Qual o papel do cérebro e do humor em nossa resposta imune


 
 

"Passei os últimos 30 anos me preocupando sobre como o cérebro interage com o sistema imunológico e como o sistema imunológico interage com o cérebro", diz Daniel Anthony, professor de neuropatologia experimental da Universidade de Oxford, na Inglaterra, à BBC Mundo.


Jonathan Kipnis, professor de patologia e imunologia da Universidade de Washington em St. Louis, Estados Unidos, teve a mesma preocupação. "Minha obsessão é entender como o cérebro e o sistema imunológico se comunicam na saúde e na doença." No Oriente Médio, Asya Rolls, pesquisadora e professora do Technion-Israel Institute of Technology, também busca respostas há algum tempo. "Intuitivamente estamos cientes de que o cérebro afeta a imunidade", diz o site do laboratório que ele lidera. E é isso, diz ele à BBC News Mundo (serviço em espanhol da BBC), "em geral, supõe-se que o cérebro está envolvido em tudo o que acontece no corpo porque é o regulador central de todas as reações".

Mas a verdade é que, segundo Kipnis, "só agora estamos aprendendo como os dois sistemas interagem".

"É muito emocionante, mas ainda estamos no começo", diz.

Cristina Koppel, neurologista do Kings College Hospital e professora do Imperial College London, na Inglaterra, acredita que "da mesma forma que estamos começando a entender as redes sociais e que o mundo está muito mais conectado, a mesma coisa acontece com a complexidade de uma rede de mensagens que o cérebro e o sistema imunológico transmitem um ao outro".

Com a ajuda desses especialistas, exploramos o que se sabe sobre o papel do cérebro na resposta imune. O comportamento "No mundo clínico, no hospital, vemos muitos pacientes com problemas neuroimunológicos", disse Koppel à BBC Mundo.

"E, na academia, sabemos que ambos os sistemas se comunicam - os mesmos transmissores podem falar com células imunes e células neuronais, mas ainda temos muito a descobrir." Anthony concorda que a relação entre o cérebro e o sistema imunológico é de mão dupla.

Se pegarmos gripe ou Covid-19, muitos de nós vão se sentir mal e mudar os comportamentos, que são descritos em pesquisas como "estereotipados".

"Você interrompe seu sono e em seguida passa a não querer ver as pessoas ou socializar.

Assim, começa a exibir toda uma série de comportamentos que são muito característicos de algo chamado 'comportamento de doença'."

"Você se torna anedônico, ou seja, deixa de fazer as coisas que gosta, as atividades hedonistas, como beber, comer doce, se divertir."

Do ponto de vista evolutivo, explica o especialista, isso traz dois benefícios:

"Talvez ajude você a se recuperar da infecção. Mas, além disso, também envia um sinal para as pessoas ao seu redor ."

E isso é algo que você vê entre os animais, nos mamíferos em particular: quando estamos doentes, o cérebro altera nosso comportamento e começamos a priorizar o que fazemos. "Quando você está resfriado, não começa a resolver problemas matemáticos complexos porque está cansado", diz Kipnis. "Um animal se retira porque não quer infectar o rebanho, você também se afasta, não quer infectar a Terra". O estresse Hans Selye foi o médico e fisiologista austro-húngaro que cunhou o termo estresse na década de 1940. Ele mostrou que o estresse social e ambiental, além da infecção, também altera nossos comportamentos e afeta a maneira como o sistema imunológico funciona.

"É uma resposta cíclica na qual, se estou estressado, ocorrem mudanças nos neurotransmissores do cérebro, o que pode levar a um aumento do fluxo de informações para fora do cérebro e alterar a maneira como o sistema imunológico funciona", indica Anthony.

No Reino Unido, a cidade de Salisbury foi palco de uma série de experimentos no final dos anos 1980 e início dos anos 1990. Lá, um grupo de voluntários saudáveis ​​foi infectado com vírus do resfriado, com o objetivo de estudar a rapidez com que desenvolveram a doença e buscar tratamentos eficazes. Os participantes receberam um questionário e uma das perguntas era: "Você está muito ou pouco estressado?"

Ao analisar as respostas e a taxa de infecção, os pesquisadores concluíram que as pessoas que sofreram muito estresse tinham 20% mais chances de pegar um resfriado.

"Fundamentalmente, o que estamos dizendo é que o nível de estresse, neste caso social e ambiental, altera a maneira como seu sistema imunológico se comporta e o torna mais suscetível a esses resfriados". O elemento hormonal Estudos semelhantes foram realizados ao longo dos anos e acredita-se que é a ativação do eixo hipotálamo-hipófise-adrena (HHA) que faz com que o sistema imunológico seja alterado pelo estresse.

