top of page

Qual o melhor horário para se exercitar? Especialista explica



Sobram evidências científicas de que praticar exercícios físicos faz bem para a saúde. No entanto, nem todas as pessoas têm a mesma energia ao longo do dia.


Há quem goste (ou consiga) se exercitar logo pela manhã, outros deixam para ir à academia de tarde ou de noite. Entre as opções de horário, há alguma que seja mais proveitosa do que a outra?


Em um artigo para o The Converstaion, site especializado em divulgação científica, o professor Rafael Casuso, pesquisador em ciências da saúde na Universidade Loyola Andaluzia, da Espanha, explicou que o melhor horário para treinar depende dos objetivos que a pessoa quer alcançar.


“A metanálise mais recente avaliou nove estudos nos quais participaram um total de 450 pessoas. Os resultados revelam que para controlar o açúcar e melhorar a saúde cardiovascular, o exercício à tarde é o mais benéfico”, explica ele.

A conclusão foi obtida após observar uma grande redução dos níveis de triglicérides no sangue após o exercício vespertino. A atividade física nesse horário também é melhor para o controle da pressão alta e da diabetes.


“Também existem estudos que sugerem que o exercício à tarde pode ter um efeito um pouco mais acentuado na perda de peso. Isso porque a atividade física no final do dia parece diminuir o apetite”, completa Casuso.


Exercícios pela manhã


Os exercícios pela manhã, porém, também possuem propriedades particulares, neste caso, especialmente para a saúde mental.


“Quem escolhe se exercitar pela manhã obtém como benefícios extras a melhora na capacidade de atenção, na memória e na tomada de decisões”, aponta.

O professor destaca, no entanto, que aqueles que não têm flexibilidade de agenda devem continuar se exercitando nos horários que sejam possíveis, já que treinar em qualquer horário tem efeitos benéficos para a saúde. Ele ressalta, porém, que é melhor evitar a atividade física duas horas do horário de dormir para não atrapalhar o relaxamento necessário ao descanso.


Fonte: Metrópoles

4 visualizações0 comentário
bottom of page