Sente muita sede? Saiba quais problemas de saúde podem causar esse sintoma



Você provavelmente já deve ter ouvido que precisa tomar bastante água, pelo menos dois litros por dia. Para você pode até ser difícil ingerir essa quantidade, mas há pessoas com algumas condições e doenças que sentem mais sede do que o normal.


A sede é a vontade de ingerir líquidos, ela ocorre quando o hipotálamo percebe a falta de água no organismo e envia uma mensagem ao córtex cerebral, responsável por traduzir a informação na sensação de sede.


Em condições normais, a sede é influenciada por fatores ambientais, como altas temperaturas e clima seco; por fatores envolvendo a alimentação, como consumo de embutidos, enlatados, alimentos ricos em sal, sódio e açúcar, e também por fatores comportamentais, como a prática de atividade física.


No entanto, a sede também pode se manifestar como sintoma inicial de várias doenças, quando aparece de maneira excessiva, esse quadro é chamado de polidipsia. A seguir, veja quais problemas de saúde podem causar sede excessiva:


Doenças psiquiátricas


Doenças como esquizofrenia, transtorno bipolar ou depressão podem levar ao desenvolvimento de sede insaciável e ao consumo exagerado de água, esse sintoma é denominado potomania. A potomania não está relacionada com desidratação ou aumento da concentração do sangue e, sim, a um desequilíbrio neuro-humoral direto. Geralmente esse distúrbio tem como consequência baixos valores de sódio no sangue.


Diabetes mellitus


Na diabetes ocorre um excesso de glicose (açúcar) no sangue, seja pela resistência das células à insulina ou pela diminuição/ausência de níveis de insulina produzida pelo pâncreas. Como consequência, o corpo entende que este estado de muita concentração de glicose, chamado estado de hiperosmolaridade, requer mais água a fim de "diluir" essa quantidade de glicose que estaria a mais no sangue.


Além disso, o desequilíbrio do açúcar no organismo também leva à uma desidratação pelo aumento da diurese, ocasionando a sede.


Diabetes insipidus


A diabetes insipidus, que não tem nenhuma correlação com a alteração de açúcar como no diabetes mellitus, é uma doença rara que se apresenta com perda de água renal causando uma vontade excessiva de urinar, desidratação e também sede excessiva.


Geralmente é um problema ocasionado pela glândula hipófise no sistema nervoso central, por falta do hormônio antidiurético, ou uma alteração renal, onde este hormônio não consegue agir corretamente.


Doenças renais


Existem vários tipos e graus de doença renal. No caso de pacientes que são submetidos à diálise como forma de tratamento, há teorias que atribuem a sede ao aumento do hormônio antidiurético (ADH), uma vez que nessas pessoas ocorre uma grande variação de peso.


Como elas não eliminam a urina pela perda da função renal, ganham líquido e durante a hemodiálise é retirado o excesso de líquidos. Com isso, o volume do sangue aumenta e diminui abruptamente interferindo na elevação do ADH e gerando a sede.


Além disso, ocorre um ressecamento das mucosas e saliva espessa que esses pacientes têm devido à restrição hídrica que precisam fazer. Para amenizar essa sede, os pacientes podem evitar ou reduzir o consumo de sal, de alimentos com alto teor de sódio, enxaguar a boca com água gelada e até mesmo chupar um cubo de gelo. Outra teoria é a elevação da ureia nos períodos entre as diálises gerando um aumento da concentração do sangue e disparando a sede.


Anemia


Uma das possíveis causas da anemia crônica provocar sede seria devido à piora da secreção da saliva, pois a anemia leva a uma precariedade da circulação sanguínea nas glândulas salivares por conta da queda dos glóbulos vermelhos, apresentando uma boca mais seca e, consequentemente, a sede.


Desidratação


A desidratação é um sinal de alarme no organismo, quando isso acontece, o volume de líquido nos nossos vasos diminui e muitos órgãos e tecidos também sofrem com essa escassez de água. A boca seca é um dos sinais que se apresentam para instigar a pessoa a ingerir mais líquidos e voltar a equilibrar o organismo. Essa falta de água ativa receptores de sede, levando a maior ingesta de água.


A sede aparece quando já estamos com alguma deficiência de líquidos, por isso a importância de mantermos o consumo de água regular e programado, salvo quando existir alguma contraindicação.


Fibrose cística


Na fibrose cística ocorre uma mudança na regulação de bombas celulares de cloro interferindo nos mecanismos de regulação do sódio. Como consequência, as secreções de diversas glândulas do corpo tornam-se mais espessas e há um aumento nos níveis de sódio no suor, contribuindo para uma perda de água do plasma e causando a sensação de sede.


Como isso também afeta a secreção de enzimas digestivas pelo pâncreas, há uma má digestão de gorduras, proteínas e carboidratos gerando diarreia volumosa e crônica, o que demanda ainda mais a ingestão de líquido. Outro motivo também pode acontecer pela elevação da glicose no sangue por uma deficiência na secreção de insulina pelo pâncreas, causando sede excessiva.


Tabagismo


O tabagismo é um dos hábitos mais nocivos à saúde de forma geral, o mecanismo de desencadeamento de sede com uso de cigarros está relacionado às ações da fumaça inalada em si que promove ressecamento de secreções, de mucosas e descompensação de problemas respiratórios que também podem levar a uma sede aumentada.


O cigarro contém inúmeras substâncias que quando inaladas também podem desencadear uma percepção para um ressecamento de vias aéreas superiores o que também dispara o desejo por líquidos. A melhor forma de lidar neste caso e de proteção para a saúde é a interrupção do hábito de fumar.


Fonte: UOL

3 visualizações0 comentário

© 2020 Portal Saúde Agora. Tudo sobre SAÚDE em um só lugar!

  • Instagram