top of page

Paciente com diabetes realiza sonho de ser mãe após transplante de rim



Construir uma família sempre foi um sonho para Eulalia Priscila Carvalho, 30 anos. Diagnosticada com diabetes tipo 1 aos 4 anos de idade, a nutricionista teve que lidar com muitos desafios antes de experimentar a maternidade. Sessões de hemodiálise, um aborto espontâneo e um transplante renal fazem parte dessa longa jornada.


A diabetes tipo 1 é caracterizada pelo excesso de açúcar no sangue, sendo uma doença genética e autoimune — as células de defesa do corpo atacam o pâncreas, que produz insulina. Em falta, o hormônio não consegue cumprir sua missão de regular a quantidade de glicose no sangue e permitir sua transformação em energia para o corpo. O açúcar se acumula nas veias e artérias e pode, então, provocar problemas mais sérios em vários órgãos do corpo.


O diagnóstico costuma ser feito durante a infância, e os principais sintomas são sede constante, vontade frequente de urinar, cansaço excessivo, aumento de apetite, dificuldade de ganhar peso ou emagrecimento acentuado, dor abdominal, vômitos e visão embaçada.


A diabetes tipo 1 é diferente da tipo 2, que é a mais comum e está relacionada ao estilo de vida, alimentação desregulada e falta de atividade física.


Desde que recebeu o diagnóstico de diabetes, Eulalia faz tratamento contra a doença. No entanto, com o passar dos anos, a condição progrediu e atingiu outros órgãos como os rins, que pararam de funcionar corretamente, obrigando a jovem a fazer sessões de hemodiálise e a entrar para a fila de transplante.


“A hemodiálise é um tratamento difícil e doloroso. Durante um ano e dois meses, eu fazia sessões durante duas horas, de segunda-feira a sábado. A gente precisa de uma dieta restritiva, fica frágil e passa muito mal”, lembra.

Neste período, ela engravidou, mas perdeu o bebê na sétima semana de gestação em um aborto espontâneo. “O meu sonho sempre foi ter um filho e construir uma família. Perder meu bebê foi mais doloroso do que saber que o meu primeiro possível doador de rim não era compatível”, conta a nutricionista, que é casada com Luiz Carlos Costa do Nascimento.


Médico de Eulália, o nefrologista Pedro Mendes explica que, apesar de não ser contraindicada, a gestação durante o tratamento de hemodiálise coloca a saúde de mãe e filho em risco. “A gravidez por si só aumenta o risco de pré-eclâmpsia. Durante a hemodiálise, esse risco fica muito mais alto porque a paciente passa por alterações na pressão arterial”, conta o médico, que trabalha no Hospital Brasília.

A indicação para pacientes crônicas nestes casos é que esperem um ano após o transplante para engravidar. “Este é o período mais difícil, quando precisamos ajustar as medicações e o organismo está se adaptando. Depois disso, é mais tranquilo”, explica o médico.


O esperado transplante


A primeira ligação para o transplante ocorreu sete meses após Eulalia entrar para a fila de espera. No entanto, o rim não era compatível. “A gente fica na expectativa de transplantar, mas o órgão não era viável. Fiquei triste, mas o sentimento não foi de frustração, senti que era uma preparação para o momento certo”, lembra.


Só em abril de 2019, quando conseguiu finalmente passar por um transplante bem-sucedido, Eulalia pode retomar sua vida normal. Voltou a trabalhar, estudar e começou uma rotina de atleta, pedalando distâncias de até 40 quilômetros. “Foi como um renascimento para mim”, se emociona.


No ano passado, veio a notícia que ela esperava. “Estava em uma consulta de rotina com o meu médico quando reclamei de sentir muita sonolência. Ele me passou uma bateria de exames e nós dois fomos surpreendidos juntos, quando ele disse que eu estava grávida”, lembra.


Eulalia deu à luz Heloisa em março deste ano, na 35ª semana de gestação. A menina teve hipoglicemia quando nasceu e precisou passar 27 dias internada em uma unidade de terapia intensiva neonatal. Hoje, em casa, com apenas 40 dias, a pequena é a alegria da família.


“Estou aprendendo a ser mãe. Todo dia é uma experiência diferente. O sentimento é de gratidão a Deus, à minha família e à equipe médica que me ajudou”, conta a jovem sobre seu primeiro Dia das Mães.

Fonte: Metrópoles

8 visualizações0 comentário

Comentarios


bottom of page