Influenza ou Covid-19? Especialistas explicam a diferenças de sintomas e formas de contágio


 
 

Não bastasse o avanço da variante ômicron do coronavírus, o aumento no número de casos de Influenza também cria mais incertezas sobre a tão aguardada reunião familiar de Natal e a festa de réveillon. A alta de casos de gripe já foi constatada em ao menos 9 estados.


Por causa da semelhança dos sintomas, as duas infecções podem ser inicialmente confundidas. O diagnóstico certeiro só é possível com um teste de antígeno, mas especialistas explicam que há sinais que podem ajudar a diferenciar as doenças. Influenza e Covid: diferença nos sintomas

Influenza

A gripe, como é chamada a infecção pelo vírus Influenza, apresenta sintomas agudos logo nos primeiros dias da doença.

  • Febre alta;

  • Calafrios;

  • Dores musculares;

  • Tosse;

  • Dor de garganta;

  • Intenso mal-estar;

  • Perda de apetite;

  • Coriza;

  • Congestão nasal (nariz entupido);

  • Irritação nos olhos;

Covid

nos casos de Covid-19, a doença começa a evoluir a partir do 7° dia, podendo ou não levar a um quadro de insuficiência respiratória.

No momento, o mundo observa atento como a nova variante do coronavírus, a ômicron, se comporta, mas evidências preliminares já sugerem que ela é mais transmissível que as demais cepas, embora também seja menos grave. De acordo com pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, os sintomas da ômicron são "diferentes" das cepas anteriores do coronavírus e incluem:

  • Dor de garganta;

  • Dor no corpo, principalmente na região da lombar;

  • Congestão nasal (nariz entupido);

  • Problemas estomacais e diarreia.

No Brasil, as variantes delta e gama ainda são predominantes. Seus sintomas podem incluir:

  • Perda de olfato e paladar;

  • Dor no corpo;

  • Dor de cabeça;

  • Fadiga muscular;

  • Febre;

  • Tosse.

Os sintomas, contudo, não se manifestam da mesma forma em todas as faixas etárias. Segundo David Straim, consultor do sistema de saúde britânico (NHS) e pesquisador da faculdade de medicina da Universidade de Exeter, no Reino Unido, crianças não tendem a apresentar sintomas de Covid. "As crianças não apresentam sintomas tão graves e podem apresentar outros sintomas como diarreia, coriza, febre e mal-estar. A mesma doença pode causar sintomas diferentes em grupos de distintas idades", explicou David Straim ao g1. Segundo Jamal Suleiman, infectologista do Instituto Emílio Ribas, o cotidiano recente dos médicos nos consultórios aponta que as crianças que chegam ao hospital com reclamação de infecção viral respiratória são, em sua maioria, casos de Influenza. "Em crianças, é até mais fácil você pensar em Influenza do que Covid. Criança com Influenza fica com coriza, abatida e com febrão, enquanto que nos casos de Covid-19 elas raramente apresentam sintomas", explica Suleiman. Em todos os casos citados, os sintomas podem se manifestar de modo isolado, sem que seja necessário que apareçam todos juntos ou de uma vez. Como evitar o contágio? Máscara e álcool gel Embora as duas doenças sejam transmitidas pelo ar, elas possuem diferenças. Enquanto a Covid-19 tem uma alta transmissibilidade por meio de aerossóis, partículas microscópicas que expelimos ao falar, tossir ou espirar, o risco de contrair Influenza é maior ao tocar em superfícies contaminadas. "Ao contrário da Covid, esse vírus tem uma alta transmissibilidade por contato de superfície, então temos sempre que manter as mãos limpas", explica Jamal Suleiman, infectologista do Instituto Emílio Ribas. Suleiman defende que ainda não é o momento de abandonar as máscaras e o uso de álcool em gel. "As medidas de proteção são: vacina, distanciamento, uso de máscara e medidas de higiene. A gente insistiu, inclusive, em retardar o desmascaramento porque estávamos apreensivos com essa situação. Desmarcar e aglomerar é tudo o que o vírus Influenza ama", completa o especialista. Entenda o surto de gripe que se espalha pelo Brasil Enquanto o número de casos de Covid-19 apresentam tendência de queda, o número de casos de Influenza só aumenta. Estados como Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo e Bahia já apresentam indicadores de epidemia, conforme anunciado pelas secretarias de Saúde.

O grande número de infectados pelo vírus da Influenza chamou a atenção de especialistas que, após avaliação, observaram se tratar do vírus H3N2, especificamente da variante Darwin — detectada na cidade da Austrália que recebe o mesmo nome. "Em primeiro lugar, não é o H1N1, que é mais comum. O que está dando é o H3N2, que é um primo dele. E o que acontece é que essa vacina que a gente deu neste ano não cobre bem contra o H3N2. A vacina tem o H3N2, mas não especificamente este que está rodando, que é o Darwin", explica Celso Granato, médico infectologista e diretor clínico do Grupo Fleury. "Além do que, as pessoas tomaram essa vacina faz seis meses. A gente vacina contra a gripe lá para maio, junho. Então, você está com uma vacina que já não cobre muito bem e também que já tomou há seis meses", complementou o especialista.

O aparecimento dessa nova variante poderia explicar o grande número de casos de gripe também entre pessoas vacinadas.

Contudo, embora os serviços de saúde registrem uma procura maior por atendimento relacionado com sintomas gripais, não dá para afirmar com exatidão quais casos são de Covid, de Influenza ou originados por outros vírus porque a testagem é baixa.

De modo geral, não são feitos testes para comprovar a infecção por Influenza e, no caso da Covid-19, o país ainda apresenta índices considerados baixos de testagem.


Fonte: G1

67 visualizações0 comentário