Desenho animado criado por médico do ES incentiva crianças a adotarem hábitos de higiene



Um desenho animado é algo que atrai a atenção da maioria das crianças. Muitas delas, fascinadas pelas cores, sons e histórias, acabam reproduzindo o comportamento dos personagens como forma de brincadeira. Pensando nisso, o médico infectologista Rafael Malta decidiu pensar em uma forma de entreter e, ao mesmo tempo, ensinar lições de saúde e de higiene para os pequenos. Nasceu, assim, a animação Doutor Infecto.


"A medicina, em geral, trabalha com doenças infectocontagiosas, e a maioria delas são doenças preveníveis. A gente só sabe prevenir algo que a gente conhece. Nós, que somos adultos, temos hábitos muito bem formados, mas as crianças, não. Elas ainda estão em desenvolvimento dos seus hábitos", considerou o criador do conteúdo. O personagem principal da animação começou a ganhar a internet com vídeos e músicas em outubro de 2019.

Aos poucos, foram surgindo vários outros integrantes, que formaram a Turminha do Doutor Infecto. Eles falam sobre os cuidados que devem ser adotados para não adquirir várias doenças, como a dengue e a gripe.

Na época, a pandemia do coronavírus ainda não havia começado. Mas, com os primeiros casos chegando ao Brasil, o Doutor Infecto passou a ser ainda mais popular. "[Quando o desenho foi criado] a gente não tinha o conhecimento ainda da pandemia, e é impressionante como veio a calhar. É o vídeo de mais acesso e ensina algo tão importante neste momento para evitar a transmissão da doença. A gente fala sobre o vírus, fala sobre métodos e maneiras de se prevenir, de uma forma muito divertida, mas também com muita qualidade e arte", disse.

A animação foi feita por uma equipe de São Paulo. Já a produção musical é é feita no Espírito Santo. Os episódios ficam disponíveis em plataformas como Youtube, Facebook e Instagram.

Para as famílias, que muitas vezes têm dificuldade de estabelecer uma rotina de higiene com as crianças, o Doutor Infecto facilitou o trabalho de educar os filhos para os bons hábitos. Foi o caso da Pollyanna Marcela Vieira, mãe do Benício, de três anos. "É uma forma divertida de a gente ensinar os nossos filhos. Começamos a ensinar o Benício a lavar as mãozinhas com a ajuda da musiquinha do Doutor Infecto. Às vezes, a criança não quer fazer o que precisa que faça, na hora que precisa. Então, quando traz alguma coisa lúdica, quando traz a musiquinha, fica mais fácil", considerou a mãe.


Fonte: G1

10 visualizações0 comentário