DIU ligado à redução do risco de câncer de ovário

Usar o dispositivo intrauterino (DIU) para a contracepção foi associado a menor risco de câncer de ovário, de acordo com uma revisão sistemática com metanálise de dados retrospectivos.

Houve 32% de redução do risco de câncer de ovário entre as mulheres que já tinham usado DIU em comparação com as que nunca usaram.

O achado confirma os resultados de outros estudos menores, disse ao Medscape o autor sênior, Dr. Guntupalli Saketh, médico e diretor da oncologia ginecológica da University of Colorado School of Medicine e do UC Health Hospital, nos Estados Unidos.

“Esta é a primeira metanálise ou grande agrupamento de dados mostrando que, potencialmente, as mulheres que usam o DIU para a contracepção em vez da contracepção oral têm menos risco de câncer de ovário mais tarde na vida”, disse o Dr. Guntupalli.

“As mulheres com risco mais alto de câncer de ovário ou que temem ter este tipo de câncer podem optar por usar o DIU para contracepção, e pensamos que estes dados vão provocar uma discussão sobre os méritos deste dispositivo”, disse o médico.

No entanto, outro especialista observou que as pílulas anticoncepcionais orais reconhecidamente reduzem o risco de câncer de ovário em cerca de 50%.

O Dr. Guntupalli acrescentou que espera que este novo estudo “faça com que as mulheres e seus médicos conversem sobre o melhor método de controle de natalidade para elas”.

A revisão foi publicada on-line em 10 de setembro no periódico Obstetrics & Gynecology.

Para seu estudo, Dr. Guntupalli e colaboradores pesquisaram os bancos de dados MEDLINE, EMBASE, Cochrane Library e Web of Science Core Collection desde seu início até junho de 2018.

Os autores identificaram 564 relatos de associação entre o uso do DIU e o câncer de ovário, contudo, eliminaram a grande maioria, por serem relatos de caso ou terem outras limitações.

Em última análise, decidiram usar 11 estudos para a metanálise.

Destes, nove eram estudos de caso-controle com um total de 4.484 casos de diagnóstico de câncer de ovário e 9.107 mulheres sem diagnóstico de câncer de ovário.

Ao considerar os estudos de caso-controle separadamente dos estudos de coorte, a razão de risco resumida (sOR, siga do inglês, summary odds ratio) da associação entre “sempre” usar DIU e a incidência de câncer de ovário foi de 0,68 (intervalo de confiança, IC, de 95%, de 0,55 a 0,85).

Os dois estudos de coorte continham dados de 649 pacientes com câncer de ovário, em comparação com 173.928 mulheres sem diagnóstico de câncer de ovário. A sOR do câncer de ovário entre mulheres que usavam DIU foi de 0,66 (IC 95%, de 0,52 a 0,84).

Como o DIU protege?

Existem dois tipos de DIU: hormonal e de cobre, explicou Dr. Guntupalli.

O DIU de levonorgestrel usa progesterona para evitar a concepção. As progestinas têm efeito antiestrogênico, e acredita-se que este efeito diminua o risco de câncer de ovário.

O DIU de cobre causa uma resposta inflamatória de baixo grau no interior do trato reprodutivo feminino.

“Novos dados mostram que as células imunitárias participam muito da vigilância e do rastreamento do câncer no hospedeiro. Como resultado, nós pensamos que essas células imunitárias podem matar as células pré-cancerosas”, disse o pesquisador.

Uma limitação importante da revisão é a ausência de dados sobre duração do uso do DIU.

“Quanto tempo uma mulher precisa usar DIU para reduzir o risco? Infelizmente, não pudemos responder essa pergunta em nossa revisão. Não conseguimos abstrair nenhuma relação temporal”, disse o Dr. Guntupalli.

Convidado a comentar, o Dr. Gary S. Leiserowitz, médico e chefe do Departamento de Ginecologia e Obstetrícia da University of California Davis School of Medicine, nos EUA, disse ao Medscape que realmente não se sabe como o DIU protege contra o câncer de ovário.

“Os possíveis mecanismos sugeridos no artigo são todos especulativos”, disse Dr. Gary, “porque, que eu saiba, ninguém sabe”.

“Uma das possibilidades é algumas mulheres que usam DIU não ovularem de modo sistemático, que provavelmente é o mecanismo pelo qual os contraceptivos orais diminuem o risco de câncer de ovário. Há muito se sabe que o uso de contraceptivos orais tem sido associado a um risco 50% menor de câncer de ovário, e é reconhecido que a laqueadura tubária também diminui o risco de câncer de ovário.”

O Dr. Gary, que não participou da revisão nem da metanálise, concordou que a ausência de dados sobre a duração do uso do DIU é uma questão importante.

“Uma das coisas que acontece quando você faz estes estudos de associação é tentar entender a relação da dose”, explicou o comentarista. “Estes estudos não fornecem essa informação.”

O Dr. Gary concordou com o Dr. Guntupalli, que gostaria de ver o DIU mencionado como opção de controle da natalidade.

“Atualmente, temos discussões com as pacientes sobre o uso de contraceptivos orais na tentativa de diminuir o risco de câncer de ovário. Assim, especialmente para as mulheres com a mutação genética conhecida como BRCA1 e BRCA2, se ainda não estiverem prontas para fazer a cirurgia de redução de risco, o uso de DIU poderia ser aventado, antes ou entre gestações”, disse o comentarista.

Dr. Guntupalli Guntupalli e Dr. Gary S. Leiserowitz informaram não ter conflitos de interesses relevantes.

Obstet Gynecol. Publicado on-line em 10 de setembro de 2019. Abstract

Fonte: Medscape

#câncer #diu

3 visualizações

© 2020 Portal Saúde Agora. Tudo sobre SAÚDE em um só lugar!

  • Facebook
  • Instagram