top of page

Puberdade: quando ela é considerada precoce?



A puberdade é o período em que ocorre a transformação na vida de uma pessoa da fase de criança para a vida adulta. Nesse processo, ocorrem alterações hormonais, físicas e psíquicas. Mas em qual idade ela ocorre e quando ela é considerada precoce?

“Puberdade precoce ocorre quando o início das características sexuais secundárias surge antes dos oito anos nas meninas e antes dos nove anos nos meninos”, explica a endocrinologista pediátrica Ana Canton. A endócrino, que também é membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), lembra que, apesar de a primeira menstruação ser um marco muito forte na vida da menina, ela não é o primeiro evento da puberdade. “A menstruação (menarca) ocorre de dois a três anos após a puberdade”, diz.

Crésio de Aragão Dantas, pediatra e presidente do Departamento Científico de Endocrinologia da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), explica que a puberdade normalmente ocorre entre 9 e 14 anos no menino e entre 8 e 13 anos na menina. Antes dessa faixa é precoce. Após as idades limites, é considerada como tardia.

Os especialistas explicam que existem três tipos de puberdade precoce: central (a mais frequente); periférica (tumor, cisto que produziu testosterona no testículo ou estrogênio no ovário); e incompleta.

"A puberdade precoce central como um todo costuma ocorrer muito mais nas meninas. Vemos uma taxa de 10 para 1 de meninas para meninos, principalmente sem nenhuma causa definida. No menino é mais fácil de identificar a causa", completa a endócrino pediátrica. E quais são os sinais da puberdade? Veja as características sexuais secundárias em meninas e meninos.

Meninas

  • Surgimento do broto mamário - primeiro sinal

  • Pelos pubianos

  • Pelos axilares

  • Odor na axila

  • Acne

  • Modificação do contorno do corpo

  • Menstruação (menarca) - a última característica

Meninos

  • Aumento do volume dos testículos - primeiro sinal

  • Aumento do pênis

  • Pelos pubianos

  • Pelos axilares

  • Modificação da voz

  • Pelos faciais

  • Primeira ejaculação (espermarca) - última característica

“Nas meninas é mais fácil identificar a puberdade precoce, já que o primeiro sinal é o brotinho mamário. Nos meninos, como os pais e nem a criança percebem, cabe ao pediatra sempre examinar a genitália. Orientamos que os pediatras fiquem atentos à faixa de desenvolvimento puberal - entre 5 e 14 anos”, ressalta o presidente do Departamento Científico de Endocrinologia da SBP. Causas da puberdade precoce A puberdade precoce é causada pelo aumento antecipado dos hormônios sexuais no sangue. Existem algumas causas possíveis, como genética, causas orgânicas ou ambientais.

"A puberdade precoce pode ter um caráter esporádico, mas também pode ter relação com a genética. Se a mãe teve a puberdade mais cedo, a filha também terá. Isso acontece em 25% dos casos, em média", ressalta a endocrinologista.

Entre as causas ambientais, estão os disruptores endócrinos. São substâncias que temos no ambiente, que nos expostos, como pesticidas, parabenos, bisfenol-A. "Esses compostos vão de alguma forma afetar a regulação da área hormonal. São substâncias que afetam a situação normal endócrina. Não temos controle porque está no ambiente, na comida, na exposição do dia a dia", explica Ana Canton. Riscos e impactos na vida da criança O primeiro risco para a criança é a aceleração muito rápida da maturação óssea, fazendo com que ela perca potencial de altura. Segundo a endócrino pediátrica, a pessoa pode entrar na vida adulta com uma estatura bem mais baixa MESMO do que ela teria.

Além disso, essa puberdade precoce atrapalha a adequação social da criança. "Se ela está na idade adequada de seus pares, ela não sofrerá com comparações. Existem trabalhos mostrando que meninas com puberdade precoce teriam chance maior de transtornos psicológicos", alerta a endocrinologista. A puberdade precoce também aumenta o risco de abuso sexual e de uma gravidez em idade precoce. Também há maior chance de câncer estrogênio-dependente relacionado à menarca precoce.

"Além das manifestações psicossociais, a puberdade precoce expõe a criança aos hormônios sexuais muito precocemente. Isso pode aumentar o risco de câncer de endométrio, mama, colo de útero. As consequências vão desde o primeiro momento (alterações psicossociais) até as mais tardias, como as neoplasias malignas", completa o pediatra da SBP. Tratamento existe no SUS O tratamento para a puberdade precoce central (causada pelo adiantamento da liberação dos hormônios pelo sistema nervoso central) está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS). Para que o processo seja interrompido, os especialistas receitam o uso de bloqueadores hormonais.

A medicação é um análogo ao hormônio liberador de gonadotrofina (GNRH) e regula a fabricação dos hormônios que estimulam os ovários e testículos. Ele bloqueia essa puberdade antes da hora. Ela é administrada por injeções que podem ser subcutâneas ou intramusculares a cada 1, 3 ou 6 meses.

"Ele é fornecido pelo SUS e funciona muito bem. Os efeitos colaterais são poucos e raros. Se a criança começar com o tratamento muito cedo, por volta dos 3, 4 anos, ela vai usar por um bom tempo. Em média, o tratamento dura de dois a três anos - a menina usa até os 11 anos da idade cronológica. Os meninos usam por um tempo a mais. Essa avaliação é feita pela idade do osso", explica a endócrino. Meses após suspender o uso de bloqueadores, a criança entra na puberdade. Menstruação precoce x menopausa precoce A mulher que ficou menstruada antes do tempo (a chamada menstruação precoce) automaticamente terá uma menopausa precoce? Segundo os dois especialistas ouvidos pelo g1, a resposta é NÃO.

"É um pouco intuitivo pensar isso, mas são poucos os trabalhos que acompanham meninas com puberdade precoce por toda a vida. Nada impede que uma mulher que teve a menstruação precoce, tenha também uma menopausa precoce. Mas não temos trabalhos que comprovem a relação", diz Ana Canton. Fonte: G1

10 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page