Saiba como os sonhos têm sido influenciados pela pandemia de Covid-19


Se você pensava que viver durante a pandemia era um pesadelo acordado, imagine como tem sido nos sonhos.


Muitos de nós tivemos pesadelos vívidos e assustadores durante o pior da pandemia. Dependendo do nosso nível de trauma - a perda de um ente querido ou ser um profissional de saúde na linha de frente de unidades de terapia intensiva (UTIs) lotadas pela Covid-19 - os pesadelos podem ser terríveis.


A psicóloga Deirdre Barrett tem coletado relatos de sonhos e pesadelos desde que o vírus começou a fazer parte das nossas vidas. Muitas das nossas visões noturnas giravam em torno do medo da morte, enquanto nosso subconsciente ruminava sobre a ameaça real da Covid-19. Outros sonhos lançam o vírus como um predador invasor, geralmente um inseto.


"Havia gafanhotos com presas de vampiro, massas de vermes balançando, enxames de insetos voadores que podiam ser abelhas, moscas ou vespas e exércitos de baratas correndo contra o sonhador", disse Barrett, um professor assistente de psicologia na Harvard Medical School, que escreveu e editou vários livros sobre sonhos, incluindo "Pandemic Dreams" (ou Sonhos da Pandemia, em tradução livre).


As mulheres foram especialmente atingidas, descobriu Barrett. Uma sonhadora vagou "em um necrotério que ela gradualmente descobre que está embalsamando pacientes vivos de Covid-19", escreveu Barrett em um artigo publicado sobre o assunto.


Barrett continua em busca de sonhos pandêmicos. Ela fez uma coleta, considerando pelo menos 76 países, de mais de 14 mil sonhos, dois terços dos quais são dos Estados Unidos. Em sua análise contínua dos dados, ela viu uma mudança no conteúdo dos sonhos desde que as vacinações começaram e os estados e comunidades locais começaram a reabrir.


A CNN internacional falou com a pesquisadora sobre os tipos de pesadelos que tivemos durante a pandemia e como eles evoluíram ao longo do tempo. A conversa foi editada para maior clareza.


CNN: Como os sonhos podem fornecer percepções sobre nossas vidas durante a pandemia?


Deirdre Barrett: Sonhar é apenas pensar em um estado cerebral diferente. Há muitas pesquisas sobre a chamada hipótese da consistência dos sonhos, que está bastante comprovada: quanto mais alguém pensa sobre certos assuntos durante o dia, mais isso vai aparecer em seus sonhos à noite.


Mas no estado cerebral em que estamos durante o sonho, as áreas visuais são muito ativas, assim como as áreas que contam histórias e as áreas emocionais, enquanto as áreas verbais e a lógica são menos ativas do que o normal.


Estamos pensando sobre todos os nossos pensamentos e preocupações habituais, mas estamos pensando sobre eles de maneiras muito vivas, visuais e narrativas. Os sonhos podem ser mais emocionais, menos lógicos, mas o conteúdo básico ainda mapeia muito de perto.


CNN: Por que você começou a coletar sonhos da pandemia?


Barrett: Além do meu trabalho com sonhos e como eles contribuem para a criatividade e a resolução objetiva de problemas, fiz vários estudos sobre sonhos durante crises ou traumas. Fiz um levantamento dos sonhos após o 11 de setembro e dos sonhos no Kuwait durante a primeira Guerra do Golfo, tanto durante a ocupação quanto logo depois. E me deparei com um arquivo de 500 sonhos de prisioneiros de guerra em um campo nazista na Segunda Guerra Mundial que ninguém havia examinado.


Simplesmente parecia interessante ver como os sonhos durante a pandemia se assemelhavam a crises passadas. Eu realizei uma pesquisa global em 23 de março de 2020, e houve alguns pesadelos que eu vi desde o início em outras partes do mundo que só apareceram nos Estados Unidos mais tarde.


