Como lidar com o diagnóstico de câncer; médico e paciente respondem


Aos 32 anos, Melissa Parra foi diagnosticada com câncer de mama, o câncer de maior incidência no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS). Todo diagnóstico é complexo e difícil de lidar, mas o de Melissa foi dado em um contexto muito particular.


“Foi um processo bastante difícil porque enfrentei (…) depressão pós-parto (…). Fui diagnosticada exatamente três semanas depois que minha única filha nasceu”, disse ele em entrevista à CNN en Español.


Isso, diz ela, a fez temer não apenas por sua vida, mas pela ideia de deixar o marido e a filha recém-nascida sozinhos.


Precisamente, os sentimentos relacionados à morte costumam aparecer quando um diagnóstico de câncer é feito, segundo Elmer Huerta, especialista em Oncologia e Saúde Pública e colaborador da CNN en Español.


“Câncer é uma palavra muito forte, muito difícil. Quando dizem que você tem câncer, você imediatamente associa isso à morte”, diz Huerta.


No entanto, ele acrescenta que esse não é mais o caso hoje: “Muitos cânceres agora podem ser curados. O câncer se tornou uma doença crônica que pode ser controlada, mas como você associa o câncer à morte, isso o paralisa, impede você de fazer um bom tratamento, de aceitar o tratamento e (isso) vai limitar muito a sua jornada com o câncer”.


O que pode ser feito para melhor lidar com o diagnóstico de câncer, seja de mama, pulmão ou qualquer outro? Lidar com o câncer em dois níveis: físico e mental é recomendado por Huerta e pela paciente Melissa Parra.


Saúde física: consulte sempre um especialista


Huerta comenta que a primeira coisa a fazer depois de um diagnóstico de câncer é ter certeza de que, a partir de agora, você sempre verá um oncologista especialista para tratar a doença.

Sobre isso, indica que os especialistas em Oncologia são basicamente três diferentes:


Médico oncologista: “Ele é especialista em clínica médica, é ele que dá a quimioterapia e faz a avaliação geral do paciente com câncer”.


Cirurgião oncologista: “É o médico que opera o câncer. O médico oncologista (…) não opera o câncer, trata com remédios, enquanto o segundo opera o câncer.”


Oncologista radioterapeuta: “Ele não opera nem dá remédios, o que esse terceiro especialista faz é usar máquinas de raio-X para irradiar o corpo e destruir o câncer”.


Como você sabe a quem procurar? Isso dependerá do câncer diagnosticado. Com base nisso, você será informado qual é o especialista mais adequado para tratar a doença.


Esse especialista “é quem vai orientar o tratamento e vai pedir ajuda aos demais especialistas em função do tipo de tumor”, enfatiza Huerta.


Saúde física: Informe-se bem


Embora a consulta com um especialista pareça um tanto óbvia, Huerta ressalta que já teve pacientes que não consultam, que recorreram a especialistas em oncologista, o que torna o tratamento difícil.


Algo semelhante aconteceu com a questão da informação: “Tenho visto pacientes que quando têm câncer prestam mais atenção ao WhatsApp, prestam mais atenção ao Facebook ou a informações ruins do que à informação científica”.


Por esse motivo, Huerta recomenda que você reveja os recursos oficiais para se informar sobre a doença, pois, se o paciente tiver conhecimento sobre seu câncer, poderá ser realizada uma colaboração mais estreita com o especialista.


Aqui estão vários documentos que podem ajudá-lo em seu caminho de aprendizagem sobre o câncer. Deve-se observar que os seguintes recursos são de instituições especializadas em saúde: American Cancer Society, Centros para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos, Instituto Nacional do Câncer dos Estados Unidos e Instituto Nacional do Câncer e Cancerologia do México (por meio de Rede Nacional de Registro de Câncer).


Saúde física: Mantenha um diário do câncer


Junto com duas recomendações acima, o Dr. Huerta explica que uma boa maneira de se manter organizado é manter um diário ou registro do câncer.


“Uma dica muito importante é que você tem que ter um caderno chamado ‘Caderno do câncer’, no qual são anotados os atendimentos, as conversas com especialistas e os planos”, explica.

Isso será de grande ajuda para tornar o seu caminho de tratamento muito mais claro. Nesse local, você também deve anotar os medicamentos prescritos e o horário em que deve tomá-los.


Recomendamos que você considere quatro categorias ou colunas: 1) data de suas consultas médicas; 2) medicamentos prescritos e por quanto tempo deve tomá-los; 3) procedimentos e planos que seus médicos realizarão no futuro; 4) as informações mais importantes sobre o que você discute com seus médicos.


