GDF anuncia contratação de profissionais de saúde aposentados para reforçar atendimento



Após declarar estado de calamidade pública no Distrito Federal, por causa do aumento no número de casos de Covid-19, o governador Ibaneis Rocha (MDB) anunciou que vai contratar profissionais de saúde aposentados para reforçar o atendimento nas unidades de saúde. Além disso, a carga horária dos servidores da saúde será ampliada de 20 para 40 horas (veja detalhes abaixo).

  • Com alta ocupação de hospitais, Ibaneis diz que avalia abrir leitos em hotéis

  • Pandemia de Covid-19: 'Hospitais estão próximos do colapso', diz governo do DF

  • Inspeção flagra pacientes internados em banheiro do Hospital Regional de Ceilândia

A rede pública de saúde possui 6.181 profissionais aposentados. Servidores do Hospital Universitário de Brasília (HUB) também podem se inscrever para atuar emergencialmente. A data de abertura das inscrições para o processo seletivo ainda está definida. Segundo o governo, poderão se candidatar médicos com as seguintes formações:

  • Clínico

  • Intensivista adulto

  • Nefrologista

  • Anestesiologista

  • Neonatologisra

Em sua página na internet, o GDF informou ainda que "no caso dos neonatologistas, o profissional poderá ser pediatra que tenha atuado na especialidade". "Também serão contratados profissionais aposentados de outras áreas, como enfermagem e fisioterapia", diz o GDF. Carga Horária Segundo o GDF, a carga horária dos servidores da saúde poderá passar de 20 para 40 horas. A alteração vale para os seguintes profissionais que atuam nas emergências, UTIs, unidades de cuidados intermediários e leitos de retaguarda da clínica médica:

  • Médicos clínicos

  • Intensivistas adulto

  • Nefrologista

  • Anestesiologista

  • Neonatologista

  • Infectologista

  • Pneumologista

  • Enfermeiros

  • Fisioterapeutas

  • Técnicos de enfermagem

  • Técnicos de laboratório

  • Técnicos de radiologia

Com o decreto de estado de calamidade pública na saúde, na capital federal, na última terça-feira (9), o governo consegue fazer empréstimos, parcelar dívidas, fazer dispensa de licitação para obras e serviços, entre outros, além de conseguir remanejar recursos públicos para áreas de maior necessidade, no caso, a saúde afetada pela pandemia de Covid-19.

De acordo com o balanço mais recente da Secretaria de Saúde, divulgado nesta quinta-feira (11), o DF registra 5.048 óbitos pela doença, e os infectados somam 312.956. Às 18h10 desta quinta, o índice de ocupação de leitos de UTI reservados para casos de Covid-19 era de 94,81% de lotação.

"Temos a necessidade de aquisição de insumos que não podem faltar e sabemos que há uma busca desses insumos por todos os estados. Temos a necessidade de contratação, como é a dos três hospitais de campanha. Nós precisamos equipar esses hospitais e colocar insumos, e, por isso, o decreto de calamidade nos ajuda muito”, disse o governador Ibaneis Rocha.

O GDF também estuda ampliar a estrutura do Hospital Regional de Samambaia (HRSam) com a construção de uma estrutura para atendimento de pacientes com coronavírus, assim como foi feito no o Hospital Regional de Ceilândia (HRC). O governo diz que tem trabalhado em parceria com o Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) e com o Tribunal de Contas do DF (TCDF).


Fonte: G1

2 visualizações0 comentário