Por exemplo, na Itália, onde o vírus chegou logo no início da pandemia e com força, os profissionais de saúde estavam tendo esses sonhos pós-traumáticos clássicos em que alguém morria na frente deles e pensavam que era sua responsabilidade salvá-los, mas não podiam. Não vi nenhum desses nos Estados Unidos por mais duas ou três semanas, quando os casos na cidade de Nova York começaram a aumentar.


Sonhos como "Ops, não estou com a máscara" ou "Outras pessoas não vão usar as máscaras e estou em perigo" - vi esses da Ásia logo no início, mas não começaram a aparecer nos EUA até que os profissionais de saúde passaram a recomendar o uso de máscaras.


Analisei sonhos muito semelhantes em todo o mundo, mas na maior parte o tempo eles coincidiram com a piora dos surtos de Covid-19 numa região ou quando as diretrizes para o público mudaram.


CNN: Como nossos sonhos mudaram este ano em comparação com 2020?


Barrett: À medida que o mundo começou a se abrir, ocorreram algumas mudanças bastante significativas na proporção de sonhos que as pessoas estão relatando. Para começar, comecei a ver sonhos mais positivos e otimistas.


Esses sonhos otimistas tendem a ser sobre estar de volta a alguma situação social de aglomeração, fazendo uma atividade favorita, como dançar em uma boate, participar de um evento esportivo ou estar em uma reunião de família com muitos familiares.


Sonhos como esses eram muito raros nas primeiras semanas da pandemia e, quando as pessoas sonhavam assim, tendiam a comentar que acordaram e sentiram uma onda de tristeza.


Eles sentiram como se o sonho estivesse fazendo uma provocação com algo que não podiam mais fazer - como se estivessem vendo algo do seu passado que não estava em seu futuro próximo.


Mas a partir de meados de dezembro de 2020, quando foi anunciado que as vacinas eram altamente eficazes e estavam sendo aprovadas para uso emergencial em alguns países, os sonhos positivos começaram a aumentar.


Também foi realmente impressionante que o sonho pudesse ser o mesmo dos primeiros meses da pandemia, mas agora as pessoas diziam que acordavam felizes. O sonho trouxe uma animação como se fosse um presságio de um futuro em que tudo iria correr bem.


CNN: Você mencionou no artigo que as mulheres carregavam o fardo dos pesadelos durante a pandemia. Por quê?


Barrett: Quando comecei o estudo sobre sonhos pandêmicos, previ um aumento nas emoções negativas e referências à doença, morte e corpo físico. Eu comparei os dados dos sonhos que obtive com um enorme conjunto de sonhos que foram coletados durante um período calmo antes da pandemia.


O que descobri foi que os sonhos pandêmicos de homens e mulheres tinham duas vezes e meia mais ansiedade, duas vezes a referência à doença e quatro vezes a referência à morte do que os sonhos captados antes da pandemia.


Mas foi apenas para as mulheres que as outras emoções negativas, como tristeza e raiva, foram elevadas. Elas eram quase duas vezes mais altas para as mulheres, mas os sonhos dos homens não mostravam mais raiva ou tristeza do que antes.


Fiquei um pouco surpresa quando obtive esse resultado pela primeira vez, mas quando li os sonhos mais de perto, descobri que os pesadelos sobre o ensino em casa vinham quase todos das mães, e não dos pais, e havia muitos sonhos femininos sobre como cuidar dos filhos ou como cuidar de pessoas doentes.


Outra categoria que se elevou em uma vez e meia nas mulheres foram as menções a partes do corpo, como dedos, mãos, braços, dedos dos pés, pés, pernas, tronco, seios e genitais.


Achei que isso estaria relacionado a uma doença, mas muitas vezes o sonho era sobre "um colega de quarto está olhando para esta ou aquela parte do corpo". E eu percebi que tem havido um aumento de relatos de abuso doméstico e violência sexual em casa durante a pandemia e um aumento de abordagens sexuais indesejadas de colegas de quarto. Portanto, parecia que os sonhos refletiam problemas que podem ser únicos ou vividos com mais frequência pelas mulheres.


