Dor, espera, revolta: o drama dos pacientes em meio à crise da saúde no Rio

Em meio à grave crise na saúde que atinge o Rio de Janeiro, enquanto o poder público estuda alternativas para colocar em dia os salários atrasados de médicos e funcionários, muitos pacientes sofrem com a falta de atendimento médico.

São muitos os que precisam de assistência e enfrentam, há meses, a situação crítica vivida pela saúde em clínicas e hospitais da cidade. O panorama é mais crítico na capital, mas, sobrecarregados, os hospitais estaduais e os outros municipais do estado muitas vezes também são problemáticos.

As filas são longas, faltam médicos, funcionários, equipamentos, medicamentos e estrutura nas unidades.

O motoboy Isaac de Sousa levou o pai para o Coordenação de Emergência Regional (CER) Leblon no começo da tarde de quarta-feira (11). Ele conta que esperou por atendimento por mais de cinco horas e que só uma médica atendia a todos os pacientes.

“Meu pai deu entrada no hospital por volta de 16h com princípio de infarto e agora, às 21h, eles dizem que o meu pai faleceu. Ele ficou em cima da maca esperando, esperando, até ir para o consultório, para esperar mais ainda. Porque só tem uma médica atendendo”, explicou o filho do paciente.

Isaac contou ainda que precisou implorar para o pai fazer um eletrocardiograma para ver o que estava acontecendo. Após muito tempo de espera, o paciente acabou morrendo.

“Eu tive que a forçar para dar uma atenção para o meu pai para pedir um eletro e, depois que ele fez o exame, ele ficou jogado em cima da maca, esperando o descanso dele vir. O meu pai faleceu com 53 anos. Novo né? Cheio de vida”, contou Isaac.

Peregrinação, fila e câncer sem tratamento

Idoso de 83 anos tem tumor no rim e fígado e não consegue ser atendido na Clínica da Família da Penha, na Zona Norte do Rio — Foto: Reprodução/Acervo pessoal

Hospitais Getúlio Vargas, Salgado Filho, Clementino Fraga. Com um tumor no rim e no fígado, o aposentado Geovane Gomes de Lima, de 83 anos, começou uma peregrinação no início de setembro, quando passou a sentir fortes dores na região dos rins. Ele pegou um pedido para ultrassonografia na Clínica da Família Aloysio Augusto Novis, na Penha, na Zona Norte do Rio, em 13 de setembro, mas até a publicação dessa reportagem, ainda não havia sido chamado para realizar o exame.

Para agilizar o diagnóstico, a médica recomendou à família que pagasse uma tomografia na rede particular. Depois da descoberta de uma massa, os parentes arrecadaram dinheiro para fazer uma ressonância para analisar o material. Apesar de ter classificação vermelha, a posição dele na fila do Sisreg (Sistema Nacional de Regulação) é 528 para uma consulta com urologista.

Ainda sem saber como tratar o câncer, o aposentado continua perdendo peso e sentindo dores. Ele conseguiu no Hospital Municipal Dr. Moacyr Rodrigues do Carmo um pedido de tratamento para oncologia no Instituo Nacional de Câncer (Inca). Agora, segundo a burocracia, precisa levar o documento até a Clínica da Família para que possa ser encaminhado ao Inca, mas, com a greve dos profissionais da saúde, não consegue encontrar funcionários no local.

“Ele não foi atendido nesses [hospitais] porque não tinha urologista e por várias burocracias. É triste ver meu pai assim. Me dá um sentimento de impotência”, lamentou Flavio Gomes de Lima.

AVC e espera em cadeira

Com um AVC, Adegilson não teve maca e precisou ficar em uma cadeira por quase 24h — Foto: Arquivo pessoal

Adegilson Luiz marinho, de 68 anos, teve um AVC. Com dificuldade de locomoção, foi levado pelos filhos para o Salgado Filho na terça-feira (10), mas, apesar da gravidade do caso, chegando lá, não foi atendido em caráter emergencial e não conseguiu nem mesmo uma maca. Ficou sentado por quase 24h e teve que dormir em uma cadeira.

“Meu pai está igual a um cachorro ali dentro, gente. Isso é situação para uma pessoa ficar? Não tem condição do meu pai ficar aqui desse jeito. Se for pra morrer, ele morre em casa. Igual a um bicho aqui não dá, desse jeito não dá”, indignou-se a filha Mayara Marinho.

Maca negociada a R$ 50

Uma paciente que preferiu não se identificar contou à GloboNews que, diante da situação de caos no Salgado Filho nesta quarta-feira (11), pagou R$ 50 para conseguir uma cama para que a sua mãe, que está acompanhando sua avó internada, conseguisse se deitar um pouco.

Sobre o caso, a direção do hospital afirmou que repudia qualquer cobrança indevida feita a pacientes na unidade e que solicita à família da paciente que compareça à direção da unidade para formalizar a denúncia e fornecer informações que ajudem a identificar quem fez a cobrança indevida.

Disse ainda que, uma vez identificada a pessoa que fez a cobrança, se for funcionário da unidade, as medidas cabíveis serão tomadas. O Hospital Salgado Filho é uma emergência de porta aberta, recebendo pacientes por demanda espontânea, sem recusar atendimento a quem precise. Por isso, pode funcionar acima da capacidade ideal, mas com todos os pacientes recebendo os cuidados indicados.

Pacientes fazem vaquinha

Pacientes tentam ajudar funcionários sem salário — Foto: Reprodução

Já que o pagamento da prefeitura não chega, os pacientes vêm se mobilizando para ajudar os funcionários da família Rodolpho Rocco, em Del Castilho.

Diante da falta de pagamento, a situação de necessidade e desespero dos que trabalham na clínica sensibilizou os que são atendidos no local, que vêm buscando colaborar com a doação de alimentos.

“A gente está recolhendo alimentos não perecíveis para essa clínica, porque eles atendem a gente em Del Castilho e Higienópolis. A prefeitura começou a cortar as coisas, diminuíram os médicos, os atendentes, os funcionários, tiraram o segurança patrimonial. Os que ficaram estão sobrecarregados e sem salários, então a gente resolveu ajudar. É muito triste chegar no Natal e não ter um arroz e um feijão, como ficam as crianças no Natal? Como explicar isso pra elas?”, disse o paciente.

Fonte: G1

#riodejaneiro #saude

3 visualizações

© 2020 Portal Saúde Agora. Tudo sobre SAÚDE em um só lugar!

  • Facebook
  • Instagram