Dia das Mulheres: relembre histórias de profissionais de saúde que foram destaque e salvaram vidas



Mulheres da área da saúde vêm sendo destaque durante a pandemia de Covid-19 no Ceará. De médicas a enfermeiras e técnicas de enfermagem, elas estiveram engajadas em salvar vidas, seja trabalhando na linha de frente de combate à doença ou no processo de imunização dos primeiros grupos a receber as doses do imunizante no Ceará.


Nesta segunda-feira, 8 de março, Dia Internacional da Mulher, o G1 relembra alguns exemplos de dedicação dessas profissionais no Ceará. Caminho de pedras Nesta sexta-feira (5) a enfermeira Ana Kaline estava com uma equipe de vacinação quando a caminho da casa de um idoso de 102 anos para imunizá-lo se deparou com uma estrada carroçável dificultava a passagem do veículo, na zona rural de Pedra Branca, interior do Ceará. A profissional de saúde desceu do carro e recolheu pedras para fixá-las no caminho de modo a facilitar a caminhonete que levava a equipe.

“O acesso é muito difícil, muito mesmo. E principalmente agora por conta das chuvas. Então, a situação ficou difícil. O carro era uma Hilux, mas mesmo assim a gente ainda não conseguia passar, porque o carro ficava escorregando, descendo. Então, foi o jeito a gente colocar aquelas pedras ali, porque não tinha como voltar, não tinha como fazer retorno”, revela Ana Kalini. Rifa do vestido de noiva No auge da pandemia de Covid-19 no Ceará, em maio do ano passado, a obstetra cearense Ana Carolina Gondim organizou uma rifa virtual do seu vestido de noiva para arrecadar dinheiro e doar para o projeto social Auê, que oferece alimentos e material de higiene para famílias em situação de vulnerabilidade em Fortaleza.

Para Ana, “se cada um faz um pouquinho, todo mundo sai ganhando. Então, nem todo mundo pode colocar a mão na massa no combate à doença, mas todo mundo pode ajudar, de alguma maneira, de casa. E essa rifa é uma das maneiras de ajudar”, disse ela na época da campanha. Médica salva mãe e bebê em UTI Uma equipe médica do Hospital Geral Dr. César Cals, em Fortaleza, ajudou a salvar a vida de uma mãe que estava grávida de seis meses e meio, mas teve uma complicação pulmonar severa em decorrência da Covid-19. Entubada em uma UTI, a mulher passou por uma cesariana, nessa quinta-feira (4), e a criança nasceu prematura. A obstetra Sabrina Forte, de 30 anos, publicou o relato em uma rede social, de forma emocionada, e contou ao G1 que a criança já consegue respirar por conta própria, e a mãe vem melhorando seu quadro clínico.

A paciente estava internada na enfermaria do hospital para tratamento de Covid-19 e estava prestes a voltar para casa para continuar a gerar a filha, porém, teve o seu quadro agravado "drasticamente". De uma quase alta, a mãe, de 24 anos, foi transferida para um leito de UTI. Com o acometimento pulmonar seríssimo, a equipe médica teve de fazer o parto.

"Fizemos uma cesárea dentro da UTI, e o bebê já não estava com tanto oxigênio porque a mãe estava entubada. Quando eu tirei a bebê, ela já roxinha, aparentemente morta, foi uma angústia", narra Sabrina.

A médica continuou a cuidar da mãe para finalizar a cesárea, enquanto o bebê foi enviado à sala de cuidados. "Quando, de repente, as meninas gritam: 'doutora, tá viva!'. É uma sensação que eu não consigo explicar, meus olhos marejados - nossa! - parece que sai um peso das costas", diz. 1ª vacinada contra a Covid-19 no Ceará A técnica de enfermagem Maria Silvana Souza Reis, de 51 anos foi a primeira a receber a dose da vacina contra a Covid-19 no estado do Ceará. Ela foi imunizada por volta das 19h18 do dia 18 de janeiro deste ano no Hospital Leonardo da Vinci, em Fortaleza.

Emocionada, a profissional deixou um recado para todos os cearenses sobre o imunizante que acabara de receber.

"Não tenha medo de se vacinar de jeito nenhum. Sempre estive na linha de frente tomando de conta de todos os pacientes. Vinha e voltava de ônibus, saindo de casa 5 horas da manhã. É muita emoção", afirmou. Apelo emocionado A médica intensivista cearense Geórgia Oliveira se emocionou ao gravar uma mensagem de apelo para que a população de Fortaleza obedeça ao isolamento social e fique em casa. Ela gravou uma mensagem divulgada pela Secretaria da Saúde do Ceará nesta sexta-feira (5), data em que começou um novo decreto na capital cearense determinando o fechamento de todas as atividades não essenciais.

"Queria fazer um apelo a vocês, que a sociedade possa entender que essa 'gripizinha' já levou o amor de muita gente embora e que a dor que eles sofreram nós também sofremos. Dói muito quando a gente vê o pai e a mãe e o avô não poderem ter um enterro digno, não ter o final digno que ele precisa. E não poder também ter a companhia do familiar."


Fonte: G1

7 visualizações0 comentário