Japão aprova as vacinas da Moderna e da AstraZeneca contra Covid


 
 

O governo do Japão aprovou nesta sexta-feira (21) as vacinas contra a Covid-19 da Moderna e de Oxford/AstraZeneca, a apenas 63 dias dos Jogos Olímpicos de Tóquio.


As aprovações devem acelerar a vacinação no país, que ainda caminha a passos lentos. Até então, apenas o imunizante da Pfizer/BioNTech tinha sido autorizado.

Foram aplicadas 7,5 milhões de doses até o momento, o equivalente a apenas 6 doses a cada 100 habitantes, segundo dados do "Our World in Data", projeto ligado à Universidade de Oxford O número está muito abaixo da média mundial (20) e de países que são referência na vacinação contra a Covid-19, como Israel (121), Chile (88), Reino Unido (85) e Estados Unidos (82).

Pouco mais de 4% dos 125 milhões de habitantes já receberam as duas doses e estão completamente imunizados. Críticas aos Jogos e estado de emergência As aprovações ocorrem em meio a duras críticas ao governo japonês devido à realização dos Jogos Olímpicos, que estão marcados para ocorrer entre 23 julho e 8 de agosto.

Pesquisa divulgada no fim de semana aponta que mais de 80% dos japoneses são contra a Olimpíada na data prevista. O evento deveria ter acontecido em 2020, mas foi adiado devido à pandemia.

O país enfrenta atualmente uma quarta onda de contágios, e o governo ampliou o estado de emergência em Tóquio e outras regiões. As medidas de restrição estão em vigor desde abril.

O Japão tem registrado uma média de 5,5 mil novos casos e pouco mais de 100 mortes por Covid-19 por dia. Desde o início da pandemia, são 705 mil infectados e 12 mil óbitos.

Apesar das críticas e da pressão popular, tanto o governo japonês quanto a organização dos Jogos já descartaram diversas vezes cancelar ou adiar de novo o evento.

O Comitê Organizador Local disse em fevereiro que a Olimpíada vai ocorrer "independentemente da pandemia" e garantiu que os Jogos de Tóquio serão um evento seguro. Aprovação de vacinas no Japão Para ser comercializado no país, qualquer produto de saúde precisa passar por estudos clínicos adicionais em território japonês, o que atrasa a disponibilização das vacinas.

Apesar de ter aprovado a vacina de Oxford/AstraZeneca, o governo japonês informou que ela não será utilizada imediatamente devido a preocupações com eventuais efeitos colaterais.

A União Europeia chegou a suspender o uso do imunizante devido a casos de coágulos sanguíneos em algumas pessoas vacinadas, mas retomou o seu uso em abril.

A Agência Europeia de Medicamentos (EMA) afirmou que os coágulos devem ser considerados um efeito colateral "muito raro" e afirmou que o balanço entre riscos e benefícios é positivo.


Fonte: G1

10 visualizações0 comentário