Médico explica por que exercícios físicos previnem doenças cerebrais



Algumas doenças cerebrais, como Alzheimer e demência, podem se desenvolver ao longo dos anos por causa de hábitos ruins que adotamos durante a vida. Má alimentação, uso de substâncias químicas e drogas recreativas, acúmulo de estresse e falta de descanso, além das condições genéticas, são fatores que aumentam as probabilidades de desenvolver um possível distúrbio no cérebro.


No entanto, o sedentarismo provocado pela falta de atividades físicas regulares pode ser tão perigoso quanto os itens citados acima. Deixar de realizar exercícios durante a vida, além de provocar inúmeros danos para o corpo, também pode facilitar o desenvolvimento de doenças cerebrais.


“Nosso cérebro envelhece e isso é inevitável. Mas, somos responsáveis por garantir que este envelhecimento seja da forma mais natural possível”, explica o Dr. Gabriel Novaes de Rezende Batistella, médico neurologista e neuro-oncologista, membro da Society for Neuro-Oncology Latin America (SNOLA).


Para o especialista, realizar algum tipo de atividade física durante a vida é fundamental para evitar o aparecimento de doenças cerebrais. “O exercício melhora o fluxo sanguíneo e protege a memória; estimula mudanças químicas no cérebro que melhoram o aprendizado, o humor e o pensamento”, afirma.


“Além de melhorar a saúde do coração, exercícios regulares de resistência, como correr, nadar ou andar de bicicleta, também podem promover o crescimento de novas células cerebrais e preservar as células cerebrais existentes. Já o treinamento de força não é apenas para fisiculturistas. O ideal é que você visite, sim, a academia. Na medida em que levantar pesos ou usar uma faixa de resistência não apenas constrói músculos e fortalece os ossos, como pode aumentar também o poder do cérebro, melhorando humor, concentração e habilidades para a tomada de decisão”, completa o neurologista.


Fora isso, a prática de exercícios físicos também auxilia no controle do peso corporal e fortalece a saúde cardiovascular. Dois fatores fundamentais para o bom funcionamento do sistema neurológico e que podem evitar o desenvolvimento de doenças cerebrais.


“Se o seu coração está com problemas de saúde, é mais provável que você tenha problemas de aprendizagem e de memória. Estar acima do peso e não fazer exercícios suficientes pode estreitar os vasos sanguíneos. Isso limita a quantidade de sangue que flui para o cérebro e as artérias podem começar a endurecer. A pressão alta é o maior sinal de que a saúde do seu cérebro está em risco. Se a sua estiver alta, converse com seu médico sobre como controlá-la”, recomenda o Dr. Batistella.


Por fim, o neurologista ainda cita alguns outros fatores, além da prática regular de exercícios físicos, que contribuem para a prevenção de possíveis doenças cerebrais. Confira:

  • Alimentação balanceada;

  • Contato social saudável;

  • Mudanças positivas na rotina;

  • Sono adequado;

  • Aprendizado e estudo constante de novas habilidades;

  • Ouvir música com frequência;

  • Não fumar.

“Não menospreze fatores como exposição a um determinado ambiente, suas escolhas durante a vida, sua alimentação, sua capacidade funcional durante os exercícios físicos e o investimento nas diversas áreas de conhecimento como línguas, arte, música e por aí vai. Não desanime, sei que você pode estar pensando que já é tarde, mas ainda existe muito a ser feito pelo seu cérebro, independente do momento que você optou por tomar esta iniciativa”, finaliza o Dr. Batistella.


Fonte: SportLife

4 visualizações0 comentário