Pais também precisam participar na amamentação dos bebês; entenda



Os papais têm papel fundamental na amamentação dos bebês. Após o parto, a mãe fica mais fragilizada, os hormônios estão à flor da pele e nem sempre a amamentação é tão simples quanto se imagina ou se espera. Dessa forma, a presença do parceiro é necessária.


“A amamentação é um processo que tem que envolver a mulher, o parceiro e toda a família. Ela não consegue amamentar com sucesso se ela não tiver apoio. É de extrema importância que todo mundo que faça parte do convívio social desta mulher compreenda e saiba como apoiar o aleitamento materno”, explica Miriam Santos, coordenadora das Políticas de Aleitamento Materno e Banco de Leite Humano do Distrito Federal.

A preparação do casal começa antes mesmo do bebê nascer. É necessário que o pai acompanhe o pré-natal, que assim será informado de todas as ações que ele pode participar durante a gestação, no parto e nascimento e também, depois, no cuidado com a mulher e a criança e no suporte em relação ao aleitamento materno.


“O leite materno é o melhor alimento que a criança pode receber. Exclusivo até o sexto mês e continuado até os dois anos ou mais. Existem vários estudos e trabalhos que demonstram que a criança que é amamentada tem menos risco de ter no futuro obesidade, hipertensão, colesterol alto, diabetes mellitus. Então, investir na amamentação é prevenir doenças crônicas no futuro, que são essas doenças que dão grande sobrecarga no sistema de saúde”, frisa.

O advogado Tiago Da Ros, pai da Maria Helena, tem ajudado em todo o processo de pós-parto de sua esposa, Camila Lima. “Estou participando de uma maneira a procurar apoiar dentro das necessidades com a nossa filha e as necessidades da mãe também. Apoio na hora de cuidar e de dar carinho para mãe e filha, respeitando toda essa fase de pós-parto e compreendendo as situações de mudanças hormonais que reverberam no humor e na saúde física e emocional dela”, relata.


Os casais que estão com dúvidas da amamentação do bebê podem buscar informações no Banco de Leite Humano do DF. 

“Na Secretaria de Saúde temos as Unidades Básicas de Saúde e também, nossos Bancos de Leite Humano, onde fazemos orientações por telefone, e-mail, videochamadas e presencialmente. Essas ferramentas virtuais estão sendo muito utilizadas agora no período de pandemia. Estamos sempre disponíveis para tirar dúvidas dessas mães e de seus parceiros sobre a amamentação e o que podemos fazer para que ela seja um sucesso. A amamentação precisa ser prazerosa para a mãe e para o bebê”, destaca a coordenadora Miriam.

Para saber mais informações sobre o Banco de Leite Humano do DF, acesse a página aqui.

Benefícios para a mãe


Entre as vantagens do aleitamento materno para a mulher estão: redução do câncer de mama e câncer dos ovários; redução da chance de ter depressão pós-parto, anemia pós-parto e; o retorno ao peso de antes da gestação mais rapidamente. Segundo Miriam, essa ação é importante para que a mulher se sinta bem e consiga amamentar seu filho.

Agosto Dourado


Com o enfoque no tema da Semana Mundial de Aleitamento Materno deste ano, que vai ser utilizado em todo o Agosto Dourado, que apoia o aleitamento materno para um planeta saudável, é necessário pensar que o aleitamento materno não deixa resíduos, a mãe que amamenta não polui a natureza e essa criança vai conseguir se adaptar melhor à alimentação complementar saudável e oportuna quando for iniciada.


Fonte: Correio Braziliense

8 visualizações0 comentário