top of page

Jovem com paralisia nas pernas supera o problema e vira bailarina; veja a história



Sophia Moore tinha apenas 13 anos quando acordou com dores fortes no quadril esquerdo, mas sem conseguir andar. Ela foi, então, levada ao hospital, onde teve que passar por nove cirurgias enquanto os médicos tentavam chegar à uma explicação. Após 10 anos do diagnóstico de Síndrome de hipermobilidade articular, que afeta o tecido conjuntivo do corpo, a causa ainda continua desconhecida.


— Foi incrivelmente repentino. Não consigo colocar nenhum peso na perna esquerda sem sentir dores insuportáveis, por isso não consigo andar e preciso de muletas para me mobilizar. Meus problemas no quadril estão quase certamente ligados à minha síndrome, mas até que ponto ninguém sabe, e provavelmente nunca saberão — conta a jovem inglesa, de 23 anos, em entrevista ao site The Sun. No entanto, Sophia decidiu continuar lutando pelo seu seu sonho de ser dançarina profissional. Atualmente, ela está matriculada no terceiro ano do curso de Teatro Musical na Performance Preparation Academy em Guildford, na Inglaterra.

— Quando não conseguia andar, parei de dançar, achei a vida muito difícil e muitas vezes fiquei retraída e deprimida. Minha primeira operação, em setembro de 2013, melhorou as coisas e pude andar e dançar novamente. Mas tudo começou a dar errado com meus quadris, apenas uma vez com o quadril direito e regularmente com o esquerdo — relata.

Durante o tratamento, ela recebeu pinos no quadril esquerdo durante um ano, mas a solução não resolveu completamente sua condição. No entanto, a dançarina utiliza muletas estilizadas para combinar com seus figurinos e ter estabilidade nas pernas.

— Trabalhei muito comigo mesma e também cresci muito, e aceitei que provavelmente ficaria deficiente pelo resto da minha vida — conta.

Segundo Sophia, seus sintomas estão sendo estudados por uma equipe do University College London Hospital, em Londres. Os pesquisadores estão tentando encontrar a origem da dor no quadril e de que maneira é possível reduzir os níveis dela.


Fonte: O Globo

4 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page