top of page

Estudo descobre como o ecstasy pode melhorar a psicoterapia e ajudar no tratamento de doenças



O MDMA, comumente conhecido como ecstasy, é uma droga psicodélica frequentemente usada em festas porque cria sentimentos de proximidade e conexão social com outras pessoas. Devido a esse efeito “empatogênico”, a ciência também está interessada ​​em seu uso potencial como complemento da psicoterapia tradicional.


Em um estudo publicado recentemente na revista científica Scientific Reports, pesquisadores da Universidade de Chicago, nos Estados Unidos, analisaram os efeitos farmacológicos do MDMA e como ele influencia as interações sociais.

"Quando vemos que uma droga como o MDMA é usada num ambiente recreativo, pode ser porque as pessoas acreditam que isso as torna mais ligadas. Como investigadores, estamos interessados ​​em saber que componentes psicológicos estão envolvidos", disse Harriet de Wit, professora de Psiquiatria e Neurociência Comportamental na UChicago e autora sênior do artigo, em comunicado.

Para isso, eles recrutaram adultos saudáveis que receberam uma dose de 100 mg de MDMA em cápsula ou um placebo. Em seguida, eles receberam alguns tópicos, como programas de TV ou feriados favoritos - mas nada que encorajasse respostas profundas ou particularmente emocionais - para começar uma conversa com um desconhecido.

Nos estudos para ambas as drogas, pediu-se aos voluntários que avaliassem as qualidades gerais do seu parceiro e da conversa. Os pesquisadores também coletaram amostras de saliva para medir os níveis de oxitocina, hormônio associado ao fortalecimento dos laços sociais entre as pessoas.

Os resultados mostraram que os voluntários que receberam MDMA relataram sentir-se mais conectados e ter sentimentos mais positivos em relação aos seus interlocutores. A droga também aumentou os níveis de oxitocina, o que teve uma relação positiva com o quão próximos eles se sentiam dos seus parceiros.

“O MDMA aumentou os sentimentos de conexão, ou de sincronia com o parceiro, e o quão significativa a conversa era em relação a quando eles tomaram um placebo”, disse Hanna Molla, pós-doutoranda no Departamento de Psiquiatria e Neurociência Comportamental na UChicago e primeira autora do novo estudo, em comunicado.

Os pesquisadores também conduziram um experimento semelhante com metanfetamina, em doses de 20 mg, um estimulante não conhecido por efeitos empatogênicos que atua em um receptor ligeiramente diferente no cérebro. Embora esta droga seja comumente conhecida por seu potencial de abuso, também é clinicamente prescrita para tratar doenças como narcolepsia e transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH). Em termos de ações nos receptores cerebrais, a metanfetamina tem semelhanças e diferenças com o MDMA.

Os resultados mostraram que os voluntários que receberam metanfetamina relataram sentimentos semelhantes de proximidade com os seus interlocutores, mas esses sentimentos não estavam relacionados com os seus níveis de oxitocina.

Os investigadores que estudam o MDMA acreditam que uma forma de melhorar a psicoterapia tradicional é aumentar a ligação entre o paciente e o seu terapeuta, facilitando as conversas e ajudando o paciente a sentir-se mais confortável para se abrir e explorar as suas emoções.

"Pode haver diferentes maneiras de fazer com que as pessoas se sintam mais conectadas, uma mediada pela ocitocina, como acontece com o MDMA, e a outra mediada por outra coisa. Tudo o que vimos com o MDMA em estudos laboratoriais controlados sugere que estes efeitos facilitariam a psicoterapia e melhorariam o processo", disse de Wit.


Fonte: O Globo

3 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page