top of page

Governo anuncia expansão do prontuário eletrônico para hospitais públicos de todo Brasil



O ministro da Educação, Camilo Santana, e a ministra da Saúde, Nísia Trindade, assinaram, nesta quinta-feira (13), acordo para expandir a utilização de um aplicativo de gestão hospitalar atualmente utilizado em 41 hospitais universitários. O programa permite que médicos, enfermeiros e outros profissionais de saúde possam ter acesso rápido ao prontuário dos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS).


O projeto pretende expandir o uso da ferramenta para aproximadamente 3 mil hospitais de diferentes unidades da federação.


O aplicativo registra as consultas, internações, procedimentos, exames e medicações aplicadas aos pacientes. E os dados podem ser acessados em qualquer unidade de saúde que conte com a ferramenta.


O projeto é iniciativa da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), estatal vinculada ao MEC. Atualmente, é utilizado para auxiliar o atendimento de 25 milhões de pacientes e é considerada o maior sistema hospitalar público do Brasil, acessado, em média, 3 milhões de vezes ao mês. Ao todo, são 83 mil usuários cadastrados.


Com o acordo assinado hoje, o governo pretende que a ferramenta passe a ser utilizada também por unidades de saúde federais, estaduais e municipais. A intenção do Ministério da Saúde e do MEC, explicaram os ministros, é permitir uma melhor continuidade dos tratamentos e evitar a repetição de procedimentos desnecessários.


Além disso, alegam os ministros, com a entrada das informações dos hospitais, o banco de dados referente à saúde dos brasileiros será fortalecido e permitirá que mais informações sejam disponibilizadas aos cidadãos por meio do ConecteSUS.


A ministra Nísia Trindade afirmou que esta iniciativa faz parte da agenda do governo de reconstrução do Brasil e que é uma tecnologia voltada a reduzir a desigualdade.


“A síntese é educação e saúde para reconstruir o Brasil. Transformação digital tornou-se um termo de uso recorrente nos dias de hoje, mas é importante, no caso da saúde, pensar essa transição digital a partir dos grandes valores do SUS para garantir um acesso de qualidade à população”, disse a ministra.


A expectativa do governo é que a expansão comece a partir de outubro. Segundo o presidente da Ebserh, Arthur Chioro, os ministérios irão oferecer assessoria técnica aos Estados, disponibilizando todo o suporte para a implantação, manutenção e desenvolvimento do aplicativo.


Outro ponto levantado por Chioro é a previsão de uma economia financeira, ao longo do tempo, de recursos que poderão ser posteriormente direcionados a outras áreas.


“Hoje os hospitais públicos, sejam municipais ou estaduais, gastam um volume de recursos considerável para fazer a implantação de um sistema de prontuário eletrônico e depois a manutenção anual. A adesão estimada, por volta de 3 mil hospitais, vai gerar uma possibilidade, se ela se concretizar, de economia de recursos para os municípios da ordem de mais de R$ 3 bilhões”, declarou Chioro.


O ministro da Educação, Camilo Santana, ressaltou que essa integralização era uma demanda antiga dos secretários estaduais e municipais de saúde que se concretiza com a assinatura do acordo. “Temos aproximado cada vez mais a saúde da educação, nessa ação de hoje, no Mais Médicos, no Revalida, na criação de novas faculdades de medicina. É importante a saúde e a educação estarem sempre integradas”, afirmou Santana.


Fonte: CNN

2 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page