top of page

O câncer que afligiu dinossauros há 77 milhões de anos e que ainda atinge milhares de pessoas



Em um dia chuvoso há cerca de 77 milhões de anos, no que hoje é o sudeste de Alberta, no Canadá, um certo dinossauro estava passando por momentos difíceis.


O Centrosaurus apertus adulto, um primo herbívoro de tamanho médio dos Triceratops maiores que viveram ao lado dos Tyrannosaurus, tinha um câncer ósseo avançado em sua tíbia. A doença possivelmente se espalhou para outras partes de seu corpo e era terminal.

Mas este Centrossauro muito certamente não morreu de câncer ósseo, porque antes que isso pudesse acontecer, ele e os milhares de outros Centrossauros em seu rebanho foram atingidos por uma inundação catastrófica, possivelmente causada por uma tempestade tropical. Milhões de anos depois, o depósito geológico de fósseis preservado após esse evento de extinção em massa ajudou a fornecer evidências importantes de que esses dinossauros se moviam em enormes rebanhos.

Mas o diagnóstico desse dinossauro em particular de osteossarcoma – um raro câncer ósseo maligno mais comumente encontrado em crianças e diagnosticado em cerca de 25.000 pessoas por ano em todo o mundo – só veio em 2020.

Foi a primeira vez que um câncer maligno foi diagnosticado em um dinossauro. A confirmação do caso exigiu uma equipe multidisciplinar.

“Acontece que as doenças que afetaram os dinossauros têm essencialmente a mesma aparência daquelas que afetam os humanos ou outras criaturas”, diz Bruce Rothschild, pesquisador associado em paleontologia de vertebrados no Carnegie Museum of Natural History, na Pensilvânia, Estados Unidos.

Os resultados dessa e de outras pesquisas estão revelando detalhes previamente desconhecidos de como os dinossauros viveram e morreram.

Alguns argumentam que esses estudos também poderiam fornecer novos insights sobre doenças que ainda nos afligem hoje. Um achado peculiar A busca para diagnosticar com precisão um dinossauro com câncer ósseo começou quando David Evans, paleontólogo da Universidade de Toronto e curador do Royal Ontario Museum, no Canadá, conheceu Mark Crowther, hematologista humano e presidente da faculdade de medicina da Universidade McMaster, no Canadá.

Eles perceberam que poderiam combinar suas experiências para tentar encontrar um osteossarcoma.

Ainda assim, encontrar um caso em potencial não foi tarefa fácil. As patologias são frequentemente vistas em espécimes fósseis, mas não são realmente organizadas de acordo com essa característica, diz Evans. Em vez disso, os ossos com as características da doença costumam estar espalhados pelas coleções. Depois de examinar centenas de ossos no Royal Tyrrell Museum em Drumheller, Canadá, junto com vários outros cientistas, incluindo Snezana Popovich, patologista óssea da McMaster University, eles reconheceram os possíveis sinais de câncer ósseo na tíbia do Centrosaurus apertus.

"Definitivamente me lembro de Snezana pegando este osso e dizendo: 'Acho que isso é câncer ósseo'", lembra ele.

O osso tinha uma protuberância em uma extremidade que foi rotulada como calo de fratura, mas mesmo à primeira vista havia vários sinais indicadores de câncer ósseo: estava visivelmente malformado e tinha grandes forames não naturais (orifícios abertos) ao redor da protuberância.

A equipe usou todos os meios de que dispunha para confirmar o diagnóstico em seu paciente de 77 milhões de anos.

Eles compararam o osso com um osso normal da canela do Centrosaurus e um osso da panturrilha humana com um caso confirmado de osteossarcoma.

Mas eles também usaram raios-X, tomografia computadorizada (TC) de alta qualidade, juntamente com ferramentas de reconstrução 3D e histologia para criar biópsias para que pudessem estudá-lo no nível celular.

"Isso nos permitiu fazer um diagnóstico de câncer positivo que está de acordo com o que os médicos da minha equipe sugeriram [que fariam] em um paciente humano", diz Evans. "Na verdade, partimos para seccionar o osso em série ... Conseguimos rastrear o tumor cancerígeno abrindo caminho através do osso, do joelho ao tornozelo." Novo enfoque A diferença em relação ao diagnóstico de animais vivos hoje é que, para os dinossauros, há muito pouco material para investigar além de ossos fossilizados e outros tecidos duros, como dentes e, às vezes, pele, penas ou cabelos.

"É realmente difícil quando o diagnóstico é feito apenas com ossos", diz Jennifer Anné, paleontóloga sênior do Museu das Crianças em Indianápolis, EUA.

"Como temos informações tão limitadas que podemos usar, essas pistas limitadas, somos os MacGyvers: tentamos tudo o que temos para tentar decifrar essas informações."

O osso costuma ser uma das partes menos estudadas da biologia, acrescenta. "Enquanto na paleontologia tudo o que temos são ossos. Portanto, sabemos tudo sobre ossos."

Diagnosticar qualquer tipo de doença em um registro fóssil é incrivelmente difícil, concorda Cary Woodruff, curador de paleontologia de vertebrados no Phillip and Patricia Frost Museum of Science em Miami, Flórida.

"Não podemos realmente confiar em nenhum dos exames médicos que faríamos hoje... A maneira como identificamos [doenças] tem que ser radicalmente diferente."

