top of page

Recém-nascido desaparece de maternidade da Prefeitura do Rio; polícia investiga sumiço



A polícia investiga o desaparecimento de um recém-nascido na Maternidade Municipal Maria Amélia Buarque de Hollanda, no Centro do RJ, horas após a criança nascer, nesta terça-feira (31). O crime aconteceu na madrugada desta quarta (1º).


Segundo a família, o bebê foi levado enquanto a mãe cochilava. Por conta disso, a Polícia Civil restringiu as entradas e saídas na maternidade e só pessoas autorizadas podem acessar o local.

De acordo com as primeiras informações, a criança, a mãe, Nívea Maria, de 27 anos, e a avó, dormiam no terceiro andar da maternidade onde funciona a enfermaria. Mas, durante a madrugada, a avó paterna notou a falta da criança. "O Ravi tinha acabado de ser amamentado e a minha esposa tinha trocado a fralda. Ela o colocou no berço ao lado da Nívea e parece que foi algo de instantes. A minha esposa e a Nívea tiveram um sono profundo. Vinte minutos depois, quando [a esposa] acordou para olhar o Ravi ele não estava mais no cestinho. Imediatamente, a minha esposa procurou saber com as outras companheiras do quatro se alguém tinha pego ele pra acalma-lo e não. Minha esposa entrou em desespero, foi ao posto de enfermagem e detectaram o sumiço", disse Davi Figueira, avô paterno da criança. Pessoa suspeita na enfermaria Segundo apurou a TV Globo, no momento do sumiço da criança outras quatro crianças recém-nascidas e suas mães dormiam na enfermaria.

Segundo Davi Figueira, imagens de câmeras de segurança do interior da maternidade teria registrado o momento que uma pessoa, que não faz faria parte da rotina da unidade de saúde, foi filmada andando por corredores da maternidade com uma bolsa grande e uma mochila pequena.

"Eles detectaram a presença de uma pessoa que não faz parte da rotina do hospital andando pelo local. Segundo as imagens, essa pessoa não faz parte da rotina do plantão e estava andando no andar da enfermaria. Ela aparece com uma bolsa grande e uma mochila pequena. Além disso, um paciente do outro quarto viu essa pessoa passando com as bolsas", destaca Davi Figueira. Imagens mostram suspeita De acordo com apuração da TV Globo, uma mulher é suspeita do crime. Funcionários da unidade de saúde afirmam que ela pode ter entrado por uma das varandas da unidade de saúde.

Imagens de câmeras de segurança não teriam flagrado o bebê junto da suspeita.

Câmeras de segurança flagraram a mulher por um hall da enfermaria pouco antes das 2h da madrugada desta quarta. Ela estava com ao menos três bolsas. Por isso, a direção da maternidade acredita que Ravi tenha sido colocado dentro de uma bolsa e assim, sem chamar a atenção, a mulher saiu do local com a criança.

Na manhã desta quarta, equipes da 4ª DP (Praça da República) estão no local em busca de imagens de câmeras de segurança que possam ajudar na localização da criança e do suspeito.

A Polícia Civil foi até a sede do Centro de Operações Rio (COR) em busca de imagens de de câmeras de segurança de ruas do entorno da maternidade para que possam ajudar na identificação da mulher.

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) disse que "por volta da 1h50 desta madrugada, uma puérpera e a acompanhante constataram a ausência do recém-nascido no leito".

Ainda de acordo com o comunicado da direção "a polícia foi acionada imediatamente pela direção da unidade, que está colaborando com a investigação e dando todo o suporte à família".


Fonte: G1

4 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page