Esse eixo cobre uma área do cérebro, o hipotálamo, e ativa parte do sistema neuroendócrino. "É um processo de várias etapas: o cérebro envia sinais para as glândulas supra-renais, que produzem cortisol, e mais cortisol pode afetar a função das células imunológicas". "Essa é uma maneira pela qual o cérebro, por meio de hormônios, pode afetar o comportamento das células imunológicas: níveis muito altos de cortisol suprimem o sistema imunológico".

"Além disso, os neurônios que liberam neurotransmissores localmente no baço e na medula óssea podem alterar a maneira como as células imunológicas se comportam".

Qualquer incompatibilidade entre o sistema nervoso simpático (um dos ramos do sistema nervoso autônomo) e o eixo HPA pode levar esses sistemas às vezes a "trabalhar um contra o outro e torná-lo mais suscetível a infecções".

Uma das explicações para o estresse crônico ser ruim é porque ele faz com que seu sistema nervoso simpático não funcione corretamente, e entre "mais ativação" do eixo HPA, mais cortisol, o que o torna vulnerável à infecção. A hipótese da memória "Acho que, no corpo, o cérebro tem controle sobre o sistema imunológico", diz Kipnis, embora insista que eles estão apenas no começo da compreensão de como as duas partes interagem.

"Quando lidamos com um vírus ou uma infecção, o cérebro lembra como reagimos no passado.


Por exemplo, ele diz ao sistema imunológico: já lidamos com isso antes e é isso que devemos fazer?".

"Esta é a pergunta de US$ 100 milhões", responde com um sorriso. "Não tenho uma resposta categórica para isso. Mas acho que o cérebro precisa se lembrar." Ambos os sistemas trabalham com memórias: o cérebro nos ajuda a relembrar o passado e o sistema imunológico também se lembra, à sua maneira. Um exemplo disso são as imunizações.

"A vacina basicamente constrói uma memória imunológica artificial. Você diz ao sistema imunológico: se você vir esse patógeno, faça esse monte de anticorpos para poder neutralizá-lo."


Assim, quando o sistema imunológico é exposto a esse patógeno pela segunda vez, ele reage. Mas como é que o sistema imunológico de repente se torna tão eficiente e responde tão rapidamente?

"O que propomos é que talvez alguma memória imunológica também esteja sendo gravada em algum lugar do cérebro."

"E, quando o patógeno invade o corpo, o cérebro sabe porque é informado porque há uma quebra de barreiras através de nossa pele, nariz ou outra via de entrada que o patógeno toma, e ativa esse sistema imunológico específico".

No entanto, ele enfatiza:  isso é apenas uma hipótese . "Acho que ninguém provou isso." O que essa ideia levanta é que, se o cérebro controla o sistema imunológico, "provavelmente algumas das memórias imunológicas estão sendo registradas no cérebro". "Seremos capazes de encontrar aquela parte do cérebro que lembra as respostas imunes? Não sei, espero que sim, mas não tenho tanta certeza." A dificuldade em chegar à conclusões É difícil determinar isso, ,em grande parte, porque o cérebro é um órgão extremamente complexo.

Por exemplo, sabemos exatamente qual área do cérebro evoca memórias de infância?

"Não", responde Kipnis. "Em algum momento pensamos que era uma região do cérebro, mas agora sabemos que é uma coleção deles e que cobre muitas regiões."

As memórias da infância podem ser recuperadas por nós mesmos. "Mas a memória do vírus provavelmente não é", embora possamos lembrar como nos sentimos quando fomos infectados.

Os neurônios podem "falar e entender a linguagem " das células imunes e vice-versa, porque "os dois sistemas provavelmente se comunicam muito mais do que pensamos".

No entanto, há questões fundamentais, segundo o especialista: existe um tipo de controle mais consciente? Posso recuperar uma memória dessa gripe e, portanto, quando adoecer novamente, evocar minha memória imunológica (no cérebro) da gripe e ajudar meu sistema imunológico a combater melhor a infecção? Será que ele tem uma memória de respostas imunes em algum lugar do cérebro e elas são desencadeadas por uma reinfecção?

"Eu acho que é provável, mas ninguém definitivamente mostrou isso ainda."

Existem vários grupos de pesquisa, além do que ele dirige, que estão trabalhando nessa área, um deles em Israel. Experimentos com roedores A neurocientista Asya Rolls busca entender como os processos mentais podem afetar as respostas imunológicas.

O laboratório que ela lidera aponta que, embora tenha sido alcançada uma compreensão significativa dos efeitos do estresse na imunidade, "nossa compreensão das redes neurais específicas que regulam o sistema imunológico e a maneira como essa atividade é transmitida a ele é limitada".

