Tratamento “filtra” sangue para retirar coágulos e tratar Covid longa


 
 

Desde os primeiros meses da pandemia de Covid-19, ficou claro que o coronavírus não é simples e nem causa uma infecção temporária. Muitos pacientes desenvolvem a chamada Covid prolongada, ou longa, quando alguns dos sintomas seguem por mais de 60 dias após o fim da doença inicial. Porém, apesar de a ciência ter avançado muito no tratamento da infecção causada pelo Sars-CoV-2, ainda se sabe pouco sobre como lidar com a versão estendida da condição.


Cientistas da Universidade Stellenbosch, na África do Sul, descobriram que o coronavírus causou um aumento maciço de pequenos coágulos sanguíneos de difícil remoção. Uma opção testada para resolver o problema é uma espécie de “filtragem” do sangue, que retira os coágulos — os pesquisadores descobriram que a técnica melhorou significativamente os sintomas dos pacientes.


Os coágulos reduzem o fluxo sanguíneo e, por sua vez, a quantidade de oxigênio que chega aos órgãos, aumentando a sensação de fadiga e de outros sintomas como tontura, problemas de memória, dores musculares e condições pulmonares.


Por isso, a aférese, um processo que separa os componentes do sangue para retirar algumas substâncias está sendo usada no tratamento contra a Covid longa. A técnica pode remover coágulos em excesso da circulação sanguínea para diminuir os efeitos da presença dos trombos no organismo.


Porém, apesar de parecer promissora, a técnica ainda é experimental: especialistas recomendam que, contra a Covid-19, a prática seja analisada melhor e tenha seus efeitos estudados em mais pesquisas.


Bons resultados


Frustrado com a falta de tratamentos específicos para lidar com os sintomas da Covid prolongada, o médico britânico Asad Khan decidiu testar a aférese. Ele foi infectado pelo coronavírus no trabalho (ele estava atendendo na linha de frente desde o início da pandemia), e desenvolveu a forma longa da doença.


“Cheguei em uma cadeira de rodas. Depois de um tempo, poderia caminhar uma curta distância, ler artigos científicos, comer alimentos aos quais me tornei intolerante e minha náusea desapareceu. Senti que estava recuperando minha vida”, conta, em entrevista ao Daily Mail.

Ele explica que as abordagens disponíveis até o momento para lidar com a Covid prolongada não tratam os efeitos físicos da condição de maneira correta. “As clínicas parecem considerar que os pacientes com Covid longa precisam de ajuda sobre como se recuperar de choque. Não estamos nos recuperando de um trauma, temos uma doença ativa e precisamos de investigação e tratamento”, conta Khan.


Impactos causados pela Covid no sangue


Pesquisadores do Instituto Max Planck de Ciências da Luz, na Alemanha, descobriram que a Covid-19 pode ser responsável por mudanças nas células do sangue que duram meses após a infecção. O estudo foi publicado na revista científica Biophysical Journal.


Eles analisaram amostras do sangue de 55 pessoas, sendo 17 com Covid-19 grave (metade deles morreu após a análise), 14 recuperados e 24 participantes saudáveis, que nunca tiveram a doença. Ao todo, cerca de 4 milhões de células passaram pelo sistema.


Nos pacientes com Covid-19, as hemácias tinham tamanhos variados, diferente do que é encontrado em indivíduos saudáveis, e mostravam sinais de pouca elasticidade em sua estrutura, o que pode afetar a capacidade de carregar oxigênio.


Os leucócitos demonstraram pouca dureza e outras células de defesa, como os monócitos, eram maiores nos pacientes da Covid-19 do que no grupo controle. Os neutrófilos, outro tipo de célula branca, apesar de terem um ciclo de vida de apenas 24h, apresentaram mais deformações, mesmo meses depois da infecção.


“As mudanças no fenótipo das células do sangue podem contribuir para problemas de circulação e entrega de oxigênio ligados à Covid-19 a longo prazo”, dizem os cientistas.


Fonte: Metrópoles

9 visualizações0 comentário