Superação: atleta corre prova de 10 km após vencer a Covid-19


 
 

Felicidade e exaustão. Estes foram os sentimentos de Willian Pereira de Sousa, 37 anos, depois de correr um percurso de dez quilômetros por cerca de 1 hora e 40 minutos. O que parece uma conquista comum tem um gostinho especial para ele: o atleta concluiu a primeira corrida de rua nove meses após ser internado com Covid-19 no Hospital Regional da Asa Norte (HRAN), unidade de referência no tratamento contra a doença no Distrito Federal.


A corrida foi importante para refletir e fechar um ciclo afetado pelo coronavírus. “Além de muito exausto, me senti feliz. Em muitos momentos, quando acamado, confesso que tive medo de morrer”, conta o homem, que trabalha como supervisor de logística.


A relação de Willian com a corrida vem desde 2015, quando começou a praticar o esporte. De lá para cá, ele participou de várias provas de 5 e 10 km e até chegou a correr uma meia maratona em 2018.


Porém, em março deste ano, em meio à alta dos casos de infecção pelo coronavírus, o atleta testou positivo para a Covid-19 e, após uma semana de piora nos sintomas, precisou ser internado. Com 30% da capacidade pulmonar afetada, Willian ficou dias respirando com auxílio de uma máscara de oxigênio.


Ele lembra que teve medo ao ver pessoas que não apresentaram melhora irem para a unidade de terapia intensiva (UTI). “Foram dias difíceis. Vi relatos de outros internados que não conseguiam se recuperar”, conta.


Volta por cima


Willian recebeu alta 15 dias após a internação e continuou a se recuperar de casa. Dois meses depois, ele conseguiu voltar a praticar atividade física. Os treinos eram orientados por médicos e professores de uma assessoria esportiva para que ajudassem no processo sem causar lesões. “O recomeço foi difícil. Não conseguia respirar corretamente, sempre sentia falta de ar. Porém, sabia que só o exercício me ajudaria a recuperar a forma física”, lembra.

Além de um hobbie, a corrida se tornou fundamental para a melhora. Aos poucos, ele foi retomando a capacidade respiratória e cada treino revelava uma evolução na recuperação.

Em 5/12, Willian participou da primeira corrida de rua desde a internação. Antes acostumado a percorrer provas de 10 km, dessa vez, o desafio foi maior. O percurso era mais difícil — metade do trajeto em subida — e o fator Covid-19 pesou.


“Levei 1 hora e 40 minutos. Tive que parar e caminhar várias vezes. Em comparação aos resultados anteriores, já cheguei a percorrer 10 km em 58 minutos”, conta.


Apesar da dificuldade, concluir a prova foi uma grande vitória. O próximo passo agora é continuar com os treinos e aprimorar cada vez mais a performance. O objetivo principal é que, até o fim de 2022, William consiga percorrer 21 quilômetros em uma meia maratona pela segunda vez.


Fonte: Metrópoles

0 visualização0 comentário