Com sua equipe, ela realizou vários experimentos com camundongos.

Em um deles, a equipe notou que se ativassem diretamente a área do cérebro que está envolvida nas expectativas positivas, no sistema de recompensa do cérebro, havia uma estimulação do sistema imunológico, o que tornava as células imunes mais eficientes e poderoso para matar bactérias.

"A memória imunológica em termos de anticorpos e a reação imunológica que eles geraram foi quase quatro vezes mais forte", diz ele.

"Também vimos - em outro estudo com camundongos - que apenas ativando a área do sistema de recompensa do cérebro, o tamanho de um tumor era reduzido em 40%". "O que estamos vendo é que o cérebro parece estar ainda mais envolvido na formação de algum tipo de memória imunológica de reações imunológicas anteriores". Vestígios na memória Além da memória imunológica clássica, que é armazenada pelo próprio sistema imunológico, Rolls também acredita que outra poderia existir.

"O que observamos (em um experimento com camundongos) é que pode haver uma forma diferente e adicional de memória, que é codificada pelos neurônios".

Segundo ela, não seria um tipo de memória cognitivamente acessível, da qual conseguiríamos nos lembrar, mas poderia haver "um traço nos neurônios que representa a condição inflamatória" que ocorreu quando contraímos uma infecção. "Conseguimos testar esse traço de memória em um estudo com camundongos, mas também há evidências em humanos", diz a pesquisadora, citando um famoso experimento em que indivíduos alérgicos ao pólen foram expostos a uma flor, sem saber que era artificial, e desenvolveram uma reação alérgica.

"Então existe algum tipo de memória, alguma representação que conecta a flor com a alergia, e isso é algo que tem que acontecer no cérebro", diz.

Rolls também está intrigado com o efeito placebo, "um fenômeno psicológico muito complexo". Apesar do entusiasmo com que fala sobre seus estudos, a cientista alerta que devemos ter muito cuidado em "nossa interpretação do que vemos em camundongos" em relação às pessoas.

"Esses estudos podem sugerir o potencial do sistema, mas ainda temos um longo caminho a percorrer até que possam se tornar alternativas de tratamento em humanos. Estamos trabalhando nisso". E o humor? Dizem que quando nos sentimos tristes, deprimidos ou de mau humor é mais fácil pegar um resfriado. Poderíamos dizer que o cérebro está desempenhando um papel nessa circunstância?

"Sim. Quando experimentamos um estado emocional específico, por exemplo, quando não dormimos bem - que é um estado cerebral - é claro que você é mais suscetível a patógenos e a razão é porque seu sistema imunológico saudável precisa de seu cérebro", explica Kipnis. "Os imunologistas clássicos provavelmente não estarão muito abertos a essa ideia de que o estado mental afeta o sistema imunológico, mas há algumas evidências". De fato, existe um campo de pesquisa chamado psiconeuroimunologia que estuda a interação entre os processos psicológicos e os sistemas nervoso e imunológico.

Mas, embora existam algumas evidências, os cientistas estão tentando ir além de simplesmente reconhecer que o fenômeno existe.

"Quando você diz que ficar triste enfraquece seu sistema imunológico, eu gostaria de ver um mecanismo: o que é produzido no cérebro, qual molécula é liberada e como isso afeta o sistema imunológico para torná-lo menos funcional?"

No caso de estresse intenso, o mecanismo foi estudado.

"O estresse social aumenta a chance de desenvolver depressão e, nesse contexto, o humor deprimido é um problema porque está associado ao aumento do cortisol, que, por sua vez, está ligado à depressão", diz Anthony.

No entanto, adverte que dizer que "controlando a felicidade pessoal se pode controlar o sistema imunológico" contra infecções e doenças, é um circuito muito difícil de comprovar cientificamente.

Mais estudos são necessários para chegar a essa conclusão.

"Quando estou feliz, meu sistema imunológico fica mais forte? Talvez sim, talvez não, não sabemos, não há mecanismo que explique isso", diz Kipnis. Por isso, especialistas como Koppel alertam que esse tipo de informação deve ser criteriosa. " O perigo é sugerir que você pode modular seu sistema imunológico. Por que você está triste?


Por que está deprimido? Você pode entrar em um ciclo vicioso e criar mais ansiedade e isso não ajuda, especialmente se estiver doente."

E insiste: "Ainda há muito o que entender sobre as conexões entre o cérebro e o sistema imunológico".

Se algo o preocupa com sua saúde e seu estado de espírito, procure a orientação de um médico ou outro profissional de saúde.


Fonte: G1

3 visualizações0 comentário