Woodruff, que se especializou em saurópodes, enormes dinossauros herbívoros de pescoço comprido como o braquiossauro, também colaborou com veterinários e médicos em seu trabalho recente para diagnosticar pela primeira vez uma infecção respiratória de dinossauro. Ele havia notado algo estranho sobre um espécime de saurópode diplodocídeo de 150 milhões de anos chamado Dolly: um crescimento acidentado e irregular em suas vértebras, que havia fossilizado na forma de um brócolis.

"Eu sabia o suficiente para saber que o que eu estava olhando não era normal, mas não o suficiente para ser capaz de identificar o que eu poderia estar olhando", diz ele.

Ele postou uma foto nas redes sociais perguntando se alguém tinha visto algo semelhante ou sabia o que poderia ser, e rapidamente recebeu uma enxurrada de respostas, inclusive de seus futuros coautores.

“A resposta geral dos especialistas foi, oh meu Deus, nunca vimos isso antes, mas é exatamente o que prevíamos que seria uma infecção respiratória em um saurópode”.

A equipe que ele montou começou a investigar todas as doenças que poderiam ter causado esse crescimento. "É tão importante eliminar o que às vezes não é certamente nas primeiras passagens quanto se concentrar no que é", diz Woodruff.

Eles perceberam que havia protuberâncias nas áreas exatas do osso que teriam se ligado aos sacos de ar de Dolly (as estruturas cheias de ar ainda são encontradas em pássaros hoje e muitas vezes se infectam e causam o distúrbio respiratório airsacculitis). "Eles eram semelhantes o suficiente para sugerir que o diagnóstico de Dolly era saculite aérea", diz Woodruff. "O fóssil de 'brócolis' que saiu [...] era uma infecção óssea secundária."

É impossível dizer o que pode ter causado essa infecção, pois, por razões óbvias, a equipe não conseguiu fazer nenhum exame de sangue em Dolly. No entanto, a causa mais comum nos dinossauros vivos, as aves de hoje, é a respiração de esporos de fungos.

"Muito provavelmente, isso pode ter acontecido com nosso dinossauro há 150 milhões de anos", diz Woodruff. “Sabemos que os fungos têm uma história evolutiva ridiculamente longa, então também teria sido um componente importante desses ambientes”. Doenças que não deixam vestígios Existem também muitas doenças que não deixam vestígios no que resta dos dinossauros, por isso na maioria dos casos é difícil saber o que os matou.

"Provavelmente uma boa parte de nossos dinossauros morreu de doenças ou coisas do tipo, para as quais não temos evidências osteológicas, ou seja, não há indicadores nos ossos", diz Woodruff.

Ainda assim, à medida que a ciência avança, também melhora o reconhecimento dos indícios que apontam para certas doenças. "Pode haver muitos ossos com doenças que mal são visíveis na superfície e que ninguém pensaria em olhar", diz Evans. Quanto mais diagnósticos são feitos, mais os paleontólogos podem aprender sobre como esses dinossauros viviam. Por exemplo, o osteossarcoma avançado do Centrosaurus apertus provavelmente teria afetado sua capacidade de movimento, tornando-o alvo do Tyrannosaurus, o principal predador da época, diz Evans.

Em vez disso, no entanto, ele parece ter morrido com sua matilha em um desastre natural, indicando que pode ter sido cuidado e protegido por eles, observa Evans. "É uma visão realmente interessante e única da vida dos dinossauros que não tínhamos antes." Um benefício inesperado Mas as descobertas também podem contribuir para nossa compreensão moderna das doenças. Rothschild, um reumatologista, usou sua análise de fósseis de hadrossauros para ajudar a distinguir entre osteocondrite e osteocondrose, duas condições ósseas diferentes, mas de aparência semelhante. Evans foi até convidado a participar de um simpósio do Instituto de Osteosarcoma dos Estados Unidos, cujo foco é encontrar uma cura para a doença. "[Havia] um grupo dos melhores especialistas em câncer ósseo de todo o mundo [lá], e então havia eu com os dinossauros", diz Evans.

Sua pesquisa diagnosticou um tumor gigante exatamente no mesmo lugar onde se esperaria encontrar a doença em um ser humano. "Isso nos dá alguma perspectiva para pensar sobre a idade dessas doenças."

Um molde da tíbia Centrosaurus apertus original com osteossarcoma também fez parte da exposição Cancer Revolution do ano passado no Science Museum de Londres.

"Queríamos mostrar que o câncer não é uma doença exclusivamente humana ou moderna", diz Katie Dabin, curadora principal da exposição. “Os dinossauros pareciam ser um exemplo brilhante de que o câncer está presente em organismos multicelulares há muito tempo”.

Evans espera que seu artigo atraia clínicos, pesquisadores e especialistas interessados ​​em colaborar com paleontólogos e vice-versa, levando a outras descobertas sobre doenças raras que podem ser encontradas no registro fóssil.

"Quem sabe onde essas descobertas podem levar?", diz ele. Sua equipe já está trabalhando com outro grupo de pesquisadores que acreditam ter encontrado evidências de osteossarcoma em um dinossauro carnívoro. Mas também há algo no diagnóstico dessas doenças em dinossauros que nos ajuda a nos relacionar melhor com elas, diz Woodruff.

"Você pode segurar aquele osso de 150 milhões de anos de Dolly [o diplodoco] em suas mãos e, vendo aqueles sinais de infecção causados ​​por algum tipo de distúrbio respiratório, você sabe que a Dolly de 150 milhões de anos se sentiu péssima quando estava doente, como todos nós quando estamos sofrendo de coisas semelhantes. "E eu acho isso fascinante."


Fonte: G1

8 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page