Sem memória, homem mora há sete meses no Hospital de Base do DF


 
 

Um homem com amnésia e sem documentos de identificação vive há quase sete meses no Hospital de Base de Brasília. Segundo funcionários da unidade de saúde, ele chegou ao local com um quadro de agressividade e delírios, e recebeu diagnóstico de esquizofrenia refratária, condição em que, mesmo medicado, o paciente fica fora da realidade. A única informação que o homem consegue lembrar é o seu primeiro nome: Camelo.


“Mesmo com o escalonamento das medicações – e chegamos à medicação mais potente –, seu Camelo não teve remissão clínica e não conseguiu nos passar dados pessoais, por exemplo”, explica o psiquiatra Marcelo Martins. Isso fez com que o homem, mesmo com alta médica, não tivesse para onde ir. Ele passa a maior parte do tempo sozinho, sentado nos corredores do hospital.


Para os profissionais que acompanham Camelo, o caso é desafiador. O homem não lembra sua origem, se tem família ou o que fazia antes de perder a memória. Sua fala é incompreensível – ele enuncia frases desconexas e incompletas.


O Núcleo de Assistência Social do Hospital de Base já pediu ajuda às polícias Civil e Federal, mas o paciente não tem impressões digitais registradas nos sistemas. Outras instituições distritais também foram acionadas, mas, até o momento, ninguém tem informações sobre seu Camelo.


“A gente acionou várias redes do Distrito Federal, Ministério Público, Defensoria Pública, serviços de assistência social e saúde, para que obtivéssemos algum dado dele ou soubéssemos se algum profissional o havia acompanhado”, diz a assistente social Amanda Ricardo. “Precisamos conhecer sua história. Se a família não tiver condições de cuidar dele, a gente vai procurar um abrigo, e assim ele vai poder ter os cuidados necessários”, completa.


O Hospital de Base disponibilizou o telefone (61) 3550-8900, ramais 9026 ou 9024, para quem tiver informações sobre seu Camelo.


Fonte: R7

27 visualizações0 comentário