Estudo conclui que não existe dose segura de álcool para a saúde do cérebro


 
 

Um novo estudo realizado no Reino Unido reviveu o discurso em torno dos níveis seguros de consumo de álcool, particularmente no que diz respeito aos efeitos da substância no cérebro.


Apresentado em um artigo no The Guardian, o estudo foi projetado para estimar a relação entre o consumo moderado de álcool e a saúde do cérebro. Os pesquisadores objetivaram determinar o limite de ingestão de álcool para causar danos ao mesmo tempo em que identificaram se certos grupos apresentam níveis de risco mais elevados.


Entre as conclusões tiradas do estudo, que ainda não foi revisado por pares, estava que “nenhuma dose segura de álcool para o cérebro foi encontrada”. Além disso, de acordo com o estudo, o consumo moderado de álcool mostrou estar associado a efeitos adversos mais generalizados no cérebro do que os previamente reconhecidos. Aqueles que se envolvem em bebedeiras e têm pressão alta ou IMC elevado “podem ser mais suscetíveis” a tais efeitos. Como resultado, os autores do estudo estão pedindo que as diretrizes regionais de consumo sejam revisadas.

Os pesquisadores usaram o banco de dados UK Biobank no estudo para analisar dados de mais de 25 mil participantes, desde níveis de consumo de álcool auto-relatados até testes clínicos. Foi demonstrado que um maior volume semanal de ingestão de álcool está associado a uma menor densidade de massa cinzenta no cérebro. Os pesquisadores também encontraram associações negativas entre os níveis de consumo e a integridade da substância branca no cérebro, com IMC e/ou níveis de pressão arterial prejudiciais, tornando essas associações negativas ainda mais fortes.


Apesar da abordagem de moderação amplamente promovida para beber, com outras pesquisas até mostrando benefícios potenciais para a saúde do método, este não é o primeiro estudo desse tipo a questionar essa atitude em relação ao álcool.


Em 2018, um artigo publicado no The Lancet também concluiu que não existe um nível de consumo de álcool que deva ser considerado seguro para a saúde. Na época, entretanto, vários especialistas se opuseram a essa conclusão . Walter Willett, professor de epidemiologia e nutrição da Escola de Saúde Pública de Harvard, por exemplo, argumentou que tirar conclusões em nível global depois de “jogar tudo junto em um grande pote” é “enganoso”.


Fonte: IstoÉ

10 visualizações0 comentário