top of page

Crossfit na gravidez? Gestante pratica exercício um dia antes do parto e viraliza



O vídeo de uma gestante praticando crossfit viralizou nas redes sociais e já acumula mais de oito milhões de visualizações em apenas uma postagem no X (antigo Twitter). Na publicação, a bombeira militar Gabriela Andrade aparece fazendo agachamentos, pull-ups e outros exercícios no que ela conta ser um dia antes do parto.

A cena na realidade é de dezembro do ano passado, mês em que o filho de Gabriela, Matheus, nasceu. Porém, voltou a repercutir nesta semana nas redes e despertar reações ora positivas, destacando os benefícios da atividade física, ora de preocupação em relação à alta intensidade da prática durante a gestação, principalmente no seu fim. “No vídeo eu estava com 40 semanas e naquela ansiedade absurda. Eu chamei (o meu marido) para fazer (o treino) e ele topou”, escreveu a bombeira na postagem inicial, no Instagram. Nos comentários, um personal trainer que diz trabalhar com gestantes chegou a demonstrar apreensão em relação ao tipo dos exercícios, ao que Gabriela respondeu ser acompanhada pelos “melhores profissionais”.

Mas afinal, a gestante pode fazer crossfit? O ginecologista obstetra Rodrigo Rosa, diretor clínico da clínica Mater Prime, em São Paulo, e membro da Sociedade Brasileira de Reprodução Humana (SBRH), diz que, para a maioria, a resposta é não.

Ele explica que as atividades de alta intensidade como o crossfit não são indicadas para a maior parte das gestantes, especialmente em um momento tão avançado da gravidez. Porém, destaca que, sob avaliação médica, casos como o da bombeira, em que ela já era acostumada a exercícios pesados, podem ser considerados.

— A prática de atividade física na gestação é altamente benéfica, mas não é indicado a prática de alta intensidade. A exceção são pessoas que já são altamente capacitadas, treinadas, acostumadas, e que durante a gravidez não apresentam riscos aumentados para parto prematuro, não tenham colo do útero mais curto, não apresentam inserção baixa de placenta, sempre após uma avaliação médica e supervisão. Mas é um caso realmente em caráter de exceção. Para a grande maioria das gestantes, o ideal é a atividade moderada — diz.

Além disso, Fernanda Faig, obstetra especialista em gestação de alto risco do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo, explica que, mesmo para aquelas já acostumadas a exercícios mais pesados, a indicação é reduzir a carga durante a gravidez.

— O crossfit pode ser feito por mulheres que já praticavam a modalidade, com a recomendação de diminuição de carga e de intensidade leve a moderada. Ainda não existem estudos suficientes para garantir que a prática de exercícios em alta intensidade seja segura durante a gestação — diz.

Ela esclarece que, quando as orientações não são seguidas, ou a atividade física escolhida não envolve a avaliação médica, pode haver riscos para o bebê:

— Alguns deles são descolamento prematuro de membranas, trabalho de parto prematuro, lesões osteoarticulares e musculoesqueléticas, restrição de crescimento fetal e hipoglicemia fetal. Quais os exercícios ideais durante a gravidez? Rosa diz que, no geral, as atividades mais indicadas são as que promovem uma melhora da capacidade cardiorrespiratória e um fortalecimento muscular, principalmente na região da lombar para diminuir o desconforto que pode surgir com o peso da barriga e a mudança do centro de gravidade do corpo.

— Atividades de baixo impacto, como natação, pilates, ginástica, são muito bem-vindas. Corridas leves e musculação leve não estão necessariamente contraindicadas, mas é preciso evitar grandes esforços que aumentem a pressão intra-abdominal e o batimento cardíaco, já que a própria gestação eleva a frequência cardíaca basal — diz.

A obstetra do Einstein acrescenta que a avaliação deve se adaptar ao período da gestação. Enquanto no primeiro trimestre deve-se evitar exercícios que tenham impacto, no segundo é importante também interromper aqueles com risco de queda:

— Em caso de musculação, por exemplo, nessa etapa possivelmente as cargas terão que ser adaptadas para que o treino fique confortável e seguro. No terceiro trimestre, o peso da mãe já está atuando muito nos exercícios, então a recomendação seria evitar as cargas pesadas e os movimentos que precisem ficar em apneia (sem respirar), fazendo assim manobra de valsalva, o que pode aumentar a pressão intra-abdominal.


Fonte: O Globo

3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page