top of page

Demência frontotemporal (DFT): o que é a doença que afeta Bruce Willis



O ator Bruce Willis foi diagnosticado com demência frontotemporal (DFT). A doença foi confirmada pela família em um comunicado publicado nas redes sociais nesta quinta-feira (16).


Bruce já tinha se aposentado, em 2022, por causa da afasia: um distúrbio de linguagem que afeta a capacidade de comunicação. No entanto, isso era apenas um sintoma da demência frontotemporal. O que é a demência frontotemporal? De acordo com a médica neurologista Helena Fussiger, a DFT é uma doença neurodegenerativa que ocasiona a perda progressiva das funções cerebrais. Por afetar principalmente os lobos frontais e temporais laterais, os sintomas mais clássicos são relacionados ao comportamento e linguagem. A médica destaca que a afasia pode ocorrer por outros motivos, como eventos vasculares cerebrais ou tumores que atinjam as áreas cerebrais de linguagem. A doença tem cura?

  • Como as outras demências, a DFT não possui cura.

"O principal é o tratamento sintomático e multidisciplinar (médicos, psicólogos, nutricionistas, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais e musicoterapeutas)", afirma.

  • Mais rara, tem forte componente hereditário.

"Apesar de a maioria das demências serem marcadas por acúmulo de proteínas anormais no tecido cerebral, cada uma delas tem um tipo específico (ou mais de um) de proteína, sendo essa a marca da doença. A DFT também é uma demência mais rara e tem um componente genético (hereditário) mais significativo que o Alzheimer, por exemplo", explica Fussiger. Quais os sintomas? A demência frontotemporal é marcada por alterações comportamentais e de linguagem. A DFT abrange um conjunto de diversas doenças e sintomas, que progridem. Entre eles, são notáveis:

  1. personalidade alterada

  2. comportamento social prejudicado

  3. dificuldade na regulação das próprias emoções e impulsos

Leonardo de Sousa Bernardes, neurologista com especialização em neuro-oncologia do Hospital Albert Sabin, diz que o paciente pode começar a apresentar delírios e até sentir que está sendo perseguido. As atitudes de quem lida com a condição começam a transitar entre os extremos: ou ocorre uma extrema desinibição ou apatia e depressão.

Para fechar um diagnóstico é preciso analisar os sintomas que o paciente apresenta e realizar exames complementares de imagem, como tomografia, ressonância e PET para validar a hipótese e excluir outras causas.


Fonte: G1

43 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page