Vacina contra a Covid para crianças: entenda como os laboratórios testam a imunização nos pequenos


 
 

De todas as vacinas disponíveis atualmente para evitar a infecção pelo coronavírus, nenhuma foi recomendada e aprovada por órgãos internacionais para ser aplicada em crianças e adolescentes, pois ainda não há estudos relevantes e suficientes sobre seu uso neste grupo.


Os estudos em menores de idade foram deixados inicialmente em segundo plano pelas farmacêuticas e universidades porque, no primeiro momento, foi avaliada a segurança dos imunizantes nos adultos, e ainda porque esse grupo é o que tem o menor risco de morrer por conta de complicações da Covid-19.

Apenas a vacina da Pfizer/BioNTech foi autorizada por agências reguladoras dos Estados Unidos e Europa, ainda no final de dezembro, para pessoas de 16 anos ou mais – esse é o grupo mais jovem que pode ser vacinado atualmente.

No entanto, com as aprovações, ao menos quatro laboratórios passaram a avaliar como os seus imunizantes podem atuar no organismo de crianças – caso os estudos provem segurança e eficácia, isso pode garantir a ampliação da proteção também para este grupo.

Veja abaixo quais vacinas são testadas em crianças:

  • Oxford/AstraZeneca

  • Sinovac Biotech

  • Pfizer/BioNTech

  • Moderna

Os laboratórios responsáveis pela vacina Sputnik V e Janssen já anunciaram – sem dar uma data – que pretendem começar seus testes clínicos em menores de idade nos próximos meses. Oxford/AstraZeneca No começo de fevereiro, a Universidade de Oxford anunciou o início dos estudos de Fase 2 da vacina ChAdOx1 nCoV-19 em crianças e adolescentes – esta é uma das duas distribuídas atualmente no Brasil. Esse foi o primeiro estudo de um imunizante contra a Covid-19 para esta população.

  • Nesta etapa de testes, os pesquisadores avaliam a segurança e as respostas imunológicas em pessoas de 6 a 17 anos.

  • O ensaio é randomizado, com a escolha aleatória de quais voluntários recebem a vacina da Covid-19 e quais recebem uma vacina contra a meningite, que tem efeitos colaterais similares, como dor no braço.

  • São 300 participantes. Destes, 240 receberam a vacina contra a Covid-19.

Sinovac Biotech A farmacêutica chinesa Sinovac Biotech, que desenvolve a CoronaVac em parceria com o Instituto Butantan (SP) afirmou que a vacina se mostrou segura e produziu anticorpos em crianças. Os resultados são de estudos preliminares e não foram publicados em nenhuma revista científica.

Segundo um comunicado da farmacêutica:

  • Os dados preliminares são de testes clínicos feitos em mais de 500 crianças e adolescentes com 3 a 17 anos.

  • Todos receberam receberam duas aplicações, ou com uma combinação de dosagens maiores ou menores da vacina, ou com um placebo – substância inativa.

  • A maioria das reações adversas foi branda, e duas crianças que receberam a dose menor tiveram febre alta.

  • Os níveis de anticorpos desencadeados pela vacina CoronaVac em crianças foram maiores do que aqueles vistos em adultos de 18 a 59 anos e em pessoas idosas.

Pfizer/BioNTech A farmacêutica americana Pfizer e a empresa alemã BioNTech começaram a testar – ainda em março – sua vacina contra Covid-19 em crianças menores de 12 anos. Segundo a companhia, a expectativa é de que este grupo esteja pronto para ser vacinado em 2022.

  • É a única vacina aprovada pelos EUA e Europa para ser aplicada em adolescentes de 16 anos ou mais.

  • São 144 participantes e os mais jovens são crianças de seis meses.

  • São avaliadas três combinações de dosagem diferentes: com 10, 20 e 30 microgramas.

  • Em um segundo momento, o estudo deve ser ampliado a 4,5 mil voluntários para avaliar a segurança e a qualidade da produção de anticorpos nos mais jovens.

Moderna A farmacêutica americana Moderna começou em março os testes clínicos de sua vacina contra a Covid-19 em crianças. Os ensaios acontecem nos EUA e Canadá com mais de 6,7 mil crianças com idades entre os seis meses e 12 anos.

  • A segurança e a capacidade de gerar anticorpos é um dos principais objetivos deste estudo.

  • Cada participante receberá 2 doses, dadas com 28 dias de diferença.

  • Participantes de 2 a 11 anos poderão receber uma combinação de dosagens de 50 ou 100 microgramas da vacina.

  • Crianças de 6 meses de idade até 2 anos incompletos receberão 25, 50, ou 100 microgramas – e não haverá grupo controle com placebo, todas as crianças serão vacinadas de alguma forma.

  • Apenas na Fase 2 é que os pesquisadores usarão a combinação de dosagens mais eficaz da Fase 1 em dois grupos: os vacinados e o grupo controle.

No Brasil Das seis vacinas negociadas pelo governo brasileiro para o programa de imunização contra a Covid-19, ao menos três delas já realizam testes também em crianças e adolescentes – e outras duas disseram que começarão em breve.

Questionado pelo G1, o Ministério da Saúde disse em um comunicado que acompanha e financia estudos para analisar a efetividade e segurança das vacinas contra a Covid-19 para menores de 18 anos, mas que é preciso aguardar antes de se avaliar sua aplicação nesta população. "Somente após a conclusão dos estudos em andamento e a avaliação dos resultados, o Programa Nacional de Imunizações (PNI) poderá avaliar e definir, junto à Câmara Técnica e demais envolvidos, a inclusão deste grupo no Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra a Covid-19", diz a nota. Vacinas negociadas no Brasil:

  • Oxford/AstraZeneca

  • CoronaVac (Sinovac)

  • Pfizer/BioNTech

  • Sputnik V

  • Janssen

  • Covaxin (Bharat Biotech)

Apenas a vacina desenvolvida pela indiana Bharat Biotech, que produz a Covaxin, ainda não se pronunciou sobre estudos em crianças. A vacina já está em uso na Índia, mas os testes de fase 3 ainda estão em andamento. Nenhum resultado com a eficácia geral da vacina foi divulgado.


Fonte: G1

2 visualizações0 comentário