Estudo associa TDAH em adultos a ansiedade generalizada


 
 

Um estudo publicado na última terça (16/11) na revista científica Journal of Affective Disorders descobriu que um em cada quatro adultos de 20 a 39 anos com transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) também sofre de ansiedade generalizada.


Segundo o site americano de notícias médicas Medical Xpress, as pessoas com hiperatividade podem ter quatro vezes mais chances de apresentar transtorno de ansiedade em algum momento da vida, quando comparadas às que não possuem TDAH.


Mesmo quando os cientistas levaram em conta fatores relevantes como dados sociodemográficos, experiências adversas na infância e histórico de uso de substâncias e transtornos depressivos maiores, os voluntários com hiperatividade tinham mais do que o dobro de chances de apresentar ansiedade generalizada.


O estudo recém-publicado analisou dados de 6.898 participantes do estudo Canadian Community Health Survey-Mental Health com idades entre 20 e 39 anos, dos quais 272 tinham TDAH e 682 apresentavam ansiedade.


“As descobertas destacam o quão vulneráveis os adultos com TDAH são a transtornos de ansiedade generalizada. Existem muitos estudos ligando a hiperatividade em adultos à depressão e ao suicídio, mas menos atenção tem sido dada aos distúrbios generalizados da atenção e outros problemas adversos ao longo da vida”, diz a pesquisadora Esme Fuller-Thomson, da Universidade de Toronto, uma das autoras do estudo, citada pelo Medical Xpress.

De acordo com o site especializado, as mulheres com TDAH tinham quase cinco vezes mais risco de apresentar ansiedade generalizada, mesmo após o controle das variáveis.

Problemas na infância

Os pesquisadores descobriram que adultos que passaram por experiências adversas na infância, como abuso sexual ou físico ou mesmo violência doméstica dos pais, podem ter três vezes mais probabilidade de sofrer com transtorno de ansiedade generalizada, revela o site americano.


Além disso, 60% dos voluntários com TDAH diagnosticados com ansiedade haviam experimentado pelo menos uma dessas experiências adversas na infância, afirma o Medical Xpress.


Outros fatores associados à ansiedade generalizada em adultos com hiperatividade incluem salários baixos, menos relacionamentos íntimos e histórico de transtorno depressivo maior ao longo da vida (neste caso, o risco aumenta em seis vezes).


“Esses resultados destacam a importância do rastreamento de doenças mentais e do tratamento dos sintomas depressivos ao fornecer suporte para pacientes com TDAH. Indivíduos com hiperatividade, ansiedade generalizada e depressão são um subgrupo particularmente vulnerável que pode precisar de suporte específico de profissionais de saúde”, comenta a pesquisadora Lauren Carrique, também da Universidade de Toronto, outra autora do estudo, citada pelo site americano.


Fonte: Trendsbr

6 visualizações0 comentário