top of page

Dismorfia corporal: entenda transtorno que atinge Megan Fox



Em recente entrevista para a revista Sports Illustrated Swimsuit, a atriz Megan Fox afirmou ser vítima de dismorfia corporal. Embora já tenha sido eleita por diversas publicações como uma das mulheres mais atraentes do mundo, ela afirmou que nunca se sentiu bonita.


A entrevista está acompanhada de uma série de imagens nas quais a estrela aparece de biquíni em uma praia da República Dominicana. “Não me vejo como as pessoas me veem. Nunca na minha vida me senti uma mulher bonita, nem quando era criança. A insatisfação com meu corpo sempre foi uma obsessão para mim”, afirmou Megan, à publicação.


Segundo especialistas, a dismorfia corporal não tem relação com a aparência real da pessoa, mas justamente com a forma como ela se percebe. “A dismorfia corporal não é só uma insatisfação, é uma visão distorcida de como é o próprio corpo”, afirma a psicóloga Jennifer Patricia Kuhn Lago, de Brasília.


O que é a dismorfia corporal?


O nome técnico para o problema é Transtorno Dismórfico Corporal (TDC). A pessoa encontra defeitos em seu corpo e não consegue parar de pensar neles, sentindo-se muito mal quando se vê no espelho.


Os sintomas da dismorfia corporal estão ligados especialmente a um julgamento muito criterioso e distorcido da própria aparência, tais como:

  • Busca ativa por encontrar defeitos no próprio corpo;

  • Angústia com a própria aparência que prejudica até a capacidade funcional do indivíduo;

  • Incapacidade de deixar de se olhar no espelho, ainda que não admire o que o objeto reflete;

  • Uso de adjetivos extremamente duros para se descrever como deformado, medonho ou monstruoso.

“Nossa visão não nos permite enxergar nosso corpo de maneira integrada. Vamos tomando consciência do que somos e de como isso é avaliado conforme ocorrem as nossas interações sociais. Como vivemos em uma sociedade que desvaloriza pessoas fora de um padrão de beleza, estabelecemos metas imaginárias para a nossa aparência desde cedo”, afirma a psicóloga Mirlene Matos de Souza Pereira, de Brasília.


Megan Fox afirmou, na entrevista, que sua jornada pessoal para aprender a se amar será uma tarefa de vida inteira.


O tratamento da dismorfia corporal é feito com sessões de psicoterapia e, além disso, pode ser necessário, dependendo do quadro, tomar antidepressivos e ansiolíticos.


Fonte: Metrópoles

31 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page