top of page

Estudo acha sentimentos em comum em cartas de idosos que se suicidaram



Todos os dias, ao menos 38 pessoas tiram a própria vida no Brasil e esta estatística é cada vez maior entre a população mais velha, segundo dados do Ministério da Saúde. Em 10 anos (entre 2009 e 2019), o número de idosos entre 60 e 69 anos que se suicidaram cresceu 65% (saltou de 769 para 1.273 casos). Nos idosos com idades entre 70 e 79 anos, o aumento foi de 80,8% e, entre os octogenários, o crescimento foi de 55%.


Esses dados acendem um alerta sobre a importância de saber identificar, abordar e encaminhar a pessoa com pensamentos suicidas para um tratamento adequado. O suicídio é um problema de saúde pública no mundo todo, mas ainda é tratado de forma silenciosa. Falar sobre o assunto muitas vezes é considerado um tabu.


Razões


Com o objetivo de tentar identificar as razões que levam uma pessoa mais velha a tirar a própria vida, um grupo de pesquisadores canadenses analisou bilhetes deixados por idosos que se suicidaram (com 65 anos ou mais) para avaliar as experiências subjetivas dessas pessoas nos momentos próximos à sua morte. Os autores identificaram temas em comum que podem servir como base para intervenções direcionadas para prevenção.


As cartas mostram os pensamentos e as emoções das pessoas em risco. Entre os assuntos citados nos bilhetes, estão o sentimento de culpa ou de serem um fardo para a família, desesperança, sofrimento intenso por alguma doença mental, solidão ou isolamento, além da saúde debilitada e da dificuldade de realizar tarefas que antes eram comuns.


Termos relacionados à dor, problemas com o sono, pedidos de desculpas e incapacidade de continuar também foram recorrentes. Os resultados do estudo foram publicados no The American Journal of Geriatric Psychiatry.


Palavras-chaves


Segundo Leonardo Prestes, neurologista e psiquiatra especialista em psicogeriatria do Hospital Israelita Albert Einstein de Goiânia, os resultados têm uma enorme importância científica porque apontam palavras-chaves comuns deixadas nos bilhetes que servirão de alerta para familiares e profissionais da saúde que lidam com esse público. De acordo com Prestes, estima-se que 1 em cada 4 idosos têm algum quadro de síndrome depressiva.


“Um idoso que recorrentemente fala sobre esses temas precisa de ajuda, mesmo que não queira. Uma pessoa que deixa uma carta é alguém que está planejando o suicídio e quer explicar para a família quais foram as suas razões. É como se fosse uma espécie de testamento. O jovem que se suicida, em geral, não deixa bilhetes porque age mais por impulsividade”, afirma Prestes.

Sinais diferentes


Como a maioria dos casos de suicídio está associada a algum tipo de transtorno de saúde mental, é preciso saber identificar os sinais para o encaminhamento para tratamento adequado. Segundo Prestes, os sinais da depressão no idoso são diferentes dos sinais em um jovem.


“No idoso os sintomas da depressão são muito mais físicos do que de tristeza. Em geral, são mais queixas de cansaço do que de angústia e desânimo. O erro é que a crença é a de que um idoso cansado é ‘normal’, mas não é”, explica Prestes.


Por isso, ressalta o médico, é tão importante que a família saiba identificar esses sinais, para procurar ajuda especializada antes que um quadro depressivo importante se instale. “Os idosos precisam ressignificar o envelhecimento e isso é muito difícil. A busca pelo psiquiatra dificilmente é espontânea porque o próprio idoso tem dificuldade de aceitar que pode ter um problema de saúde mental”, alertou o psiquiatra.


No mundo todo, segundo a OMS, há quase um bilhão de pessoas (incluindo 14% dos adolescentes do mundo) vivendo com algum transtorno mental. O suicídio foi responsável por mais de uma em cada 100 mortes e 58% dos suicídios ocorreram antes dos 50 anos de idade. Esta é a quarta principal causa de morte entre os jovens entre 15 e 29 anos, ficando atrás apenas de acidentes de trânsito, tuberculose e violência interpessoal. (Fonte: Agência Einstein)


Busque ajuda


Está passando por um período difícil? O Centro de Valorização da Vida (CVV) pode te ajudar. A organização atua no apoio emocional e na prevenção do suicídio, atendendo voluntária e gratuitamente todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo, por telefone, e-mail, chat e Skype 24 horas todos os dias.


O Núcleo de Saúde Mental (Nusam) do Samu também é responsável por atender demandas relacionadas a transtornos psicológicos. O Núcleo atua tanto de forma presencial, atendendo em ambulância, como a distância, por telefone, na Central de Regulação Médica 192.

Disque 188

A cada mês, em média, mil pessoas procuram ajuda no Centro de Valorização da Vida (CVV). São 33 casos por dia, ou mais de um por hora. Se não for tratada, a depressão pode levar a atitudes extremas.


Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada dia, 32 pessoas cometem suicídio no Brasil. Hoje, o CVV é um dos poucos serviços em Brasília em que se pode encontrar ajuda de graça. Cerca de 50 voluntários atendem 24 horas por dia a quem precisa.


Fonte: Metrópoles

2 visualizações0 comentário

コメント


bottom of page