Especialistas dão dicas de como ajudar crianças a se socializar no pós-pandemia


 
 

"Eu não quero. Eu não quero ficar aqui. Eu não gosto disso."


O acesso de raiva de Miles estava crescendo desde o momento em que ele saiu do carro. Ele agarrou sua mãe, Kyle, e pediu para voltar para casa.


Momentos depois, Kyle, que não quer divulgar seu sobrenome para proteger sua privacidade, observou seu filho de 3 anos cair teimosamente no chão do deck da piscina coberta. Ele finalmente começou a chorar e gritar.


Foi uma de suas primeiras saídas importantes, depois de mais de um ano vivendo em relativo isolamento.


Enquanto os olhos de Miles disparavam ao redor - sua mãe percebeu que o filho de sua amiga também estava tendo um colapso.


Ir à piscina era anteriormente uma atividade de rotina para a família, e Miles, que é tipicamente sociável, disse a ela que estava animado para ir pela primeira vez desde o início da pandemia.

"Eu não tinha imaginado o quão assustado ele poderia ficar."


Existem muitas crianças como Miles que podem ter se sentido confortáveis ??socializando com outras pessoas antes da pandemia, mas que são muito jovens para se lembrar destes momentos claramente. Como muitas pessoas saíram recentemente do isolamento da pandemia, seus filhos podem ter dificuldade para fazer a transição para uma nova forma de vida que agora inclui lugares que antes não podiam ir.


Pelo menos por enquanto. As decisões dos pais ainda estão em mudança de rumos.


Embora as diretrizes dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA tenham declarado que as pessoas totalmente vacinadas podem participar de muitas das atividades que faziam antes da pandemia, uma nova orientação agora recomenda o uso de máscara em ambientes fechados se você estiver em uma área com alto número de casos de coronavírus ou de transmissão substancial para maximizar a proteção contra a variante Delta. (A agência também recomenda que as pessoas usem máscaras em escolas.)


A CNN conversou com dois pediatras para ajudar os pais a ajudar seus filhos a navegar por essas novas experiências. Aqui está o que eles têm a dizer.


Não volte à rotina pré-pandemia


As memórias começam a se formar por volta dos 2,5 anos, disse a Dra. Jenny Radesky - pediatra de desenvolvimento comportamental e professora assistente de pediatria na Michigan Medicine. Isso significa que uma criança com cerca de 3 ou 4 anos de idade não tem muitas lembranças de como era a vida antes da pandemia.


Radesky incentiva os pais a permitir que os filhos desenvolvam suas habilidades sociais, mas em um ritmo adequado.


“Essa ideia de voltar ao normal é realmente opressora para muitas pessoas, então eu quero que os pais sintam que você não precisa fazer com que seus filhos voltem a ser 'normais' agora”, disse ela.


A Dra. Neha Chaudhary, uma psiquiatra infantil e de adolescentes do Massachusetts General Hospital e da Harvard Medical School, também incentiva as famílias a se concentrarem nas conexões e relacionamentos sociais, dizendo que é importante para o bem-estar físico e mental geral das crianças - e dos pais também.


Mas ela observou que depois de mais de um ano em que socializar não era a norma, a transição pode ser difícil para algumas crianças, especialmente se forem um pouco mais rígidas por natureza.


"Eu encorajaria os pais a não voltarem a tratar as coisas como de costume ... porque para as crianças não vai ser como antes", disse Chaudhary. "Mesmo sendo positivo, ainda é uma mudança."


Kyle disse que tem sido difícil equilibrar a saúde física e social de seus filhos.

"Só a ideia de que as pessoas eram o perigo era um conceito muito difícil de transmitir de uma forma que não os assustasse e fizesse com que não quisessem estar perto de outras pessoas mais tarde", disse ela.


Prepare seu filho


Quando você faz planos para seu filho - seja um encontro para brincar, escola ou acampamento - há maneiras de preparar mentalmente seu filho para ajudá-lo a se sentir mais confortável.

Chaudhary enfatiza que é "perfeitamente normal" para uma criança expressar nervosismo, medo ou preocupação com uma nova situação social.


"Quanto mais informações os pais puderem fornecer aos filhos, mais capacitados eles se sentirão para passar por essa transição", disse Chaudhary.


Radesky sugere falar sobre a atividade social com antecedência. Se for algo que seu filho já fez antes, ajude-o a se lembrar como é. Caso contrário, Chaudhary diz que levá-los ao local com antecedência pode ajudá-los a se orientar para um novo ambiente.


Mas quando surgem planos de última hora, os pais não podem se dar ao luxo de preparar seus filhos. Se isso acontecer, Radesky disse que os pais devem se concentrar nos aspectos positivos do que estão fazendo e fornecer informações sobre o que esperar.