CNN: Algum tópico sobre sonhos relatado durante a pandemia continua?


Barrett: As pessoas continuaram sonhando com máscaras - é um sonho comumente relatado - mas há uma mudança sutil. Nos primeiros dias, era sempre um sonho assustador.


"Eu esqueci minha máscara" ou "Minha máscara caiu" ou "Minha máscara está se desintegrando de alguma forma mágica" - esses eram cerca de metade dos sonhos do equipamento. A outra metade foi: "Estou perto de outras pessoas que não têm máscara" ou "Eles não estão usando corretamente" ou "A máscara deles tem orifícios".


Naqueles primeiros sonhos da pandemia sobre máscara, o sonhador entrava em pânico e lutava para se afastar das pessoas porque tinha medo de pegar Covid-19. Definitivamente, o medo era a emoção principal.


Por volta do último trimestre de 2020, no entanto, em vez de medo e contágio serem o problema quando o sonhador percebesse que eles não estavam usando máscara, seria vergonha ou constrangimento social ou "O que as pessoas vão pensar de mim que eu não estiver usando uma máscara?"


Isso cai em uma metáfora de sonho mais tradicional de vergonha social, quando as pessoas estão em um shopping e de repente percebem que esqueceram suas roupas. Realmente me parece que esses sonhos com máscaras substituíram temporariamente o sonho "nu em público" que muitas pessoas têm. Essa foi uma mudança muito interessante e estou curiosa para ver quanto tempo dura.


CNN: Com base no seu conhecimento sobre traumas e pesadelos, o que você espera que aconteça com os sonhos pandêmicos?


Barrett: O que sabemos é que, quando as pessoas vivenciaram o mesmo evento traumático, muitos sonharão com isso logo após sua ocorrência. Então, se você está olhando para a média do grupo, ela diminui com o tempo e os sonhos com o evento simplesmente desaparecem para mais da metade das pessoas.


Os médicos não diagnosticam o transtorno de estresse pós-traumático (TEPT) até que esteja ocorrendo por um determinado período de tempo, e não é considerado um transtorno ter uma resposta de susto intensificada, flashbacks diurnos ou pesadelos se acontecerem imediatamente após o acidente. É uma resposta pós-trauma muito normal ter pesadelos com o evento por um tempo, e então a maioria das pessoas se adapta.


No entanto, algumas pessoas continuarão a enfrentar dificuldades e possivelmente desenvolverão sonhos traumáticos de longo prazo, como as pessoas que são mais diretamente afetadas pelo evento e sofreram traumas graves. Esse grupo também inclui pessoas que já têm transtornos de ansiedade e pessoas que sofreram algum trauma anterior em sua história.


Depois do 11 de setembro, as pessoas que tiveram os piores pesadelos foram as que estavam no prédio e escaparam por pouco, os primeiros socorristas e as pessoas que trabalhavam perto o suficiente para ver cenas de corpos caindo. Muitos dos piores pesadelos que coletei durante a pandemia são de enfermeiras e médicos na linha de frente.


Outras pessoas também podem desenvolver sonhos traumáticos de longo prazo, como pessoas que sofreram maus-tratos na infância, mulheres que foram estupradas e veteranos de guerra. Isso acontece até mesmo em pessoas que não continuam tendo pesadelos recorrentes sobre o trauma anterior.


Um novo trauma, mesmo vivido por pessoas próximas, surge e recebe muita atenção das notícias e isso pode ativar sonhos sobre o trauma precoce ou o recente, ou mesmo um híbrido dos dois traumas no mesmo pesadelo.


Eu diria que serão as pessoas que tiveram a experiência mais direta com a morte aquelas que são fisiologicamente vulneráveis à ansiedade, estresse e trauma, e aquelas que tiveram traumas anteriores, que provavelmente terão a batalha mais longa contra pesadelos.


Fonte: CNN

10 visualizações0 comentário