top of page

Caminhar pode prevenir a dor lombar, segundo um novo estudo




Você sofre de dor lombar recorrente? Se sim, você não está sozinho. Aproximadamente 70% das pessoas que se recuperam de um episódio de dor lombar terão um novo episódio no ano seguinte.


A natureza recorrente da dor lombar é um dos principais fatores que contribuem para o enorme ônus que este tipo de dor representa para os indivíduos e para o sistema de saúde.


Em nosso novo estudo, publicado hoje no The Lancet, descobrimos que um programa que combina caminhada e educação pode reduzir com eficácia a recorrência da dor lombar.


O estudo WalkBack


Designamos aleatoriamente 701 adultos que haviam se recuperado recentemente de um episódio de dor lombar para receber um programa individualizado de caminhada e educação (intervenção) ou para um grupo sem tratamento (controle).


Os participantes do grupo de intervenção foram orientados por fisioterapeutas em seis sessões, em um período de seis meses. Na primeira, terceira e quinta sessões, o fisioterapeuta ajudou cada participante a desenvolver um programa de caminhada personalizado e progressivo que fosse realista e adaptado às suas necessidades e preferências específicas.


As sessões restantes eram breves check-ins (geralmente menos de 15 minutos) para monitorar o progresso e solucionar quaisquer possíveis barreiras ao envolvimento com o programa de caminhada. Devido à pandemia da COVID, a maioria dos participantes recebeu toda a intervenção via telessaúde, usando consultas por vídeo e chamadas telefônicas.


O programa foi projetado para ser gerenciável, com uma meta de cinco caminhadas por semana de aproximadamente 30 minutos diários até o final do programa de seis meses. Os participantes também foram incentivados a continuar caminhando de forma independente após o programa.


É importante ressaltar que o programa de caminhada foi combinado com a educação fornecida pelos fisioterapeutas durante as seis sessões. O objetivo dessa instrução era proporcionar às pessoas uma melhor compreensão da dor, reduzir o medo associado ao exercício e ao movimento e dar às pessoas a confiança necessária para autogerenciar quaisquer recorrências menores, caso ocorressem.


As pessoas do grupo de controle não receberam nenhum tratamento preventivo ou educação. Isso reflete o que normalmente ocorre depois que as pessoas se recuperam de um episódio de dor lombar e recebem alta do tratamento.


O que os resultados mostraram


Monitoramos os participantes mensalmente a partir do momento em que foram incluídos no estudo, por até três anos, para coletar informações sobre quaisquer novas recorrências de dor lombar que possam ter tido. Também pedimos aos participantes que informassem sobre quaisquer custos relacionados à dor lombar, incluindo o tempo de afastamento do trabalho e o uso de serviços de saúde.


A intervenção reduziu o risco de recorrência de dor lombar que limitava a atividade diária em 28%, enquanto a recorrência de dor lombar que levava os participantes a procurar atendimento de um profissional de saúde diminuiu em 43%.

Os participantes que receberam a intervenção tiveram um período médio mais longo antes de terem uma recorrência, com uma mediana de 208 dias sem dor, em comparação com 112 dias no grupo de controle.


No geral, também descobrimos que essa intervenção é econômica. A maior economia veio do menor absenteísmo ao trabalho e do menor uso de serviços de saúde (como fisioterapia e massagem) entre o grupo de intervenção.


Esse estudo, como todos os estudos, teve algumas limitações a serem consideradas. Embora tenhamos tentado recrutar uma amostra ampla, descobrimos que a maioria dos participantes era do sexo feminino, com idade entre 43 e 66 anos e, em geral, com bom nível de escolaridade. Isso pode limitar o grau de generalização de nossos resultados.


Além disso, nesse estudo, usamos fisioterapeutas que eram qualificados em treinamento em saúde. Portanto, não sabemos se a intervenção teria o mesmo impacto se fosse realizada por outros médicos.


Caminhar traz vários benefícios


Todos nós já ouvimos o ditado que diz que “prevenir é melhor do que remediar” - e é verdade. Mas essa abordagem tem sido amplamente negligenciada quando se trata de dor lombar.


Quase todos os estudos anteriores se concentraram no tratamento de episódios de dor, não na prevenção de futuras dores nas costas.


Um número limitado de pequenos estudos demonstrou que exercícios e educação podem ajudar a prevenir a dor lombar. No entanto, a maioria desses estudos se concentrou em exercícios que não são acessíveis a todos devido a fatores como alto custo, complexidade e necessidade de supervisão de profissionais de saúde ou de condicionamento físico.


Por outro lado, a caminhada é uma forma gratuita e acessível de se exercitar, inclusive para pessoas em áreas rurais e remotas com acesso limitado a serviços de saúde.


Caminhar também proporciona muitos outros benefícios à saúde, incluindo melhor saúde cardíaca, melhora do humor e da qualidade do sono e redução do risco de várias doenças crônicas.


Embora a caminhada não seja a forma de exercício preferida de todos, a intervenção foi bem recebida pela maioria das pessoas em nosso estudo. Os participantes relataram que os benefícios adicionais para a saúde em geral contribuíram para sua motivação contínua para continuar o programa de caminhada de forma independente.


Por que a caminhada é útil para a dor lombar?


Não sabemos exatamente por que a caminhada é eficaz na prevenção da dor lombar, mas possíveis razões podem incluir a combinação de movimentos suaves, carga e fortalecimento das estruturas e músculos da coluna vertebral. Também pode estar relacionado ao relaxamento e ao alívio do estresse, e à liberação de endorfinas “que fazem sentir-se bem”, que bloqueiam os sinais de dor entre o corpo e o cérebro - essencialmente diminuindo o nível de dor.


É possível que outras formas de exercício acessíveis e de baixo custo, como a natação, também sejam eficazes na prevenção da dor lombar, mas, surpreendentemente, nenhum estudo investigou isso.


Prevenir a dor lombar não é fácil. Mas essas descobertas nos dão esperança de que estamos nos aproximando de uma solução, um passo de cada vez.


*Tash Pocovi é pesquisadora de pós-doutorado do Departamento de Ciências da Saúde da Macquarie University

*Christine Lin é professora do Instituto de Saúde Musculoesquelética da Universidade de Sydney.

*Mark Hancock é professor de Fisioterapia da Macquarie University.

*Petra Graham é professora associada da Escola de Ciências Matemáticas e Físicas da Macquarie University.

*Simon French é professor de Distúrbios Musculoesqueléticos da Macquarie University.

**Este texto foi publicado originalmente no site do The Conversation Brasil.



Fonte: G1

1 visualização0 comentário

Comments


bottom of page