Pesquisa aponta principais características que tornam uma pessoa chata



Quais são as principais características de uma pessoa considerada chata? Um grupo de pesquisadores da Universidade de Essex, no Reino Unido, fez cinco estudos e entrevistou cerca de 500 pessoas para chegar aos traços mais comuns de indivíduos tediosos.


A pesquisa foi publicada na revista científica Personality and Social Psychology Bulletin. Os participantes deveriam elencar as características mais chatas, os hobbies mais enfadonhos e os empregos menos emocionantes.


Os dois primeiros estudos incluíram 463 indivíduos. De acordo com os respondentes, os empregos mais chatos são análise de dados, contabilidade, seguros, limpeza e trabalhar em banco. Os piores hábitos são dormir, praticar uma religião, assistir TV, observar animais e fazer contas.


As principais características das pessoas chatas, de acordo com o levantamento, são não ter interesses, senso de humor ou opiniões e reclamar demais.


Nos dois estudos seguintes, os participantes receberam descrições de pessoas consideradas chatas de acordo com os resultados da primeira fase do levantamento.


A pesquisa indica que a percepção de chatice pode ter consequências sociais, afetando a impressão de competência e até de cordialidade. Por último, os cientistas perguntaram quanto dinheiro os participantes cobrariam para conviver com alguns perfis de pessoas — e os chatos demandavam somas “substancialmente maiores”.


Estereótipos negativos


O principal autor do estudo, Wijnand Van Tilburg, alerta que as características, ou um emprego, não são suficientes para rotular uma pessoa como chata. Segundo ele, é importante dar chance às pessoas para que elas se mostrem interessantes e quebrem os estereótipos negativos.

“Eu acho, por exemplo, que apesar de contadores serem vistos como chatos, eles são muito eficientes e fazem um ótimo trabalho”, afirma o professor de psicologia. Ele lembra ainda que a pesquisa é pequena, a maioria dos participantes reside nos Estados Unidos, e os resultados podem variar de acordo com a população interrogada.


Fonte: Metrópoles

6 visualizações0 comentário