular cerebral, especialmente se tiverem pressão alta, fumarem ou tiverem enxaquecas, o que pode aumentar o risco. Alguns estudos sugeriram que mulheres que se submetem a tratamento de infertilidade e mulheres trans que tomam estrogênio para afirmação de gênero também apresentam maior risco de acidente vascular cerebral.

As mulheres também enfrentam fatores de risco únicos durante e imediatamente após a gravidez. Como o volume de sangue aumenta durante a gravidez e depois reverte rapidamente após o parto, o risco de coágulos sanguíneos também aumenta, de acordo com a professora Marion. Se uma mulher ganhar peso excessivo durante a gravidez ou desenvolver pré-eclâmpsia ou diabetes gestacional, isso também pode aumentar o risco de coágulos e acidente vascular cerebral mais tarde na vida.

As mulheres negras nos Estados Unidos têm maior probabilidade de sofrer um acidente vascular cerebral do que qualquer outro grupo de mulheres. Eles também têm maior probabilidade de sofrer AVC em idades mais jovens e de AVC mais graves. Muitos fatores podem conduzir a este risco aumentado, incluindo uma vida inteira de discriminação racial; pior acesso aos cuidados de saúde para gerir as condições subjacentes; e uma maior incidência geral de hipertensão, colesterol elevado e obesidade, bem como condições genéticas como anemia falciforme. Como as mulheres podem prevenir o AVC? A melhor maneira de diminuir o risco é começar monitorando e tratando a hipertensão. “Você provavelmente reduziria os acidentes vasculares cerebrais pela metade se tratasse toda a pressão arterial”, orienta Marion.

Faça exames regulares de bem-estar a partir dos 20 anos para que você possa detectar problemas de pressão arterial, colesterol alto ou diabetes desde o início.

Pare de fumar e faça pelo menos 150 minutos de exercícios por semana. Reduza a quantidade de gordura saturada, gordura trans e sódio em sua dieta para ajudar a manter a pressão arterial saudável:

— Eu normalmente recomendo uma dieta com uma alimentação saudável. Há evidências fortes de que manter as pessoas saudáveis ​​reduz não apenas o risco de acidente vascular cerebral, mas também reduzir o risco de demência e de câncer — detalha Marion.

Esteja ciente de seu histórico familiar de doenças cardíacas e derrame. Converse com seu médico sobre alternativas às pílulas anticoncepcionais se você for de alto risco e sobre um monitoramento mais rigoroso da pressão arterial durante certas fases da vida, como gravidez e menopausa.

A partir dos 60 anos, também pode ser uma boa ideia solicitar um teste do índice tornozelo-braquial, para verificar o acúmulo de placas nas artérias das pernas. E lembre dos números de urgência caso sinta os sinais de alerta de um derrame: rosto caído ou dormência, fraqueza no braço e dificuldade de fala. Obter ajuda médica rapidamente pode salvar sua vida e prevenir incapacidades graves.


Fonte: O Globo

2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page