top of page

Inteligência artificial eleva em 20% detecção de câncer de mama e 'reduz' trabalho de radiologistas



Um estudo feito com mais de 80 mil mulheres na Suécia apontou que o uso de inteligência artificial no rastreamento de câncer de mama é preciso, eficiente e seguro.


🔬 Publicada na revista The Lancet Oncology na terça-feira (1º), a pesquisa mostrou que a inteligência artificial detectou 20% mais cânceres em comparação com a leitura da mamografia feita por dois radiologistas.

📉 Os pesquisadores também notaram que a inteligência artificial não aumentou os falsos positivos e reduziu a carga de trabalho de leitura da mamografia em 44%.

👉 No entanto, eles ressaltam que a inteligência artificial não está pronta para ser implementada na triagem de mamografia. Segundo a principal autora do estudo, Kristina Lang, da Universidade de Lund, esses resultados devem ser usados para novos ensaios e avaliações baseadas em programas para lidar com a escassez de radiologistas em muitos países, mas adverte: Eles (os estudos) não são suficientes por si só para confirmar que a inteligência artificial está pronta para ser implementada na triagem de mamografia.

A autora diz que ainda é preciso entender a combinação dos radiologistas com a inteligência artificial e o custo-benefício da tecnologia.

Na Europa, a recomendação é que a mamografia tenha leitura dupla (por dois radiologistas) para garantir o diagnóstico correto da doença. Contudo, faltam profissionais em muitos países.

A inteligência artificial foi proposta para fazer a primeira leitura automatizada das mamografias. Dependendo do resultado, se for detectado algo, o exame, então, passa para avaliação posterior de um ou dois radiologistas. Como funcionou a pesquisa

  • Público: Entre abril de 2021 e julho de 2022, 80.033 mulheres com idades entre 40 e 80 anos que se submeteram à mamografia na Suécia foram aleatoriamente escolhidas para análise de inteligente artificial.

  • Realização: A pesquisa foi dividida em dois braços: a inteligência artificial analisava as mamografias antes de serem lidas por um ou dois radiologistas x análise padrão realizada por dois radiologistas sem a inteligência artificial;

  • Classificação do risco: A inteligência artificial classificou o risco de câncer em uma escala de 1 a 10. Se o risco fosse inferior a 10, um radiologista analisava a imagem, se o sistema previsse risco 10, dois profissionais analisavam a imagem;

  • Resultados: 244 mulheres chamadas novamente após a triagem apoiada por inteligência artificial tiveram câncer em comparação com 203 mulheres da triagem padrão;

  • Economia de trabalho: Foram 36.886 menos leituras de tela por radiologias no grupo com suporte de inteligência artificial do que no grupo controle (46.345 x 83.231) - redução de 44% na carga de trabalho de leitura de telas dos radiologistas.

Mesmo com as descobertas promissoras, os pesquisadores alertam para as limitações do estudo, incluindo que a análise foi realizada em um único centro e foi restrita um tipo de dispositivo de mamografia e um sistema de inteligência artificial.


Fonte: G1

3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page