Rio autoriza que grávidas que tomaram AstraZeneca na 1ª dose recebam a Pfizer na 2ª


 
 

A Prefeitura do Rio autorizou que grávidas que tomaram a vacina da AstraZeneca contra a Covid na primeira dose recebam a da Pfizer na segunda aplicação. É a primeira capital brasileira a adotar a combinação de imunizantes. A AstraZeneca foi suspensa para gestantes em maio, por “reação adversa”.


Resultados preliminares de estudos internacionais, citados pelo comitê científico do município, dizem que a mistura das doses traz resultados eficazes contra o coronavírus.

A novidade foi anunciada nesta terça-feira (29) pelo secretário municipal de Saúde, Daniel Soranz, nas redes sociais.

“Seguindo a recomendação do nosso comitê: As gestantes que tomaram a primeira dose da vacina AstraZeneca poderão, mediante avaliação dos riscos e benefícios com seus médicos, realizar a segunda dose com a vacina da Pfizer 12 semanas após a primeira dose”, escreveu. Cada grávida, então, terá de procurar seu obstetra e levar um atestado para que receba a dose de reforço — respeitando a janela de três meses.

“Várias gestantes tomaram a AstraZeneca antes de interromperem [a aplicação]. Essas gestantes poderiam tomar agora a Pfizer como uma segunda dose. Já tem alguns estudos de intercambialidade. Inclusive o próprio Ministério da Saúde já tem dados de pessoas que tomaram errado. Poderia completar o esquema de várias pessoas: pessoas que tiveram reação à AZ na primeira”, opinou Ethel Maciel, epidemiologista e professora titular da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes), em entrevista ao G1 no dia 23. Grávidas tinham que esperar Desde maio, segundo recomendação da Anvisa, a vacinação com doses da AstraZeneca para grávidas foi suspensa. A agência explicou que o próprio fabricante a alertou sobre uma “suspeita de evento adverso grave de AVC” que matou uma gestante e o bebê.

A partir de então, futuras mamães estavam sendo imunizadas, na primeira dose, apenas com CoronaVac ou Pfizer. Para as grávidas que já tinham tomado uma AstraZeneca, a recomendação do Ministério da Saúde era esperar o fim da gestação e do puerpério — um mês e meio após o parto — para receber a segunda dose do mesmo imunizante. Estudos internacionais Soranz listou seis estudos clínicos, com cerca de 2.000 participantes no total, que “demonstram segurança e eficácia de aplicação heteróloga de Pfizer e AZ” — ou a combinação dos dois imunizantes.

  1. Governo da Coreia do Sul: 500 profissionais militares

  2. Hospital Universitário de Berlim (Alemanha): 129 profissionais de saúde entre 18 e 64 anos

  3. Instituto Carlos III (Espanha): 663 voluntários entre 18 e 59 anos

  4. Universidade de Oxford (Reino Unido): 463 voluntários com média de 57 anos

  5. Universidade de Saarland (Alemanha): 250 profissionais de saúde

  6. Universidade de Ulm (Alemanha): 26 profissionais de saúde

A partir desses levantamentos, segundo Soranz, diferentes países ora recomendaram, ora autorizaram a mistura das doses.

Recomendam a combinação:

  • Alemanha

  • Canadá

  • Coreia do Sul

  • Chile

  • Dinamarca

  • França

  • Finlândia

  • Noruega

  • Portugal

  • Suécia

Autorizam a combinação:

  • Espanha

  • Emirados Árabes

  • Inglaterra

  • Itália


Fonte: G1

12 visualizações0 comentário