Morre bebê de 6 meses após ser queimada em banho no Hospital Getulinho, em Niterói



RIO — A menina Juliana Anastácio, de 6 meses, morreu nesta sexta-feira, após ser queimada em um banho de 50°C no Hospital Getúlio Vargas Filho, o Getulinho, em Niterói, no dia 20.


A bebê havia sido internada no hospital com um quadro de pneumonia, consequência de uma meningite que acarretou microcefalia, e que submetia Juliana a internações frequentes. Segundo a polícia, uma enfermeira da unidade, suspeita de ser a responsável pelas queimaduras, deve responder por homicídio culposo qualificado.


Passados oito dias do incidente, o estado de saúde da menina se agravou. Ela chegou a ser submetida à hemodiálise, ainda na manhã desta sexta-feira, mas teve falência múltipla dos órgãos, conta o advogado da família, Pedro Rocha.


Segundo o delegado responsável pelo caso, Luiz Jorge Rodrigues, da 78ª DP (Fonseca), as queimaduras atingiram 38% do corpo da bebê, incluindo as pernas, virilha, genitália, nádegas e parte da barriga da criança, como é possível ver em fotos cedidas pela família.


De acordo com Rocha, a mãe de Juliana, Luara dos Santos, vinha acompanhando sozinha a situação da filha no hospital, pois seu marido, o cuidador de idosos Jefferson dos Santos, estava no trabalho. No dia 18, após voltar para casa para tomar um banho e trocar de roupa, Luara atendeu à ligação de uma outra paciente do hospital, que informou que algo tinha acontecido com a menina Juliana. Ela correu para o hospital e encontrou a filha já enfaixada.

Os médicos logo disseram à Luara que a menina tinha se queimado durante um banho. Uma perícia parcial realizada pelo Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) no dia seguinte chegou a apontar para a hipótese de as queimaduras terem sido causadas por uma manta quente, procedimento médico usado para tratar algumas enfermidades. No entanto, um segundo exame pericial, realizado sob acompanhamento do Instituto Médico Legal (IML) no dia 20, confirmou que a menina tinha sido queimada num banho.


Em comunicado, a assessoria de imprensa do Hospital Getúlio Vargas Filho lamentou o ocorrido e ressaltou ter afastado preventivamente a profissional responsável pelas queimaduras, além de ter notificado a polícia e o conselho tutelar imediatamente após o óbito.

Leia abaixo a nota na íntegra:


"A direção do Hospital Municipal Getúlio Vargas Filho (Getulinho) informa com pesar que a paciente de 6 meses veio a óbito no início da tarde desta sexta-feira. No dia 19, a bebê sofreu queimaduras após o banho com água quente, o que foi constatado em sindicância interna aberta imediatamente após o ocorrido. A profissional responsável já tinha sido afastada preventivamente e, após a conclusão da apuração interna, foi demitida. A sindicância atestou que ela não conseguiu verificar corretamente a temperatura da água porque usava luvas. A equipe do Getulinho lamenta profundamente e está prestando toda a assistência necessária à família. O hospital também notificou imediatamente a polícia e o conselho tutelar sobre o fato.

A paciente de seis meses havia dado entrada na unidade com um caso de pneumonia e complicações na traqueostomia. Ela apresentava severo comprometimento neurológico. As causas da morte estão sendo apuradas.


A sindicância interna tinha sido aberta após a constatação das queimaduras no corpo da bebê. A funcionária já havia sido afastada. Para a apuração dos fatos, foram ouvidos 12 profissionais de saúde da unidade e analisadas as imagens das câmeras de vigilância. Também foi realizado um levantamento técnico e avaliação dos insumos e equipamentos utilizados no tratamento da paciente, além de análise da água, entre outras medidas".


Fonte: O Globo

7 visualizações

© 2020 Portal Saúde Agora. Tudo sobre SAÚDE em um só lugar!

  • Facebook
  • Instagram