Outras recomendações sobre saúde física


“Com relação a alimentos e bebidas, siga as orientações dos médicos sabendo que não existem dietas especiais para o câncer, mas que os tratamentos podem alterar o aparelho digestivo, portanto, é necessário seguir as orientações do médico,em termos de alimentação, mobilidade, atividade física, caminhadas e coisas assim”, explica Huerta.


Saúde mental: empatia e compreensão


Melissa, hoje com 36 anos e agora orgulhosamente afirma ser uma sobrevivente do câncer, diz que uma parte importante como paciente com câncer deve ser ter empatia, entender que são pessoas que estão passando por momentos muito difíceis.


“A primeira coisa é (ter) empatia. É se encher de amor e entender que dentro desse corpo assustado há uma pessoa cheia de dor e angústia (…). É preciso aquele choro, aquele abraço, aquele vá em frente, eu conheço o medo que você tem, conheço a dor que você tem e entendo isso”, diz.


Junto com isso, diz Melissa, a compreensão tem que vir, porque às vezes a pessoa se sente com tão pouca energia que não quer ter interação com os outros e tudo que quer é estar em casa com a família mais próxima.


“A segunda coisa que recomendo, tanto para a família quanto para os amigos da pessoa que está passando pelo processo, é a compreensão. Enfrentei muitas situações em que me julgaram por não querer sair, por não querer convidar, por não querer ter gente comigo e a verdade é que queria viver o meu processo sozinha com a minha família e a minha filha”.


“Não queria receber visitas. Literalmente depois da primeira quimio, sai muito cansada, e nem todas as pessoas têm exatamente a mesma coisa, mas no meu caso o primeiro ciclo de quimioterapia me fez querer dormir ”, explica.


E acrescenta que essas situações de não querer visitas ou acompanhamento em determinados momentos devem ser entendidas como parte do processo e não como um assunto pessoal ou para ferir alguém. “Se eu só quiser ficar com meu marido e minha filha, é isso que eu tenho que fazer, porque é isso que me faz feliz.”


Saúde mental: a importância de perguntar ‘Como você está?’


A saúde mental e emocional, ressalta Huerta, é igual ou até mais importante do que a saúde física.


“São duas vias completamente diferentes que infelizmente em muitos lugares a segunda não é levada em consideração. Todas se concentram no tumor em tratamento, mas ninguém pergunta à mulher ou ao homem com câncer ‘como você está? Como você se sente?”, diz .


Por que é uma parte tão importante do tratamento? O oncologista indica ter atendido pacientes que, apesar de anos sem acometimento de câncer e em remissão, “vivem uma existência miserável porque têm traumas psicológicos.


Não podem fazer as coisas, não querem fazer as coisas, não querem sair na rua, acham que o câncer vai voltar. Não percebem que o câncer acabou. ”


Portanto, Huerta explica que é necessário que o paciente perceba que é uma pessoa com emoções que foi afetada pelo câncer e que, portanto, precisa de ajuda na parte emocional.


Saúde mental: ajuda psicológica


A ajuda psicológica deve vir quando a pessoa estiver tratando do câncer. Em outras palavras, deve haver sempre um equilíbrio entre cuidar da saúde física e ao mesmo tempo atender às suas emoções, precisamente para realizar uma jornada de câncer bem-sucedida e evitar traumas futuros.


Da mesma forma, o ideal é que o paciente recorra a ajuda especializada, ou seja, serviços de psico-oncologia.


“O ideal aqui, é um serviço (médico) de psico-oncologia. Deve ser visto com o psico-oncologista, para que ele ou o psiquiatra oncologista os oriente na superação o que é chamado de estresse pós-traumático causado pelo câncer”, explica a Dra. Huerta.


Alguns serviços médicos não possuem essa especialização. No entanto, é recomendável que você procure ajuda psicológica, mesmo que não seja especializada, para atender às emoções.

E não se busca apenas compreender as próprias emoções, mas também entender que o câncer é uma doença que atinge psicologicamente a família e as pessoas próximas ao paciente.


“Que as famílias se apoiem, que as famílias aproveitem o apoio psicológico do plano de saúde, porque o câncer não é vivido apenas pela pessoa que recebe o tratamento, nossos maridos, nossos pais, nossos filhos e até mesmo nossos amigos, os parentes de geralmente eles também vivem e não sabem como reagir e também têm dor”, finaliza Melissa, sobrevivente do câncer.

(Texto traduzido. Leia aqui o original em espanhol).


Fonte: CNN

0 visualização0 comentário