Diagnóstico precoce aumenta as chances de cura do câncer infantil em até 80%


Há quase um ano, Edineide Coutinho dos Santos recebeu uma notícia inesperada. Seu filho, de apenas 12 anos, sentia dores de cabeça e nos olhos, mas os remédios pareciam não fazer efeito. Em novembro de 2020, Ailton Ribeiro de Jesus Júnior de foi diagnosticado com um tumor no cérebro.

"A notícia pegou a gente de surpresa. Ele começou sentindo dor de cabeça há algum tempo. A escola falava comigo, mas a gente achava que era normal, porque dava remédio e a dor parava", contou.

Mas no mês de novembro, quando o tumor foi diagnosticado, as dores começaram a ficar mais fortes, e outros sintomas começaram a aparecer. Foi quando a Edineide procurou atendimento médico.


"A dor de cabeça não passava. Ele começou a ter espisódios de vômito, fraqueza e não queria mais comer. Procurei o hospital e ele ficou 1 semana internado direto, depois voltou e ficou mais 3 dias. Eu moro em Pedro Canário, e na nossa cidade não tinha muitos recursos, o médico disse que não tinha estrutura para descobrir o que era", relembrou a mãe de Ailton.

Assim que foi transferido para um Hospital de São Mateus, a pediatra responsável solicitou um exame de tomografia.

"Com 5 minutos de exame já acusou um tumor no cérebro dele. Foi como se tivessem jogado uma bomba na minha mão. O médico me disse que meu filho precisava ser operado com urgência", disse a Edineide.

Câncer é a primeira causa de morte por doença em crianças e adolescentes de 1 a 19 anos no país


De acordo com dados do Instituto Nacional do Câncer, o câncer infantojuvenil representa cerca de 3% de todos os casos de câncer diagnosticados, e tem incidência estimada de 8.460 casos novos por ano no país.


Especialistas afirmam que o diagnóstico precoce é fundamental e, quando a doença é identificada cedo, as chances de cura podem ser maiores que 80%. No Espírito Santo, o centro de tratamento referência é o Hospital Infantil Nossa Senhora da Glória (Hinsg).


Para reforçar esse alerta, a Associação Capixaba contra o Câncer Infantil – Acacci realiza a campanha Setembro Dourado no Espírito Santo.

“O movimento Setembro Dourado é uma importante oportunidade para a Acacci potencializar o alcance do tema e sensibilizar os diversos públicos, além de disseminar o seu propósito de oferecer às crianças e aos adolescentes em tratamento de câncer um programa de assistência com uma abordagem integrativa e complementar”, afirma a superintendente da Acacci, Luciene Sena.

Saiba como identificar os sinais de alerta para o câncer infantil


Ailton teve uma história de sucesso. Passou pela cirurgia, e os médicos conseguiram eliminar todo o tumor do cérebro do menino de 12 anos. "Eu pedi a Deus que devolvesse meu filho com vida e confiei. Começamos o tratamento, com 11 dias ele fez a cirurgia. Conseguiram tirar todo o tumor dele", relembrou a mãe.


Edineide contou que na cidade onde mora, o caso de Ailton acendeu uma luz de alerta. Contou que quando sentem dor de cabeça já correm para o médico. Ela ainda fez um apelo para as mães.

"As outras mães precisam tomar cuidado, pensamos que é uma coisa simples, mas pode ser muito grave. Febre, dor de cabeça, pode ser muito grave", disse.

Veja abaixo alguns dos principais sinais e sintomas do câncer infantojuvenil:

– Dores ósseas e articulares;

– Perda de peso;

– Sangramento;

– Mancha branca no olho;

– Febre persistente sem causa definida;

– Palidez progressiva;

– Dor de cabeça persistente, podendo ser acompanhada de vômitos.


Programa de assistência dá suporte para as famílias no Espírito Santo


Na luta contra o câncer infantojuvenil, a Associação Capixaba Contra o Câncer Infantil (Acacci) oferece um programa de assistência integral às crianças, adolescentes e suas famílias, apoiando não apenas o tratamento, mas também oferecendo o suporte econômico, social e psicológico a todos os envolvidos.


A Edineide afirma que, se não fosse esse apoio, dificilmente conseguiria concluir o tratamento do filho. A principal dificuldade da família, que mora em Pedro Canário, seria o deslocamento.

"As mães sempre falavam comigo, mas eu não sabia como era aqui na Acacci. Depois que ele terminou o tratamento, começamos a vir para cá. Se não fosse esse lugar, muita gente ficaria sem tratamento. Meu filho mesmo teve que fazer 33 sessões de radioterapia. Eu sou de Pedro Canário, como eu ficaria aqui em Vitória indo e vindo todo dia, gastando o que eu não tenho para fazer esse tratamento?", disse.

Essa rede de apoio garante a continuidade do tratamento dos pacientes e eleva a possibilidade de sucesso no combate ao câncer. Além da Casa da Família, que oferece acolhimento, a instituição garante suporte psicossocial e mantém centros de tratamentos equipados, com o objetivo de proporcionar mais qualidade de vida aos pacientes.

"Aqui a gente forma uma família, as pessoas entendem, ajudam. Passamos aqui mais de um mês no tratamento e tem sido muito bom. A gente não deseja que as pessoas precisem passar por aqui, mas se precisar passar por aqui a experiência é muito boa. Não tem s´o eu e meu filho, tem outras mães, então a gente se apoia. Formamos uma grande família", finalizou.

Apoio do Instituto Americo Buaiz


A Acacci conta com o apoio do Instituto Americo Buaiz. Uma organização da sociedade civil que nasceu em 4 de julho de 2017 com a missão de apoiar o desenvolvimento social do Estado do Espírito Santo.


O objetivo é usar a força da comunicação em favor de entidades do Terceiro Setor e promovendo ações e projetos nas áreas de educação, cultura, assistência social e meio ambiente.


Fonte: Folha Vitória

0 visualização0 comentário