top of page

Estado emocional pode causar manchas vermelhas na pele. Entenda



Além de ser o maior órgão do corpo, a nossa pele tem o mesmo folheto embrionário que o sistema nervoso central. Portanto, tudo o que impacta em um, pode repercutir no outro. O cortisol, hormônio do estresse, é especialmente prejudicial, e pode ser o responsável pelo surgimento de manchas vermelhas. 


“O excesso de cortisol irá promover um processo inflamatório, comprometer a função barreira da nossa pele e a imunidade, pois o sistema imune reage perante as emoções promovendo quadros de alergia”, explica Patrícia França, farmacêutica e gerente científica.


Já segundo a Dra. Mônica Aribi, dermatologista, sócia efetiva da Sociedade Brasileira de Dermatologia, o estresse pode causar várias alterações na pele, inclusive manchinhas vermelhas, que são chamadas de urticária colinérgica.


Impacto emocional na saúde da pele


Conforme a farmacêutica, a pele é repleta de terminações nervosas que se comunicam diretamente com nosso estado emocional. Qualquer alteração pode refletir em quadros de vermelhidão, coceira e até mesmo urticária.


 “Além do estresse, a depressão e ansiedade também podem causar alterações na pele, como seborreia, caspa, oleosidade que por vezes irrita a pele e forma manchinhas vermelhas na pele, chamadas de dermatite”, acrescenta a Dra. Mônica. 


“Podemos dizer que as alergias emocionais estão relacionadas a uma forma não verbal de expressar os sentimentos, processo que chamamos de somatização que nada mais é do que a forma não intencional de liberar as emoções em diferentes partes do corpo”, completa Patrícia França.


A dermatologista Dra. Mônica explica que a urticária colinérgica geralmente se forma nos braços e pernas, e causa muita coceira. “No caso das dermatites em geral aparecem no centro da face, ao redor do nariz ou na fronte e atrás das orelhas. Nesse segundo caso não há coceira”, completa a médica.


Tratamento


De acordo com a especialista, o tratamento exige o controle da causa e corticoterapia para as lesões da pele. A medicação pode ser feita topicamente ou, em casos mais graves, via oral. 


A farmacêutica Patrícia enfatiza que um bom tratamento deve ser pautado na história clínica do paciente, com a compreensão do ambiente em que ele vive e o estilo de vida adotado. Isso porque as doenças relacionadas à pele muitas vezes estão associadas ou são desencadeadas pelo aspecto emocional, privação do sono e alimentação inadequada. 


“Uma boa forma de tratar, ou até mesmo auxiliar na sua prevenção, é iniciar com um bom manejo da ansiedade e do estresse. Com isso diminuímos o impacto emocional e o gatilho do processo alérgico”, explica a farmacêutica.  


Há ainda algumas fórmulas que podem atuar diretamente na redução do processo inflamatório. “É importante também cuidar da sua imunidade com suplementos imunomoduladores e que também contribuem para uma boa microbiota intestinal. Afinal, o intestino produz 80% dos nossos neurotransmissores relacionados ao bem-estar”, destaca.


Por fim, Patrícia lembra que os tratamentos farmacológicos também contemplam a terapêutica e normalmente podem incluir antialérgicos e corticóides. “O suporte psicológico também é útil, pois se não retirarmos a causa do distúrbio psicológico, os sintomas poderão persistir”, finaliza.


Fonte: Saúde em Dia

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page