Hildegard de Bingen, a santa que fez a primeira descrição do orgasmo feminino



Que uma mulher tenha sido a primeira a descrever o orgasmo feminino talvez não seja surpreendente, até que você saiba que ela fez isso em 1151, época em que os homens eram os narradores da realidade.


Que isso tenha sido feito por uma freira beneditina do Sacro Império Romano talvez seja surpreendente, até você lembrar que, por muitos séculos, seguir esse caminho era uma das melhores opções para mulheres de classe alta que queriam o tempo e os meios para desenvolver o pensamento.

Isso não quer dizer que Hildegard de Bingen tenha escolhido essa vida: como filha de uma família nobre de origem alemã, seu destino foi determinado por seus pais desde cedo.

Mas, embora seja verdade que o fato de ela ter sido entregue à religião significava que ela receberia uma educação mais rica, nada em seu ambiente ou momento histórico garantia que ela se tornaria um ser tão excepcional.

Embora tudo estivesse contra ela por ser mulher na Idade Média e passar a maior parte de seus mais de 80 anos de vida trancada em mosteiros, Hildegard tornou-se uma mulher renascentista antes do Renascimento.

Seu trabalho variou do espiritual a campos como cosmologia, medicina, biologia e botânica. Ele criou a Lingua Ignota, ou "língua desconhecida", a primeira língua artificial da história. Ela também era uma visionária, poetisa e artista visual.

Quando o silêncio das mulheres se estendeu à Igreja, onde suas vozes não podiam ser ouvidas, ela compôs obras musicais inovadoras, que foram redescobertas em 1979 - 800 anos após sua morte -, e hoje são famosas e muito celebradas.

E no século XII, quando as diretrizes da Igreja reservavam um papel subordinado ao seu gênero, ela não só fundou seus próprios mosteiros, mas pregou fora deles, com a permissão do Papa, algo inédito, e interpretou a Bíblia, que antes era considerado um poder exclusivo dos homens. Reverenciada desde antes de morrer e cultuada como santa antes de ser canonizada em 2012, ela também é Doutora da Igreja, título dado a certos santos por causa de sua erudição. Como ela fez tudo isso? Assumindo riscos... E muitos.

Quando seu mentor morreu e ela assumiu seu lugar como abadessa no pequeno convento anexo ao mosteiro de Disibodenberg, o que era um segredo foi compartilhado por instrução divina: desde os 3 anos ela teve visões. Mas em uma que havia sido recente, segundo ela, Deus lhe ordenou que transcrevesse o que lhe mostrou.

No entanto, inicialmente ela se recusou a fazê-lo "não com teimosia, mas no exercício da humildade, até que, atingida pelo flagelo de Deus, caí em um leito de doença".

Diante de tal castigo divino por não obedecer, "falei e escrevi essas coisas, não por invenção do meu coração ou de qualquer outra pessoa, mas por causa dos mistérios secretos de Deus que ouvi e recebi nos lugares celestiais.

"E novamente ouvi uma voz do céu me dizendo: 'Fala, então, dessas maravilhas, e escreve-as e dize-as como te foram ensinadas'".

Portanto, não foi ela - que se dizia não mais que uma paupercula femina (pobre mulher) sem maiores dons intelectuais do que os recebidos pela graça divina -, mas um desígnio do Senhor que a levou a comunicar as revelações de seus episódios místicos que ela descreveu como "o fluxo abissal dos mistérios de Deus". Quando estava escrevendo sua primeira obra, "Scivias", o Papa Eugênio III descobriu e ordenou uma investigação.

Naquela época, e muito depois, as mulheres que falavam do que não era considerado assuntos pertinentes à elas acabaram na fogueira: ela era uma verdadeira visionária ou uma simples pecadora submetida ao poder de Satanás?

Por sorte, e por ingenuidade, a opinião era de que suas visões eram fruto do Espírito Santo, de tal forma que ela obteve a liberdade de expressar, abertamente, mas astutamente, tudo o que estava em sua mente.

Pontífices e imperadores de diversos territórios europeus vinham até ela em busca de conselhos espirituais e até de previsões do futuro.

Em suas quase 400 cartas sobreviventes, elas variam de humildes penitentes pedindo cura para suas doenças a reis buscando conselhos políticos.

Com o tempo, ela foi capaz de escrever tratados científicos nos quais ela não transmitia mais suas visões, mas o que ela havia aprendido através de sua observação da natureza, sem ser acusada de bruxaria e censurada, nem chocando alguém o suficiente para ser perseguida.

Em um deles, "Causa e cura ", ela abordou a questão da sexualidade, sem julgamentos morais. E, ao contrário de escritores como seu contemporâneo Constantino, o africano, que em seu "De coitu" descreveu todos os tipos de prazeres carnais sem mencionar as mulheres, Hildegard falou descaradamente da experiência masculina e feminina. Prazer sexual Embora exaltasse a castidade, não difamou o casamento e a procriação. E muito menos para as mulheres, apesar de ter passado a vida se descrevendo como uma mera "pena no sopro de Deus".

"A mulher pode ser feita do homem, mas o homem não pode ser feito sem a mulher."

Além do mais, o que aconteceu no Jardim do Éden foi culpa de Satanás, não de Eva. Ciumento por ela ter o poder de dar vida, ele envenenou o fruto da tentação e Eva, tão humana quanto Adão, não conseguiu resistir.

E o sangue que realmente manchou não foi o da menstruação, mas o que foi derramado nas guerras.

Assim, ele estava abrindo caminho para chegar a afirmar que o sexo não era fruto do pecado, e o prazer sexual era uma questão de dois: "Assim que a tempestade da paixão surge com um homem, ele é jogado nela como um moinho."

"Seus órgãos sexuais são então, por assim dizer, a forja à qual a medula entrega seu fogo. Essa forja então transmite o fogo à genitália masculina e as faz queimar poderosamente." E seu parceiro está longe de ser um vaso insensível.

"Quando a mulher se une ao homem, o calor de seu cérebro, que tem prazer em si mesmo, faz com que ele saboreie o prazer da união e ejacule seu sêmen." "E quando o sêmen caiu em seu lugar, aquele calor muito forte do cérebro o atrai e o retém consigo, e imediatamente os rins da mulher se contraem, e todos os membros que durante a menstruação estão prestes a abrir se fecham, no mesma maneira como um homem forte segura algo em sua mão."

Isso, saindo da pena de uma freira do século XII, é realmente surpreendente.

Embora perdidos por muito tempo, seus escritos foram redescobertos no século 20, e desde então sua voz, que chamou de "um pequeno som da trombeta da luz viva", ressoou novamente, não apenas entre acadêmicos, mas também entre herboristas, naturopatas e nutricionistas, além de artistas e músicos.

Transgressiva por natureza, ao ser criticada por permitir que suas "virgens" celebrassem as festas deixando os cabelos soltos e enfeitados e vestindo roupas de seda branca, escreveu uma frase cujo eco hoje a evoca: "Ó mulher, que ser esplêndido você é! Porque você lançou seu fundamento no Sol e conquistou o mundo."

* Este texto foi originalmente publicado na BBC News Brasil.


Fonte: G1

1 visualização0 comentário