Na ala de Covid, paciente ganha festa, sopra vela sem respirador e divide bolo; vídeo


Um paciente internado na enfermaria da Unidade de Pronto Atendimento do Belo Horizonte (UPA BH), em Mossoró, no Rio Grande do Norte, recebeu uma festa de aniversário dentro do hospital e o vídeo da comemoração causou revolta nas redes sociais. Isso, porque a festa gerou uma aglomeração dentro da enfermaria do hospital que é referência em atendimentos de Covid-19 na cidade.



Além da aglomeração na UPA, depois dos 'parabéns' uma acompanhante do paciente tirou o respirador do homem para que ele soprasse as velas que estavam em cima do bolo. Não bastasse isso, pedaços do bolo que teve contato direto com partículas do paciente possivelmente infectado com o vírus ou com suspeita de infecção, teriam sido distribuídos para as pessoas que estavam no local.


"Coisa boa, vai ficar bom, viu. Agora eu vou partir o bolinho para os seus convidados aqui dessa enfermaria", disse uma familiar do sr. Antônio. "Quem não for diabético, viu gente", complementou outra pessoa que estava na ala hospitalar, referindo-se a partilha dos pedaços do bolo.


Durante os parabéns do sr. Antônio várias pessoas são mostradas aglomeradas em volta do paciente, cantando uma versão adaptada da música. "Que Jesus abençoe esse nosso irmão. Que Maria o guarde dentro do coração", cantavam.


Estavam no espaço cerca de 20 pessoas, incluindo os pacientes com máscaras de oxigênio, profissionais de saúde e acompanhantes de outros enfermos.


Na cama ao lado do aniversariante, estava um homem deitado de barriga para baixo, uma técnica chamada de pronação,que tem sido usada em doentes com dificultades respiratórias para ajudar na oxigenação.


Comentários


No Twitter, até a noite desta quarta-feira (9) o vídeo tinha mais de 2,5 mil compartilhamentos e milhares de comentários. "Meu Deus, esse vídeo é a representação do meme: essa festa virou um velório", comentou um internauta.


Internautas chamaram atenção para o fato de que, se aquela unidade for para cuidar de infectados com Covid-19, a corriqueira ação de apagar velas, antes tão comum em aniversários, agora representa um grande risco em transmitir a doença, além da própria aglomeração naquele espaço.


No entanto, muitos também perceberam que, independentemente do motivo de internação do homem, só por terem acendido velas perto de uma balão de oxigênio já serviu como motivo de alerta, considerando que o gás é um comburente, o que o caracteriza como necessário para a combustão e, caso entrasse em contato com o fogo, poderia aumentar as chamas.


"O prêmio #DarwinAwards vai para toda a junta médica e de enfermagem. Simplesmente pediram a paciente de COVID para soprar as velinhas! se o bolo não foi cenográfico e todos comeram do bolo assoprado em breve faltarão leitos nesse hospital e sobrarão vagas de médicos e enfermeiros", critica um post do Twitter, onde uma publicação já recebeu mais de 620 mil visualizações.


"Misericórdia, tudo errado. Uma aglomeração aí em meio a doentes com COVID . A retirada da máscara e ainda com direito a assoprar as velas . Que absurdo isso", disse outra pessoa que viu a postagem do vídeo no Twitter.


Hospital


A reportagem entrou em contato com a UPA Belo Horizonte para comentar o caso, e a atendente confirmou que houve a comemoração no local. Ela, no entanto, não soube informar a data que a 'festa' aconteceu. "Não era o dia do meu plantão", disse a funcionária, que não quis se identificar.

Segundo essa atendente a unidade de saúde tem recebido apenas casos suspeitos ou confirmados de Covid-19. "Aqui, que não chega com o coronavírus é está com alguma síndrome gripal ou então corre o risco de pegar a doença (coronavírus)", informou a atendente.


Nesta quarta-feira, a UPA BH registrava 100% de ocupação dos leitos de UTI e 50% dos leitos clínicos.


Fonte: O Tempo

4 visualizações0 comentário