Selênio, o mineral da castanha-do-pará, reduziria o risco de osteoporose

Depois dos 50 anos, uma em cada três mulheres e um em cada cinco homens terá osteoporose, doença que enfraquece o esqueleto, provoca fraturas e diminui bastante a qualidade de vida. E não é só o consumo de cálcio que ajuda a evitar esse problemão: o selênio, um mineral abundante na castanha-do-pará, pode reduzir o risco dessa doença.

Pelo menos é o que aponta um estudo com 6 267 pessoas na China, com idade média de 52 anos (42% eram mulheres). Os pesquisadores avaliaram a incidência de osteoporose, a alimentação e outros fatores de risco conhecidos para o enfraquecimento da ossatura. Com base em questionários alimentares, foi possível inferir a quantidade de selênio ingerida pelos voluntários.

No fim, quase 10% da turma sofria com osteoporose — 2,3% dos homens e 19,7% das mulheres. Mas aí que está: os sujeitos que capricharam no consumo de selênio possuíam uma probabilidade menor de serem acometidos pela doença, mesmo quando sexo, idade e índice de massa corporal (IMC) foram considerados.

Segundo o levantamento, quanto maior a ingestão do mineral, menor o risco.

Por que o selênio afastaria a osteoporose?

O estudo é um dos primeiros a explorar esse elo. Ele apenas compara a incidência da enfermidade com o consumo de fontes de selênio. Trata-se, portanto, de uma pesquisa observacional, que não define se o mineral de fato protege o esqueleto, ou se haveria algum fator escondido por trás dessa relação.

Contudo, o selênio é reconhecidamente um poderoso antioxidante, capaz de combater o excesso de radicais livres no organismo. E há evidências anteriores de que os tais radicais livres contribuem para a osteoporose.

Além disso, esse nutriente parece inibir substâncias inflamatórias que também colaboram para a perda de massa óssea.

Fonte: Abril Saúde

#CastanhadoPará #osteoporose #Selênio

2 visualizações

© 2020 Portal Saúde Agora. Tudo sobre SAÚDE em um só lugar!

  • Facebook
  • Instagram