Doria diz que uso de máscara segue obrigatório até o fim do ano em SP


As restrições de horários e capacidade de estabelecimento comerciais chegaram ao fim no estado de São Paulo nesta terça-feira (17), após quase um ano e cinco meses desde que a quarentena para combater o coronavírus foi decretada. O uso de máscaras, no entanto, permanece obrigatório em todo o estado até, pelo menos, o final deste ano.


A partir desta terça, comércios e serviços de todos os setores econômicos não terão mais limite de horário e nem de capacidade de ocupação de público. Há apenas a recomendação para que aglomerações sejam evitadas. Também serão liberados eventos sociais, culturais e feiras corporativas com controle de público. Continuam proibidos, por ora, apenas shows com público em pé, pistas de dança e torcida em estádios de futebol. Estes eventos devem ser autorizados em 1º de novembro.

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), admitiu nesta terça que novas flexibilizações ainda podem ser anunciadas até o final do ano. No entanto, ele reforçou que mesmo nas próximas etapas, o uso de máscara continuará sendo obrigatório. “O uso de máscara será continuamente obrigatório até o final desse ano. Mesmo a partir de novembro, quando entraremos em outra etapa de flexibilização. Temos a expectativa de ter a conclusão de todo ciclo vacinal no final do mês de outubro. Mesmo assim, dada a variante delta, os cuidados, os zelos, as máscaras ainda farão parte da nossa indumentária por um tempo um pouquinho maior”, disse Doria. Especialistas criticam o fim das restrições e dizem que a flexibilização foi iniciada antes que a maioria da população estivesse imunizada com as duas doses da vacina contra a Covid-19. Além disso, eles afirmam que os indicadores da pandemia mostram que a propagação da doença ainda está fora de controle e há preocupação com o avanço da variante delta do coronavírus no país.

Nesta segunda (16), o governo decidiu desmobilizar o Centro de Contingência para o Coronavírus criado em março de 2020 e que ajudava as decisões políticas e sanitárias durante a pandemia de Covid-19.

O centro tem atualmente 21 membros, entre cientistas e médicos. Na última sexta-feira (13), uma reunião consolidou a redução do grupo para apenas 7 membros, que ficarão apoiando o governador, João Doria (PSDB).

Anteriormente, o governo chegou a dizer que os eventos só seriam liberados no estado após o resultado de testes controlados, realizados até o fim do ano em parceria com a gestão estadual. Mas a gestão estadual voltou atrás desta orientação e passou a permitir a reabertura deste setor mesmo sem testagem.

Embora as flexibilizações estejam autorizadas para todos os 645 municípios do estado, seis cidades do ABC Paulista decidiram manter regras mais rígidas por medo de aumento de contaminações. Veja abaixo perguntas e respostas sobre as novas regras da quarentena em SP: O que volta a funcionar sem restrição de horário?

  • Restaurantes, bares, cafés e lanchonetes;

  • Lojas, shoppings, galerias e outros comércios não essenciais;

  • Salões de beleza, barbearias e clínicas de estética;

  • Museus, cinemas, teatros e shows com público sentado;

  • Academias de ginástica, clubes e centros esportivos.

  • Serviços essenciais como supermercados, postos de gasolina, bancos e farmácias já estavam autorizados a operar em qualquer horário.

O que continua proibido?

  • Shows com público em pé;

  • Pistas de dança;

  • Torcida em estádios.

Parques estão liberados? Sim. Os parques urbanos estaduais e unidades de conservação voltaram a funcionar em tempo integral em 1º de agosto. Cada parque tem um horário de funcionamento, e as informações de abertura e fechamento podem ser consultadas no site da Secretaria do Meio Ambiente. O uso da máscara ainda é obrigatório? Sim. O uso da máscara continua sendo obrigatório no estado de São Paulo em todos os ambientes. A gestão estadual também recomenda que o distanciamento social e os protocolos de higiene sejam mantidos. É permitido circular à noite? Sim. A restrição de circulação noturna ("toque de restrição"), que valia das 23h às 5h, foi suspensa em 1º de agosto em todo o estado. Com isso, a Prefeitura de São Paulo também suspendeu o rodízio noturno de veículos e voltou ao modelo tradicional. A nova flexibilização vale para todo o estado? Sim. A liberação total do comércio está autorizada para todos os 645 municípios do estado, mas as prefeituras têm autonomia para decidir adotar medidas mais duras.

Seis cidades do ABC Paulista decidiram manter a ocupação dos estabelecimentos em 80% e o horário de funcionamento até a meia-noite.

Representantes do Consórcio Intermunicipal do Grande ABC chegaram a pedir para que a capital paulista também mantivesse parte das restrições, mas o prefeito Ricardo Nunes (MDB) seguirá a liberação do estado, assim como São Caetano do Sul. A população já está imunizada? Não completamente. De acordo com o Vacinômetro, 91% dos adultos com mais de 18 anos já foram imunizados com a primeira dose no estado até esta segunda (16). Mas a aplicação da segunda dose ou da dose única atingiu apenas 28,2% da população adulta. Os adolescentes de 17 a 12 anos devem começar a receber as doses a partir de quarta-feira (18).

Para que a proteção seja eficaz, é necessário que o esquema vacinal esteja completo para um grande percentual da população. Mesmo após receber as duas doses, especialistas recomendam que uso de máscara e distanciamento sejam mantidos até que a transmissão do vírus caia consideravelmente. A pandemia acabou? Não. Os indicadores de saúde como internações, casos e mortes estão bem menores do que os observados no colapso de março e abril, pior momento da pandemia. No entanto, os números ainda são altos, semelhantes aos verificados no pico da primeira onda da doença, em julho de 2020.

Na semana passada, as médias de novas mortes e novas internações pararam de cair e entraram em estabilidade, o que acende alerta sobre possível aumento na sequência.

Nesta segunda-feira, a média diária de mortes é de 257, valor 4% maior do que o registrado há 14 dias, o que indica tendência de estabilidade. A média de novos casos diários é de 7.325. Quais foram as principais mudanças feitas na quarentena em SP? Em 2020, o governo estadual criou o Plano São Paulo, para regulamentar as regras da quarentena em cada região. Desde sua criação, o plano foi alvo de uma série de alterações. O governo mudou diversas vezes o que podia ou não funcionar em cada fase e também os indicadores de saúde necessários para a classificação das regiões.

Desde 18 de abril, todo o estado de São Paulo entrou na chamada "fase de transição", e os critérios do plano foram abandonados. Esta fase foi criada para representar uma etapa transitória da fase emergencial, a mais rigorosa da quarentena, mas se tornou permanente.


Fonte: G1

7 visualizações0 comentário