top of page

Onda de calor: como se proteger das altas temperaturas?



O Brasil enfrenta uma onda de calor, com temperaturas que podem chegar a 45ºC nas próximas das semanas. Ninguém está imune aos efeitos prejudiciais do calor extremo. As altas temperaturas afetam a todos. Entretanto, há pessoas mais vulneráveis. Quem está entre os mais vulneráveis à onda de calor? Obesos (a gordura retém mais calor), mulheres (têm maior composição de gordura), crianças (o sistema de regulação da temperatura é imaturo), idosos (o mesmo sistema começa a ter falhas), diabéticos, cardíacos e pacientes renais são mais sensíveis. O mesmo pode ser dito de profissionais que trabalham expostos ao sol.

Renda também é fator de risco. Pessoas que não têm acesso a ar condicionado, moram em casas mal ventiladas e se espremem em ônibus e trens lotados têm mais chance de sofrer estresse térmico.

E mesmo o mais saudável, esguio e endinheirado dos mortais está sujeito a ir parar no hospital e até morrer caso pratique atividade física desafiando o calor. Altas temperaturas correspondem por 7% das internações Um estudo feito por pesquisadores brasileiros e australianos sobre o impacto do calor em pacientes renais mostrou que as altas temperaturas respondem por 7% das internações do SUS. Calor pode matar? O ser humano controla sua temperatura de duas formas. A primeira é por meio dos vasos sanguíneos que se dilatam para levar mais sangue até a pele, para que o calor possa ser irradiado para fora do corpo. O segundo é por meio do suor, que refresca a pele por evaporação. Quando eles não funcionam, morremos. Como se proteger da onda de calor Em ondas de calor como a que atinge o Brasil nestas próximas semanas, a recomendação de especialistas é evitar ao máximo a exposição ao sol e ao calor. Locais considerados "refrescantes", como piscinas, praias e cachoeiras não são portos seguros, quando o termômetro dispara.

— As pessoas pensam em proteger a pele, passam protetor solar. Só que o problema é muito maior. Ninguém deve se expor em dias extremos porque não existe protetor cardíaco, renal ou cerebral. O sol, em dias assim, é para ser evitado — disse Paulo Saldiva, professor titular do Departamento de Patologia da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), especialista no impacto do meio ambiente sobre a saúde, em entrevista anterior sobre o assunto.

Outras formas de reduzir os riscos do calor extremo são:

  • Evitar as atividades ao ar livre, especialmente durante o período mais quente do dia;

  • Usar roupas leves e de cores claras para aumentar a evaporação do suor, a principal maneira de o corpo se resfriar;

  • Beber água ao longo do dia, em vez de grandes quantidades de uma vez só;

  • Se possível, ficar em lugares com ar condicionado.


Fonte: O Globo

15 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page