Europa aumenta restrições às vésperas do Natal para conter Ômicron


 
 

Os países da Europa estão aumentando as medidas de restrição para conter o avanço da variante Ômicron no continente. Em alguns locais, como em Londres, as infecções estão dobrando a cada dois ou três dias.


Na Holanda, o primeiro-ministro, Mark Rutte, decretou lockdown durante o período de fim de ano e ordenou o fechamento de todo o comércio, com exceção dos serviços essenciais. Dessa forma, o acesso a restaurantes, museus, academias, cabeleireiros e outros locais públicos está bloqueado até, pelo menos, 14 de janeiro.


Outro país que pretende elevar as medidas restritivas é a Alemanha. Na última semana, o ministro da Saúde do país, Karl Lauterbach, falou sobre uma “quinta onda massiva” de Covid-19 em decorrência da Ômicron. Uma reunião com autoridades de saúde está marcada para esta terça-feira (21/12). Os líderes devem decidir se vão estabelecer ações mais duras contra a disseminação da variante.


Segundo relatório do painel científico consultivo do governo, dados mostram que a dose de reforço, por si só, não é suficiente para conter a propagação do vírus.


Sem aglomerações


O governo irlandês também interviu para minimizar os efeitos da variante neste fim de ano. Desde domingo (19/12), restaurantes e bares só podem funcionar até às 20h e eventos internos e externos tiveram a capacidade máxima reduzida. O diretor médico da Irlanda, Tony Holohan, anunciou que a Ômicron se tornou a cepa dominante no país em menos de duas semanas.


O gabinete britânico vai se reunir nesta segunda-feira (20/12), às 14h (horário de Brasília), para discutir ações após o Reino Unido confirmar 12 mortes decorrentes da nova cepa. No entanto, o governo ainda se mostra resistente a adotar restrições antes do Natal.


Fonte: Metrópoles

5 visualizações0 comentário