Se a separação de membros da família for um problema, Chaudhary disse para vale providenciar um tempo para criança ficar longe dos pais ou irmãos. Aumentando a frequência à medida que a criança fica mais confortável. Por exemplo, uma curta caminhada com um adulto de confiança pode ser um bom ponto de partida.


Desde o lockdown, Kyle disse que viu Miles se tornar "intensamente codependente" de seu irmão de 5 anos. Durante uma atividade escolar ao ar livre, ela percebeu que os irmãos nunca saíam um do lado do outro para interagir com seus colegas.


"O objetivo era conseguir algum tipo de socialização para eles, mas era assim que todas as outras famílias estavam agindo", disse ela. "Os irmãos ficavam juntos, apenas as crianças brincavam sozinhas."


Radesky disse que outra forma de ajudar a preparar seu filho para situações sociais é instruí-lo sobre o que ele pode fazer se começar a se sentir sobrecarregado, como encontrar o professor e segurar sua mão.


Fale com seus filhos


Chaudhary sugere que os pais se abram com seus filhos sobre como eles lidam quando estão se sentindo oprimidos.


"Ser proativo ao perguntar às crianças como estão se sentindo e criar espaços seguros para essas conversas - é uma base muito saudável mesmo para as crianças, à medida que ficam um pouco mais velhas e passam por transições mais difíceis", disse Chaudhary.


Chloe Massey, uma mãe em Falls Church, Virgínia, disse que falou muito com seu filho de 3 anos, Keenan, sobre o que significa estar nervoso no ano passado.


Quando um entregador ou prestador de serviço chegava até a porta durante a pandemia, Keenan se tornava tímido e assustado, disse Massey. Com os lábios trêmulos, ele dizia à mãe: "Kee Kee está bem" nesses momentos.


Agora, como a família retomou a vida social depois que Massey e seu marido foram vacinados, o nervosismo de Keenan em torno das pessoas desapareceu, disse ela.


"Se distanciar das pessoas foi realmente parte da nossa rotina por mais de um ano - e parte do vocabulário dele - e eu não o ouço falar sobre isso há dois meses, nem um pio", disse Massey.


Fique calmo durante explosões de raiva da criança


Não importa o quanto você prepare seu filho para novas situações, elas podem se complicar.

Radesky observou que crianças pequenas tendem a comunicar suas emoções por meio de seu comportamento, como acessos de raiva que as ajudam a interromper a situação no momento. Se isso acontecer, Radesky incentiva os pais a não reagir de forma exagerada.


“Se você mostrar que tem medo dos sentimentos de seu filho, eles acharão seus sentimentos ainda mais assustadores e opressores”, disse ela.


Em vez disso, os pais podem ajudar seus filhos a se acalmarem orientando-os a se concentrarem em seus próprios sentidos, disse Radesky. Basta se revezar na descrição de coisas que você pode sentir, cheirar, ouvir e tocar.


Procure ajuda se o problema persistir


Chaudhary orienta procurar o pediatra do seu filho ou consultar um terapeuta se você estiver preocupado com qualquer comportamento estranho.


Se seu filho continuar lutando para se adaptar por mais de algumas semanas ou se suas emoções se tornarem mais agudas - como desligar-se ou não se envolver -, procurar ajuda profissional pode beneficiá-lo muito.


Crianças são resilientes


Relembrando como a pandemia afetou sua família, Kyle disse que está preocupada com o futuro, observando que tem sido difícil incutir seus valores de inclusão e ajudar os outros, enquanto ela deve continuar mantendo certa distância de pessoas para seus filhos.


"Tenho muito medo de que isso altere permanentemente a maneira como nós, como família, interagimos com os outros socialmente", disse ela.


Ela disse que muitas vezes não tem certeza de quanto das lutas de Miles veem de viver em meio à pandemia ou por ter apenas 3 anos de idade.


Mas com o passar dos meses desde o colapso de Miles na piscina, ela disse que viu a personalidade dele começar a florescer entre os adultos.


"Sempre que há mais de um adulto por perto que é novo para ele, ele simplesmente se lança nessas longas e épicas histórias cheias de toda essa criatividade que não tínhamos visto antes, porque aparentemente ele precisa de um grupo, de um público", Kyle disse.


É a resiliência das mentes jovens, disse Radesky, que acabará ajudando aqueles que lutam para se ajustar a superar seus medos.


"Não tenho razão para me sentir negativo ou niilista sobre o prognóstico das crianças em geral agora", disse Radesky.


Massey, uma educadora infantil, disse que também acredita que as crianças são resilientes.

Ainda assim, Massey disse que ainda estava aliviada ao ver que quando ela o deixou para seu primeiro dia de acampamento em junho, ele disse "Tchau, mamãe", colocou a mochila, foi embora e não olhou para trás.


Fonte: CNN

4 visualizações0 comentário