Comer chocolate pode causar enxaqueca? Veja em 7 pontos o que dizem os especialistas


O consumo de chocolate é popularmente associado ao aparecimento da enxaqueca. Entretanto, segundo especialistas, é preciso cautela antes de fazer essa afirmação. Isso acontece porque, apesar de a doença afetar mais de 1 bilhão de pessoas no mundo, ela ainda não foi totalmente compreendida pela medicina.

“Não existe um estudo que diz que quem come chocolate, leite ou queijo vai ter enxaqueca. Sabemos que alguns alimentos, sim, podem favorecer a enxaqueca, mas não existe uma regra do que pode ou não pode. Isso vai depender da percepção de dor de cada indivíduo”, explica a fisioterapeuta especializada na doença Fernanda Mywa. Ainda não há cura para a enxaqueca, que pode se apresentar de maneira esporádica ou crônica, quando as crises duram 15 dias por mês ou mais.

Abaixo, especialistas ouvidos pelo G1 explicam em sete pontos porque as pessoas associam o consumo de chocolate ao aparecimento de crises de enxaqueca e como impedir que os sintomas inicias da doença evoluam para dor intensa.

  1. O que é enxaqueca?

  2. Existe relação entre o consumo de chocolate e enxaqueca?

  3. Por que as pessoas relacionam o consumo de chocolate à enxaqueca?

  4. Quais são as fases da enxaqueca?

  5. Quais são os sintomas que se apresentam no pródromo?

  6. Como identificar se o consumo de chocolate é um gatilho ou sintoma da enxaqueca?

  7. É possível impedir que evoluam para a fase de dor?

1. O que é enxaqueca? Enxaqueca é um tipo de dor de cabeça, mas não o único. Dentro da literatura médica há mais de 200 tipos diferentes de cefaleias registradas e divididas entre primárias ou secundárias. Cefaleias primárias são aquelas em que a dor de cabeça é a própria doença, como no caso da enxaqueca ou das dores de cabeça tensionais.

As cefaleias secundárias, por sua vez, são sintomas de outras alterações que estão acontecendo no nosso corpo, como as dores ocasionadas durante crises de sinusite ou desvio de septo, por exemplo.

Apesar de ter catalogado mais de 200 tipos de cefaleia, as mais frequentes na população mundial são a enxaqueca ou a cefaleia tensional, também chamada de dor de cabeça comum. 2. Existe relação entre o consumo de chocolate e enxaqueca? Ainda não se sabe. Embora muitos estudos associem o consumo de chocolate com o aparecimento das dores de cabeça, cientificamente, os mecanismos fisiológicos por trás disso não estão claros. Segundo Fernanda Mywa, fisioterapeuta especializada em enxaqueca, a relação entre chocolate e enxaqueca ainda não está clara.

"Cientificamente, a gente tem um lado muito bom do cacau, que vai estar presente no chocolate, mas por outro lado ainda não temos certeza do quanto ele pode impactar negativamente no surgimento das crises de enxaqueca. Tudo ainda é muito contraditório", afirma Mywa. 3.Por que as pessoas relacionam o consumo de chocolate à enxaqueca? O consumo de chocolate é, muitas vezes, relacionado ao aparecimento da crise de enxaqueca de forma errônea. De acordo com o Fábio Porto, neurologista do Hospital das Clínicas de São Paulo, a enxaqueca é composta de quatro fases, sendo a primeira dela, o pródromo, uma fase que tem como sintoma o desejo por alimentos doces, como o chocolate, por exemplo.

"Algumas pessoas que comem alguns alimentos realmente relatam crises de enxaqueca após o consumo, como acontece com o vinho. O que precisamos ter cuidado é saber se a crise foi ocasionada pelo alimento ou se a pessoa já estava em crise quando comeu o alimento e não havia percebido”, explica Porto. 4. Quais são as fases da enxaqueca? Apesar de muitas pessoas relacionarem a dor de cabeça com a dor, nem toda enxaqueca está relacionada à dor. Isso acontece porque a dor é apenas a terceira fase da enxaqueca. Veja abaixo as quatro fases da enxaqueca:

  • O pródromo, fase que pode durar entre 24 e 72 horas, é caracterizado por alterações cerebrais que antecedem a dor e nem sempre são perceptíveis.

  • Aura é caracterizada pela presença de pontos brilhantes ou pretos na visão e a sensação de formigamentos na palma das mãos ou na boca, podendo durar de 5 a 60 minutos.

  • A terceira fase da enxaqueca é a da dor, que é caracterizada por uma dor latejante e unilateral, ou seja, presente apenas de um dos lados da cabeça.

  • Após terminado o período de dor, o paciente entra na quarta fase da enxaqueca: o pósdromo, que de acordo com relato de pacientes se assemelha com a sensação de ressaca.

5. Quais são os outros sintomas que se apresentam no pródromo? Além da vontade de comer chocolate e outros alimentos doces, as pessoas também costumam apresentar: cansaço intenso, irritabilidade, desatenção, sonolência, maior sensação de sede, aumento da frequência urinária e bocejos incontroláveis.

“Não estamos falando de um bocejo após o fim do dia, quando a pessoa já está cansada. Estamos falando de muitos bocejos ao longo do dia mesmo que você não esteja com sono”, afirma Mywa. 6. Como identificar se o consumo de chocolate é um gatilho ou sintoma da enxaqueca? Para Fábio Porto, Hospital das Clínicas de São Paulo, o melhor modo de analisar se um alimento está favorecendo o aparecimento das crises de enxaqueca ou é um sintoma do pródromo é fazendo um diário, onde o indivíduo irá detalhar o que comeu e como estava se sentindo antes, durante e após o consumo.

"O que eu recomendo é tentar fazer uma associação entre o consumo e as crises por meio de um diário. Identificando uma possível associação, o indivíduo pode fazer um teste e retirar o alimento por algum tempo para observar se as crises melhoram ou não. Caso contrário, não acho necessário que as pessoas se privem de comer chocolate", diz Porto. 7. É possível impedir que evoluam para a fase de dor? Sim. De acordo com Mywa, ao identificar os demais sintomas na fase inicial da enxaqueca é possível impedir que a doença evolua para a fase de dor intensa através de métodos naturais e medicamentosos.

Entre os métodos naturais estão o uso da aromaterapia, o consumo de chás, alongamentos e massagens faciais.


Fonte: G1

11 visualizações0 comentário